Almanova – Jodi Meadows

AlmaNova

  •    Autor: Jodi Meadows
  •    Editora: Valentina
  •    Nº de Páginas: 288
  •    Edição: 1
  •    Ano: 2013
  •    Título Original: Incarnate
  •    Tradutor: Ana Resende

   Avaliação: 7,5

Ana é nova. Por milhares de anos, no Range, milhares de almas vêm reencarnando, num ciclo infinito, para preservar memórias e experiências de vidas passadas. Entretanto, quando Ana nasceu, outra alma simplesmente desapareceu… e ninguém sabe por quê.
SEM-ALMA 
A própria mãe de Ana pensa que a filha é uma sem-alma, um aviso de que o pior está a caminho, por isso decidiu afastá-la da sociedade. Para fugir deste terrível isolamento e descobrir se ela mesma reencarnará, Ana viaja para a cidade de Heart, mas os cidadãos de lá temem sua presença. Então, quando dragões e sílfides resolvem atacar a cidade, a culpa deverá recair sobre Ana? 
HEART
Sam acredita que a alma nova de Ana é boa e valiosa. Ele, então, decide defendê-la, e um sentimento parece que vai explodir. Mas será que poderá amar alguém que viverá apenas uma vez? E será também que os inimigos – humanos ou nem tanto — de Ana os deixarão viver essa paixão em paz?
Ana precisa desvendar grandes segredos: O que provocou tal erro? Por que ela recebeu a alma de outra pessoa? Poderá essa busca abalar a paz em Heart e acabar por destruir a certeza da reencarnação para todos?

————————————————————————————————————————————————

Quero começar dizendo que achei essa história super original, não me lembro de ter lido nada parecido com essa premissa de almas em “looping”, ainda por cima, almas que levam as lembranças de uma vida a outra! Fiquei realmente intrigada com o que poderia causar isso e esse mistério me levou por toda a narrativa.

Ana com certeza é especial, um caso a ser estudado, como a única nova alma a encarnar em mais de 3 mil anos, só que ela não é muito popular. Ela saiu/foi expulsa de casa, logo que completou 18 anos, com um objetivo: descobrir por que era uma Almanova. Ou uma Semalma, como a mamãe megera carinhosamente a apelidou. Ela acaba na cidade das almas, Heart, um lugar muito antigo e com uma história com muitas versões, mas ainda assim incompleta. E mais, a cidade é viva.

As paredes brancas originais de suas construções, os muros de fortaleza que a cercam e uma grande torre central sem portas ou janelas, tudo isso literalmente pulsa com uma energia sinistra que parece incomodar só a Ana e ninguém mais. Vai me dizer que isso não é assustador? Essa parte já seria suficiente pra ganhar meu amor pela história, sem contar as criaturas mitológicas um pouco diferentes do que estamos acostumados…

… mas não pude lidar com os personagens.

post-10504-cant-deal-with-it-gif-imgur-vypg

Por mais que todo o mundo esquisito, sílfides de FOGO, dragões (sim, dragões!) e rocas (que vim a descobrir serem pássaros gigantes da mitologia persa) terem me fascinado, eu não consegui engolir Ana, a mocinha e Sam, o ancião.

Sam me lembrou um pouco Wanda, de The Host. Alguém que teve a oportunidade de experimentar a vida de várias formas diferentes e prestou atenção a isso, absorveu as mudanças. Super legal e talz.

Ana, por outro lado, é a vitima. Ok, eu sei que ela é nova e deve ser bem difícil ter 18 anos quando todo mundo tem três milênios, mas ela reclama DEMAIS! Como essa menina gosta de uma sofrência! E se lembram que eu falei que ela saiu de casa pra descobrir a verdade sobre si mesma? Pois é, ela meio que faz tudo, menos isso. Ana se pendura em outras almas gentis, amigas de Sam, e resolve aprender suas habilidades com eles. Mas, principalmente, ela desenvolve uma relação bizarra de aprendiz com seu compositor favorito (sim, ele mesmo, o Sam).

200

Diferente de muitos romances onde o cara tem centenas de anos, mas age como qualquer outro adolescente, a relação de Ana e Sam não demonstra isso. Ele fala como alguém que viveu muitas vidas (pelo menos como eu acho que alguém assim falaria), e ela demonstra a falta de experiência tanto em atos quanto em pensamentos.

Eu odiei esse par romântico. É esquisito. Pronto,  falei.

giphy1

Eu sei que ela tem 18, é maior de idade em muitos países, mas ele tem 3000 (três freaking mil!) e ‘adotou’ ela, por assim dizer, prometendo cuidar dela e ajudá-la a se tornar uma cidadã efetiva de Heart. É o professor com a aluna! Ninguém mais vê algo errado nisso?

Imagino que essa minha opinião não é muito popular, e a maioria das pessoas fica feliz por engolir qualquer par romântico que os autores queiram empurrar pra gente, inclusive eu super AMEI Crepúsculo quando eu li pela primeira vez ( *** anos atrás). Mas eu não comprei essa.

Gostaria de mais foco no verdadeiro mistério, mais enfase nos dragões (repito, dragões!) e menos estardalhaço em volta de um casal no mínimo anti-ético. Sei que cheguei atrasada nesse livro, mas se algum de vocês ainda não teve essa experiência, pense duas vezes.

xoxo

Anúncios

Pandemônio – Lauren Oliver

Pandemonio_capa_red (1)

  •    Autor: Lauren Oliver
  •    Editora: Intrínseca
  •    Nº de Páginas: 304
  •    Edição: 1
  •    Ano: 2013
  •    Título Original: Pandemonium
  •    Tradutor: Regiane Winarski

   Avaliação: 9,0

ATENÇÃO, RESENHA ALTAMENTE PERIGOSA PARA NÃO LEITORES DE DELÍRIO. Se você ainda não pegou amor delíria nervosa mantenha-se longe!

Dividida entre o passado — Alex, a luta pela sobrevivência na Selva — e o presente, no qual crescem as sementes de uma violenta revolução, Lena Haloway terá que lutar contra um sistema cada vez mais repressor sem, porém, se transformar em um zumbi: modo como os Inválidos se referem aos curados. Não importa o quanto o governo tema as emoções, as faíscas da revolta pouco a pouco incendeiam a sociedade, vindas de todos os lugares… inclusive de dentro.

————————————————————————————————————————————————

“O outro lado da liberdade é: quando você está completamente livre, também está completamente sozinho.”

Ah, o final de Delírio.

Como proceder depois daquele final? Como dona Oliver, como??

Lembram que, a muito tempo atrás, eu disse que Delírio era tão devagar no começo que quase o chutei pro fim da fila? Então, Pandemônio começa de onde Delírio acabou, e é tudo, menos parado!

Enquanto Delírio foi focado em amor proibido e na alegria de novas descobertas, Pandemônio é todo sobre Lena e sua nova vida. Eu sei que muita gente detestou a coisa do Antes e Agora, eu, particularmente, amei. Deu um ritmo inesperado para a leitura, como quando você fica indo de um personagem ao outro, só que desta vez eles se juntam e formam um só no final. Muito bom!

Então a Lena está na Selva. Ou devo dizer, aquela que um dia foi Lena está na Selva. Imaginem um personagem que evoluiu, mudou, se transformou completamente e não em uma só aspecto, mas em vários. A Lena de Delírio era uma coisinha tontinha, assustada e fragilizada pelas próprias descobertas, a Lena de Pandemônio já não tem mais nada a perder, somente memórias dolorosas.

Ela pensa no Alex, é claro que ela pensa, acho muito injusto que digam que a Lena o deixou de lado! Só que ela tem coisas mais urgentes pra se ocupar, tipo não morrer de inanição, não morrer de sede, não morrer de frio, esse tipo de situação chata que pode tomar o tempo de uma pessoa… Na minha humilde opinião ela até usa essa nova realidade como escudo contra suas feridas emocionais.

Temos mais ação agora. Lena encontra Graúna, Prego e outros ‘Inválidos’ que a ensinam o que há para ser ensinado em termos de sobrevivência com quase nada. Apesar de amar romances, gosto muito de livros com perseguições, correria, tiros de um lado pro outro. Não estou dizendo que temos tiros de um lado pro outro sabe, porque isso seria um spoiler sabe, mas não vai te fazer mal ter uma arma pra se defender enquanto estiver lendo, sabe, só por precaução…

Também é bom se preparar para toneladas de novos personagens e apenas lembranças dos antigos, essa mudança não poderia ser mais emblemática, tudo aquilo que Madalena um dia conheceu se foi. Ela se deu conta disso quando se deu conta que já havia passado tempo suficiente para Hana ter passado pela Intervenção e que a única pessoa que compartilhava e, mais importante, entendia os segredos de Lena estava perdida para sempre.

Para sempre é meio pesado né, eu pessoalmente acho que essa coisa toda de curar  amor parece algo que daria para ser revertido, mas sei lá, é só uma especulação, quem sabe que tipo de agonia a Lauren Oliver ainda planeja para a gente?

Reação padrão ao final de Delírio, Pandemônio…

Em suma, Pandemônio não tem delicadezas, mas tem paixão, não tem romance, mas tem saudade, não tem respostas, mas tem várias perguntas e, principalmente, tem um gancho de matar no final, assim como Delírio. Vamos esperar que Réquiem seja conclusivo, tenho medo dessa mania de deixar os leitores com o coração na mão da Oliver…

 

xoxo e feliz Páscoa

 

Garota Tempestade – Nicole Peeler

Garota Tempestade

  •    Autor: Nicole Peeler
  •    Editora: Valentina
  •    Nº de Páginas: 278
  •    Edição: 1
  •    Ano: 2013
  •    Título Original: Tempest Rising
  •    Tradutor: Ana Beatriz Manier

   Avaliação: 8,0

Mesmo tendo passado a vida inteira na pequena e conservadora cidade de Rockabill, Jane True, 26 anos, sempre soube que não se encaixava numa sociedade pretensamente normal. Durante um de seus clandestinos nados noturnos no mar congelante, desafiando um perigosíssimo redemoinho, uma descoberta terrível leva Jane a revelações surpreendentes sobre sua herança genética: ela é apenas meio-humana. Agora, Jane precisa penetrar um mundo de mitos e lendas, povoado por criaturas sobrenaturais, aterrorizantes, belas e até mortais. Características que também descrevem perfeitamente Ryu, seu novo “amigo” — um vampiro poderoso, deslumbrante e hummm, aiii… muuuito SEXY. Nesse mundo, onde há um goblin advogado, um espírito de árvore maquiador, um súcubo dona de boutique, elfos diabólicos, homens inflamáveis, seres híbridos que se transformam em animais selvagens, nada é presumível. Que dirá um romance ao molho pardo. Mas atenção, nunca, nunca mesmo, esfregue a lâmpada do gênio. Entretanto, alguém está matando meio-humanos como Jane. A pergunta que não quer calar é: os assassinatos são fruto de uma mente doentia ou há um plano macabro para exterminá-los? Se você é fã de Sookie Stackhouse, meio-humanos, vampiros sedutores e criaturas sobrenaturais, então se prepare para mergulhar de cabeça nessa deliciosa série de urban fantasy.

————————————————————————————————————————————————————————————————–

Oi pessoa, lembra de mim? Sou a autora desse blog, sabe? Pois é, ele não morreu, nem eu! A não ser que você considere morte por vergonhite aguda…

Meus horários mudaram drasticamente e me vi com um pouco de dificuldade pra organizar (leia-se arrumar tempo para ler) minha vida. A peculiaridade é que agora ando com sono, tipo, muito sono! O que basicamente descaracteriza o nome do blog, a blogueira e bem, vocês entenderam, mas tudo certo, acho que é só uma fase de adaptação e pretendo logo em breve retomar meu antigo ritmo de leituras!

Blogueira lutando para permanecer acordada!

Agora, sobre a garota que nadava em redemoinhos:

“The internet is dark and full of spoilers – Melisandre, A Clash of Kings”

É a mais pura verdade.

Logo que recebi o livro também ganhei de presente spoilers que TALVEZ não fossem considerados grande coisa, mas que desmotivaram um pouco muito a minha leitura.

Eu entro em crise quando leio spoilers. É sério.

Porém, como esse era um livro que eu esperava desde o final de 2012, com boas criticas e um certo burburinho, me obriguei a jogá-lo no topo da lista de leituras jurando que não leria nada mais até que não tivesse acabado com ele!

Ainda bem!

Um estilo meio Sookie Stakehouse, com mistérios a lá Georgina Kincaid e um senso de humor bem Jane True mesmo, Garota Tempestade foi me conquistando sem que eu percebesse até que pimba! O livro tinha acabado e eu precisava da continuação pra anteontem!

A capa pode enganar, e muito, quem acha que é um juvenil, mas posso garantir que o conteúdo não deixa dúvidas. É como se alguém tivesse espremido pimentas entre as páginas ou o retirado direto da gaveta probidona da Jane. Sendo assim, não é exatamente o que eu recomendaria para menores de idade interessados, aquela velha história: seus pais vão me processar e blá, blá, blá…

Enfim, um fato marcante no enredo é que temos um romance pseudo-gostoso comumvampiroverdadeiramentegostoso que pareceria clichê entre os tantos que vemos por aí, e justamente por isso, esse “aparentemente clichê” que fiquei com um cachorro de rua atrás da orelha. Confusa, sim ou claro?

Deixa eu tentar explicar melhor, apesar de não achar nenhuma prova escrita, quando o romance surgiu tentei não me deixar muito confortável, esperando que as coisas dessem errado, que um triangulo amoroso chegasse para me assombrar, que o mundo acabasse ou coisa do estilo, mas… bem, você, eu não vou contar.

É verdade dizer que geralmente gosto muito mais dos coadjuvantes do que dos personagens principais e, mesmo Garota Tempestade ser um caso raro de heroína-legal-pra-caramba, também há as super pessoas em volta dela! Pausa para o nome da livraria de Tracy e Grizzie, amigas de Jane: Morrer de Ler. Fim da pausa. Como acompanhamos tudo em primeira pessoa, temos o mesmo nível de conhecimento de Jane e podemos fica tão, ou mais, maravilhados que ela com as criaturas que surgem em sua vida e as que já estavam por lá, mas que não sabíamos que poderiam ser tão demais assim até alguma coisa diferente acontecer!

A srta. True também tem seus mistérios, tão assombrosos para ela mesma, que ela prefere nem pensar a respeito, quanto mais falar sozinha sobre eles.

Então ela não gosta que a chamem de louca, mas acredita em vampiros e fala sozinha? Interessante.

A narrativa de Peeler talvez seja o único ponto negativo para mim. Gostaria de frases mais ritmadas, menos gírias jogadas e, em certos momentos, menos da dirty talk pré-sexo que a Jane curte. Porém, dizer que li sem grandes expectativas soa como se eu estivesse esnobando o livro, melhor dizer que li apenas para aproveitar uma estória leve e divertida e que não me decepcionei com isso. Despretensiosa, Garota Tempestade é uma fantasia urbana que entretém, te pega nas inúmeras possibilidades para a solução de seus mistérios enquanto arranca suspiros pelo romance e a criatividade.

Primeiro livro que leio da editora e posso dizer, não poderia estar mais feliz com o resultado! Vá agora pedir ao gnomo responsável pela sua região uma cópia e espere comigo pelo segundo volume, Caçadores de Tempestade!

xoxo e bom meio de semana!

Editora Valentina, Yay!!

Sim sim, a Valentina é a mais nova parceira do IYRDIW! Querem saber mais?

“Para a VALENTINA, leitura é, acima de tudo, entretenimento.
Olho vivo e faro fino. Esse é, na verdade, o lema de todo grande editor. E a nossa pincher encarna esse lema como ninguém. A busca por livros inesquecíveis e entretenimento de alta qualidade, nos leva a prazerosamente garimpar pelo mundo, todos os dias, o melhor da literatura de entretenimento, sem preconceitos. 
Quer

emos fazer parte do universo único onde habitam leitores vorazes e antenados, personagens inesquecíveis e obras premiadas, eternas e transformadoras; afinal, como dizem por aí, todo baixinho é folgado, e a doce Valentina se acha o doberman do pedaço. 
E, para não ficar ninguém de fora, procuramos um mundo de temas: urban fantasy, distopia, paranormal, romances femininos, thriller, chick-lit, pets, religiosidade, biografia, bem-estar, steampunk… Sem esquecer, logicamente, os nossos xodós: romances que abordam a juventude contemporânea e ganham vida fora do livro — muitas vezes vão parar nas salas de aulas – com discussões fundamentais sobre os adolescentes, seus sonhos, seus medos, seus dramas e, principalmente, suas paixões.
É verdade, já deu para perceber, que a gente ama de paixão a literatura juvenil, mas nosso catálogo é eclético e moderno: tem diversão e cultura para quem está começando, aos 6 anos de idade, e também para quem já passou dos 100. Ah, e tem para quem quer chegar lá, certo? Tem tudo que, de alguma forma, faz da leitura um momento único e insubstituível.
A pergunta: Como pode um ser tão pequenino fazer tanto barulho? A resposta: Latindo com paixão, entusiasmo e um imenso tesão pelo que se faz. A gente adora latir, ops, quer dizer, a gente adora falar sobre livros. Venha visitar mais a VALENTINA aqui no site (face etc…) e contar pra gente como foi a sua experiência com os nossos livros? Esperamos você, já estamos abanando o rabinho e com a as orelhas em pé. Obrigado.
Au-au, rrrrr, au-au-au, ou melhor, muito prazer, somos a VALENTINA.”
Eles vão, tipo, trazer Garota Tempestade e Incarnate pra cá (livros incríveis) e muitas outras coisas bacanas!
Sigam a editora no Twitter: @EdValentina
É isso aí pessoal, muitas novidades estão por vir e nós todos vamos acompanhar juntinho da editora!
xoxo