A Esperança – Suzanne Collins

  •    Autor: Suzanne Collins
  •    Editora: Rocco
  •    Nº de Páginas: 424
  •    Edição: 1
  •    Ano: 2011
  •    Título Original: Mockingjay
  •    Tradutor: Alexandre D’Elia
  •    Avaliação: 10,0
Depois de sobreviver duas vezes à crueldade de uma arena projetada para destruí-la, Katniss acreditava que não precisaria mais de lutar. Mas as regras do jogo mudaram: com a chegada dos rebeldes do lendário Distrito 13, enfim é possível organizar uma resistência. Começou a revolução.
A coragem de Katniss nos jogos fez nascer a esperança em um país disposto a fazer de tudo para se livrar da opressão. E agora, contra a própria vontade, ela precisa assumir seu lugar como símbolo da causa rebelde. Ela precisa virar o Tordo.
O sucesso da revolução dependerá de Katniss aceitar ou não essa responsabilidade. Será que vale a pena colocar sua família em risco novamente? Será que as vidas de Peeta e Gale serão os tributos exigidos nessa nova guerra?
Acompanhe Katniss até o fim do thriller, numa jornada ao lado mais obscuro da alma humana, em uma luta contra a opressão e a favor da esperança.
————————————————————————————————————————————————

Quero deixar claro que esse resenha contém spoilers por todo lado, se você ainda não leu A Esperança provavelmente vai querer parar depois do gif do Peetalicious.

Ok, vamos lá.

É tremendamente problemático resenhar esse livro, sua leitura é uma verdadeira enxurrada emocional e meio que fico com medo de falar mais ‘bobrinhas do que de costume.

Então, vou começar por um fato básico.

A Esperança merece uma 2ª leitura.

Segundo fato básico: eu concordo inteiramente com tudo o que a Collins fez desse livro. Desde o rumo que a estória tomou, até o fim de cada personagem.

Não há mais Distrito 12, mas há o 13.

A Katniss está com os rebeldes agora. Ou melhor dizendo: os rebeldes estão com a Katniss. Ela anda num estado letárgico, digerindo cada um dos acontecimentos da Arena, nem sempre da melhor maneira. Ver Peeta bem em poder da Capital foi o interruptor necessário para que ela assumisse as asas do Tordo, mas, obviamente, o desafio só está começando.

Primeiro porque nem com toda a maquiagem, iluminação e produção do mundo, nem com o uniforme mais incrível de Cinna, Katniss simplesmente não prestava para as câmeras! A razão de ter sobrevivido tanto tempo em frente a elas, claramente, fora Peeta. Ela podia cuidar de seus ferimentos e garantir sua proteção, mas era Peeta quem cativava as câmeras. Vamos combinar que se, além de tudo, o garoto fosse um guerreiro, seria pura covardia com a humanidade…

“I’m Peeta and you know it”  Google it.

A solução foi jogá-la na batalha, na esperança de Katniss fazer as coisas motivacionais e espontâneas que conquistaram todo o país. Daí você pensa: mas vale a pena? Ela pode muito bem morrer lá, né?

Pode.

E tem até outro governante, sem ser o Snow, contando com isso.

A Presidenta Coin é quem lidera o disciplinado povo do Distrito 13. Desde o princípio ela abertamente apoiava a retirada de Peeta da arena, mas foi suplantada pela voz da razão. Há quem diga que Coin não veria mal algum em uma mártir para a Revolução… e nem é intriga da oposição.

Estou pulando de propósito a parte da Katniss ser lenta para perceber que ama o Peeta e que o Gale foi seu irmão em outra vida. Como o Gale mesmo disse: ela seria sempre a última a sacar interesses românticos. Achei o envolvimento do trio muito autentico, mesmo com todas as circunstancias malucas. Foi um dos motivos pra eu acabar a leitura assim:

Então, passando pra grande polemica de Mockingjay.

Vou soar curta e grossa: muitas das pessoas que criticaram o rumo da estória o fizeram porque são incapazes de entender a devastação emocional dos personagens. São virtualmente incapazes de digerir uma ficção que não acabe no ‘felizes para sempre…’ .

Por favor. Aquilo é guerra. Aqueles ainda são os Jogos. As pessoas vão morrer.

E por mais incrível que seja a sua personalidade, por mais força de vontade, amor pela vida e otimismo, a guerra vai deixar cicatrizes. A loucura de algumas personagens veio justamente da junção dessas cicatrizes com o constante bombardeio emocional de não saber quem é o verdadeiro inimigo, quando um novo vai surgir, com que rapidez seus aliados vão sucumbir.

Acredito que apenas quatro pessoas sabiam quem  exatamente era a Coin: uma estava morta, outra não se importava, a terceira cuspia sangue e a quarta a assassinara. Boggs cantou a bola logo antes de morrer; Plutarch era inteligente e próximo demais para não sacar a Presidenta; Snow se reconheceu no espelho e Kat, bem, ela precisou perder a irmã para realmente entender.

Teve gente que achou o que aconteceu com a Prim, desnecessário. Discordo veementemente. Sem aquilo, duas coisas importantes não ficariam claras: a Coin, depois de não conseguir uma mártir, precisaria de uma aliada. Ela lançou a carta que tinha na manga (lembrem-se que a Prim não tinha idade para estar no front) e subestimou Katniss. Não estou dizendo que a Kat matou na hora ou previu os movimentos da Presidenta, mas o que a Coin não sabia é que a garota reconheceria um Snow (a segunda coisa importante que ficou clara). Provavelmente a mulher mais velha também não tinha a intenção de ser um novo monstro, talvez ela nem tenha notado no que havia se transformado, mas aí já é outro problema.

A decisão final, sobre a última edição dos Jogos mostra um forte ponto de vista de Collins: todos são iguais, o que muda é quem detém o poder. E principalmente, como são poucos os que conseguem enxergar além disso sem ficarem quietos: como o Peeta, por exemplo.

As pessoas que saíram do cinema, na estreia do filme, alucinadas para copiar os looks da Capital são o povo da Capital. A diferença é que eles não tem as roupas idiotas ainda. Veja bem, não estou criticando a vaidade, eu sou vaidosa, mas pense comigo, o que as pessoas da Capital não tem? Senso de ridículo? Sim. Senso? Noção. Elas não pensam por elas mesmas, não passam de um bando de ovelhas na mão de quem toma as decisões reais.

Na boa, é a ovelha quem sempre se ferra no final.

O que você vai fazer? Não se juntar ao bando? Sair dele? Olhar além? E depois do que você enxergar, vai ficar quieto?

Anúncios

New on My Bookshelf… Vol 5 (it’s alive!)

O Ministério dos Blogueiros adverte: esse post é LONGO. Se estiver interessado apenas na estréia de Jogos Vorazes dê: Ctrl+F 23 de março.

Sim! Isso ainda existe! Sim, a última vez que fiz um NOMB foi ANO PASSADO! Sim! Eu me envergonho em admitir! Sim, a ultima parte foi mentira!

Gentes, desculpa, mas quem acompanha o blog já deve ter percebido a falta de fotos originais ou algumas muito meh, é que até então eu estava sem minha tão adorada câmera… ainda estou, na verdade, mas minha tão adora mãe finalmente emprestou seu celular pra mim. Ela não fez isso antes porque tinha um certo receio saudável de que eu fosse sequestrar o bichinho e não devolver nunca mais.

Yeap, as mães nos conhecem bem.

"Mas mããããe foram só algumas fotinhas, eu já ia devolver!"

Fato.

Então, como faz muito tempo que postei o último NOMB, minhas biblioteca aumentou, felizmente!! Achei que botar todos os livros que ganhei/comprei/recebi de parceria desde dezembro ia ser meio cansativo… por isso selecionei os doze últimos. Com vocês meus novos filhotes e uma gata muito com mania de grandeza:

A editora Novo Conceito arrebentou mais uma vez ², os kits que recebi são maravilhosos e vocês logo, logo vão vê-los nas promos que estou tramando.

Já resenhei o A Ascensão do Governador aqui e já contei um pouco do que espero para Irmandade e Delírio aqui.

Silêncio, o terceiro volume da série Hush Hush da Becca, merece aqui uma atenção especial: Natys, ‘brigada pelo presentão! Sua linda! A parsa do Vire a Página me mandou esse livro de aniversário e passatempo, já que a embalagem necessitava de um sabre de luz estilo Darth Maul para ser aberta… mesmo assim eu te adoro, viu, aguarde uma surpresa à altura lá em Agosto!

Destinada é o nono volume da História Sem Fim (a.k.a. House of Night); Terra dos Sonhos, o terceiro do spin-off de Os Imortais, Riley Bloom; Impiedosas é o 7º livro da incrível série Pretty Little Liars, se você ainda não leu nenhum: ma che? Vá garantir seu Maldosas e aproveite para dar uma conferida na série de TV, é muito boa também. Recomendados.

E, antes que alguém me pergunte: sexta-feira, dia 23 de março.

"A qualquer hora que eu dissesse uma palavra começando com 'H'..."

"... eu diria Hunger Games."

"Tipo, eu estou tão Hunger Games por estar aqui!"

"Happy. Desculpa, está na minha mente."

É tão verdadeiro que redefine verdade nos dicionários.

Fui a quarta da fila de cem metros e 2 horas na estréia de Hunger Games. Vi garotas encenando a Arena por posteres do Josh e do Liam. Vi mães de todas as idades vestidas com camisetas do Tordo. Esperei que os Pacificadores aparecessem pra botar a criançada na linha. Tive um mini-infarto quando finalmente nos deixaram entrar.

Não quero estragar suas surpresas, mas te recomendo fortemente que vá assistir HG. Minha experiência no cinema pode se resumir a seis imagens:

Quando o filme começou:

Quando a Katniss se voluntariou:

Quando a parte da Arena começou:

Quando a Rue morreu:

Quando a Kat e o Peeta ganharam:

Quando eu lembrei que vai demorar pra vir o próximo:

Meu médico recomendou que eu assistisse pelo menos mais três vezes até estar pronta para suportar a espera de Em Chamas. Eu não confio em médicos. Vou assistir mais seis.

Boa semana pra vocês!

xoxo

Em Chamas – Suzanne Collins

  •   Autor: Suzanne Collins
  •    Editora: Rocco
  •    Nº de Páginas: 413
  •    Edição: 1
  •    Ano: 2011
  •    Título Original: Catching Fire
  •    Tradutor: Alexandre D’Elia
  •    Avaliação: 9,5

Atenção! Massive spoiler alert! Cubra os olhos, tire as crianças da sala e procure abrigo (não necessariamente nessa ordem) se você ainda não leu Jogos Vorazes… e depois não diga que não avisei…

Depois da improvável e inusitada vitória de Katniss Everdeen e Peeta Mellark nos últimos Jogos Vorazes, algo parece ter mudado para sempre em Panem. Aqui e ali, distúrbios e agitações dão sinais de que uma revolta é iminente. Katniss e Peeta, representantes do paupérrimo Distrito 12, não apenas venceram os Jogos, mas ridicularizaram o governo e conseguiram fazer todos – incluindo o próprio Peeta – acreditarem que são um casal apaixonado.
A confusão na cabeça de Katniss não é menor do que a das ruas. Em meio ao turbilhão, ela pensa cada vez mais em seu melhor amigo, o jovem caçador Gale, mas é obrigada a fingir que o romance com Peeta é real. Já o governo parece especialmente preocupado com a influência que os dois adolescentes vitoriosos – transformados em verdadeiros ídolos nacionais – podem ter na população. Por isso, existem planos especiais para mantê-los sob controle, mesmo que isso signifique forçá-los a lutar novamente.
————————————————————————————————————————————————

“-Quer dizer então que estamos todos nos dirigindo para o grande desconhecido, não é? – pergunta ele, olhando para mim.

-Não. –digo. –Não mais.

-Você analisou as fraquezas desse plano, não analisou queridinha? –pergunta ele. –Alguma ideia nova?

-Quero começar um levante.

Haymitch apenas ri.”

Até tentei ler outra coisa, mas depois de re-devorar Hunger Games não aguentei, e aqui está a resenha de Em Chamas, continuação de Jogos Vorazes. Outra re-releitura muito proveitosa.

A primeira coisa que me veio a cabeça depois de fechar Em Chamas foi: Collins, sua danada, você já tinha TUDO em mente antes de sequer começar a escrever JV, né? Porque chega a ser absurdo como tudo se encaixa com perfeição, sem nem chegar perto do clichê ou de ‘favas contadas’.

Para vocês terem uma ideia da diferença que isso faz, é só prestar atenção aos livros do Harry Potter…

Deus, lá vem ela de novo com HP…”

Sério! Não estou comparando, ok? Mas essa linha de raciocínio leva ao que falei na resenha de JV a respeito de treinar sua leitura. Perceber as diferenças entre um autor que adiciona detalhes que se encaixam com o que aconteceu, e autores que deixam o gancho para um detalhe que só vai aparecer lá na frente. Não estou dizendo que um é certo e outro é errado, não!! Tudo depende da qualidade do autor… Às vezes um autor medíocre pode sair ‘inflando’ a estória de coisinhas de tal maneira que você vai pensar: “Oi?, vocês está tirando tudo isso da cartola, querido?” ou então deixar tantas indicações do que vai acontecer que a gente fica tipo “Não me diga.”

Mais uma vez, isso vai da qualidade do autor (uma mistura de talento e comprometimento) e é bacana nós percebermos isso durante a leitura, nos torna críticos conscientes. Leitores de verdade.

Assim como quem ficou tenso com o final de JV (in other words: TODO MUNDO) eu não sabia o que Collins pretendia, já que Katniss havia saído viva da Arena. Por um lado, tinha uma pálida ideia de que a coisa seria bem mais voltada para a política, afinal Peeta sobreviveu também. Afinal, dificilmente a Capital deixaria aquilo barato. Por outro, sabia que haveria ainda um terceiro livro, o que tornaria ainda mais delicado o equilíbrio de uma estória que nos prendesse tanto quanto sua predecessora.

Aí que entra a grande sacada. O Presidente Snow deixou muy claro que a culpa de qualquer insurgência contra a Capital é de Katniss, já que foi ela quem ofereceu as amoras venenosas à Peeta. Foi ela a Eva do paraíso de Panem.

Falando em Eva, um pequeno adendo: onde está a religião em Jogos Vorazes? Katniss fala ‘Deus’ algumas vezes mas, naquele futuro, a religião (qualquer que seja) não tem voz nem vulto. Bem, é só somar dois mais dois para perceber o que Collins quis dizer com isso.

Retomando: o Presidente Snow manda Kat se virar para convencer Panem de que o que foi feito foi por amor, não rebeldia. Ou seja, ela e Peeta vão ser para sempre o casal mais apaixonado do país. Casar e tudo o mais. Ou então a Capital vai matar todos aqueles que a garota ama, a começar por seu amigo Gale.

Não funciona. Um país à beira de um colapso não precisava de muito mais que uma fagulha para pegar fogo de vez, e a fagulha já tinha se espalhado com aquelas amoras. Os Distritos já se saturaram.

É ai que Katniss revolve jogar tudo pro alto e lutar contra a Capital, ela pretende comandar um levante.

Prevendo algo do tipo, Snow se adianta.

“Você subestima meu poder.”

Como dá pra notar pela sinopse, Kat é forçada a lutar novamente. Num golpe muito astuto, o Presidente Snow decreta que – No aniversário de setenta e cinco anos, para que os rebeldes não se esqueçam de que até mesmo o mais forte dentre eles não pode superar o poder da Capital, o tributo masculino e o tributo feminino serão coletados a partir do rol de vitoriosos vivos.

Ou seja, em comemoração a 75ª edição dos Jogos, Katniss, a única vitoriosa viva do distrito 12 será obrigada a voltar para a arena. Viver tudo aquilo de novo. Com Peeta.

OMG

Do hit: É verdade, por que Katniss?! POR QUE VOCÊ É TRAUMATIZADA?!!

Well, apesar de adorar o que Collins fez, não consegui deixar de reparar na coisa que, muito provavelmente, foi o motivo por Em Chamas ser meu livro menos querido da trilogia: ele parece uma ponte entre o primeiro e o terceiro.

Tirando as tensões óbvias da trama, Em Chamas parece que está o tempo todo nos preparando para o que vem em seguida, não para o que está acontecendo ali, naquele momento. Entendem?

Estou me preparando emocionalmente para reler A Esperança, espero trazer uma impressão clara para vocês logo, logo.

Bom fds

xoxo

P.S.: Caso você esteja se perguntando por que eu não disse nada a respeito do triangulo amoroso Kat – Peeta – Gale… é porque para mim sempre foi claro que a Katniss nunca esteve apaixonada por Gale. Ela só estava puta da vida por ser obrigada a casar com Peeta (por quem ela obviamente estava apaixonada, do jeito dela) e só enxergava Gale como a outra opção. Um jeito de não fazer o que  estavam mandando.

Jogos Vorazes – Suzanne Collins

  •    Autor: Suzanne Collins
  •    Editora: Rocco
  •    Nº de Páginas: 397
  •    Edição: 1
  •    Ano: 2010
  •    Título Original: Hunger Games
  •    Tradutor: Alexandre D’Elia
  •    Avaliação: 10,0
Katniss escuta os tiros de canhão enquanto raspa o sangue do garoto do distrito 9. Na abertura dos Jogos Vorazes, a organização não recolhe os corpos dos combatentes caídos e dá tiros de canhão até o final. Cada tiro, um morto. Onze tiros no primeiro dia. Treze jovens restaram, entre eles, Katniss. Para quem os tiros de canhão serão no dia seguinte?…
Após o fim da América do Norte, uma nova nação chamada Panem surge. Formada por doze distritos, é comandada com mão de ferro pela Capital. Uma das formas com que demonstram seu poder sobre o resto do carente país é com Jogos Vorazes, uma competição anual transmitida ao vivo pela televisão, em que um garoto e uma garota de doze a dezoito anos de cada distrito são selecionados e obrigados a lutar até a morte!
Para evitar que sua irmã seja a mais nova vítima do programa, Katniss se oferece para participar em seu lugar. Vinda do empobrecido distrito 12, ela sabe como sobreviver em um ambiente hostil. Peeta, um garoto que ajudou sua família no passado, também foi selecionado. Caso vença, terá fama e fortuna. Se perder, morre. Mas para ganhar a competição, será preciso muito mais do que habilidade. Até onde Katniss estará disposta a ir para ser vitoriosa nos Jogos Vorazes?
————————————————————————————————————————————————

Eu sei o que vocês estão pensando “Agora, Desi? Depois que todo mundo já cansou de ouvir falar disso, agora que você me aparece com uma resenha?”.

Pois é, agora.

Acontece que essa não é uma resenha simples. Acontece que eu já tinha lido Hunger Games lá atrás, antes de ser lançado aqui. Acontece que ontem resolvi explicar pra minha mãe, detalhadamente, tudo o que se passa no livro. Acontece que não aguentei e li HG de novo de novo em 4 horas.

Mas de uma maneira diferente.

O bom de ler um livro outra vez é que você percebe coisas que não tinha visto antes, coisas ocultas pelo furor da narrativa e pela sua vontade de saber logo o que ia acontecer.  Melhor ainda é quando você rele um livro buscando as coisas ocultas nele. Como? Vamos manter em mente que aquilo foi escrito por uma pessoa Sério mesmo?! , vai admite, às vezes você esquece isso! É normal, e geralmente é sinal de que o autor é muito bom! O outro caso é que você pode ser um leitor destreinado…

Sim, a leitura é uma habilidade aprimorável. \o/

Tem até uns livros pra te ensinar a ler ‘corretamente’, o que eu sinceramente acho chatérrimo e desmotivacional. Enfim, o que quero dizer é que, com prática, você vai ser capaz de captar a obra por inteiro. O que está acontecendo, o que o autor quis com aquilo e por que.

Em Jogos Vorazes, nada é por acaso. Collins conseguiu equilibrar violência, solidariedade, desprezo e afeto num mesmo prato, de forma hipnotizante. Ela soube exatamente onde colocar cada acontecimento, fala e linha de raciocínio de forma que o texto mantivesse o leitor acordado a noite inteira lendo, sem cansar.

É frenético! É perfeito!

Ufa.

Ok, dá pra perceber tudo isso pelos pensamentos de Katniss. Hunger Games é narrado em 1ª pessoa, logo, você está na cabeça da garota. E ela é blindada.

Quero dizer, Katniss é capaz de morrer pelas pessoas que ama (prova disso foi ela se voluntariar no lugar da irmã), mas é incapaz de abrir seu coração e permitir que os outros a amem. Ela não se vê como uma pessoa, ela é simplesmente a provedora da família, aquela que mantém mãe e irmã vivas e que só se permite relaxar num ambiente hostil com uma arma letal na mão, a Floresta da Costura.

Acho incrível o quanto ela se importa com os outros e ainda assim consegue ser tão emocionalmente distante de tudo. Acho incrível como Collins conseguiu trabalhar isso, essa frieza, e nos dar uma personagem adorável.

Tenho vontade de afogar no poço da Samara as pessoas que ficam dizendo ‘Ah, mas nem é tão brutal assim a vida dela e Arena, a Katniss exagera, pra que ficar tão traumatizada assim?’

BITCH, PLEASE.

Eles estão obrigando crianças a matar outras crianças (não, você não é adulto, aborrecente). Crianças desesperadas, que não comem direito nunca e que muitas vezes são obrigadas a tomar conta da casa porque os pais morreram ganhando uma miséria da Capital. Ah sim, não vou me esquecer da Capital. Imagine saber que todo esse perrengue que você, criança faminta e desesperada, está passando é para que um punhado de almofadinhas possa esbanjar seus privilégios por ai, sem restrições. Imagine que você seja lembrado todos os dias, na escola, no trabalho, nos noticiários que você merece passar por aquilo e que é uma honra, uma fucking honra! ser sorteado como tributo. Saber que a sua morte é um show, pensado exclusivamente para entreter os tais almofadinhas e oprimir ainda mais o povo dos Distritos.

Deve ser realmente um passeio no parque caçar um garotinha de 12 anos e destripá-la porque essa é a única maneira de você poder voltar para casa. Ah, e claro, saber que está sendo caçado por outro cara, tão desesperado quanto você, porque essa é a única maneira de ele poder voltar pra casa… ao menos você tem uma chance, e os que não tem?

É verdade, por que Katniss?! POR QUE VOCÊ É TRAUMATIZADA?!!

Well, Jogos Vorazes se passa num futuro distópico sim, mas o que eu quero saber, e acredito piamente ser a grande sacada da Collins, é o quão perto estamos de nos tornar a Capital? Quanto valor damos ao que temos? Até onde os absurdos da mera estória, estão distantes dos comportamentos por ai? E sabendo disso, o que você pretende fazer?

A Arena vai mudar a todos.

Que a sorte esteja sempre a seu favor.

Insonia is coming #1

Aqui estão algumas novidades que com certeza vão me garantir mais e mais madrugadas acordada 😀

Vamos começar pelo novo trailer da segunda temporada de Game of Thrones, a série da HBO baseada (MUITO BEM BASEADA) nos livros de George R. R. Martin, As Crônicas de Gelo e Fogo. A primeira temporada, lançada ano passado, começou meio desacreditada… só começou, porque ao fim dos 10 episódios já havia se tornado um xuxesso! Confiram:

Assim que sair um legendado, atualizo!

A dia de lançamento é 1º de Abril, sim, e desde já aviso que se isso for uma ‘brincadeirinha’ por causa da data, as coisas vão ficar ficar feias… I do not have a gentle heart. Como diria Dany.

Agora, na literatura!

Ninguém sabe por que o toque de Juliette é letal, mas o Restabelecimento tem planos para ela. Planos para usá-la como arma.

Mas Juliette tem seus planos.

Após uma vida inteira sem liberdade, ela descobriu uma força para lutar contra todos pela primeira vez — e para obter um futuro com o único garoto que ela pensou que fosse perder para sempre.

Estilhaça-me é um lançamento Novo Conceito, da autora Norte-Americana Tahereh Mafi.

Depois de Sabriel, o autor Garth Nix apresenta aos jovens leitores Lirael. Neste volume, segundo da série O Reino Antigo, ambientada numa terra dividida entre a modernidade e as tradições mágicas por um enorme muro, um antigo mal começa a se espalhar e Lirael, então, é enviada em uma jornada cheia de perigos, tendo como única companhia um cão muito especial.

Lembra do Sabriel? Então, finalmente a Rocco colocou Lírael, de Garth Nix, a venda. Posso ouvir um aleluia?!

Nos primeiros dias da Guerra Civil, rumores de ouro na região congelada do Klondike levaram hordas de recém-chegados ao Noroeste do Pacífico. Ansiosos para entrarem na competição, mineradores russos comissionaram o inventor Leviticus Blue para criar uma grande máquina que pudesse minerar através do gelo do Alasca. Assim nasceu a Incrível Máquina Perfuratriz Boneshaker do Dr. Blue. Mas em seu primeiro teste, a Boneshaker perdeu terrivelmente o controle, destruindo vários quarteirões do centro de Seattle e liberando um veio de gás venenoso subterrâneo que transformava qualquer um que o respirasse num morto-vivo. Agora dezesseis anos se passaram, e uma muralha foi construída para cercar a cidade tóxica e devastada. Logo além dela mora a viúva de Blue, Briar Wilkes. A vida é difícil com a reputação arruinada e um adolescente para criar, mas ela e Ezekiel vão levando. Até que Ezekiel decide efetuar uma cruzada secreta para reescrever a história. Sua jornada irá levá-lo por baixo da muralha, para dentro de uma cidade infestada de mortos-vivos famintos, piratas aéreos, mestres do crime e refugiados fortemente armados. E apenas Briar poderá tirá-lo de lá com vida.

Bitch, please. É steampunk com zumbis! Dá pra ficar melhor?! Obrigada Underworld e Cherie Priest!

“Irei viajar até o coração negro de um Império corrupto para arrancar o mal pela raiz. Mas se Roma não foi construída em apenas um dia, também não será restaurada por um assassino solitário. Eu sou Ezio Auditore de Florença e essa é a minha Irmandade”. A aguardada continuação de “Assassins Creed”, o livro baseado no game de sucesso. Com mais de 60.000 exemplares vendidos no país, foi um dos 20 livros de ficção mais vendidos no país, em 2011 segunda a VEJA. No segundo volume da saga, o outrora poderoso Império Romano está diante do colapso e da ruína. Seus cidadãos vivem à sombra da impiedosa família Borgia. Para enfrentar inimigos tão poderosos, Ezio precisará contar, mais do que nunca, com o Credo dos Assassinos.

Ezio, me abraça forte! Façam um favor a vocês mesmos, joguem os jogos! São muito bons.

E finalmente,

o mais aguardado,

aquele que vai me fazer cortar a fila de idosos e gestantes,

praticar le parkour nas estantes,

vender parentes distantes ounão no mercado livre,

ele.

oh my, oh my!

Delirium!

Muito tempo atrás, não se sabia que o amor é a pior de todas as doenças. Uma vez instalado na corrente sanguínea, não há como contê-lo. Agora a realidade é outra. A ciência já é capaz de erradicá-lo, e o governo obriga que todos os cidadãos sejam curados ao completar dezoito anos. Lena Haloway está entre os jovens que esperam ansiosamente esse dia. Viver sem a doença é viver sem dor: sem arrebatamento, sem euforia, com tranquilidade e segurança. Depois de curada, ela será encaminhada pelo governo para uma faculdade e um marido lhe será designado. Ela nunca mais precisará se preocupar com o passado que assombra sua família. Lena tem plena confiança de que as imposições das autoridades, como a intervenção cirúrgica, o toque de recolher e as patrulhas-surpresa pela cidade, existem para proteger as pessoas. Faltando apenas algumas semanas para o tratamento, porém, o impensado acontece: Lena se apaixona. Os sintomas são bastante conhecidos, não há como se enganar — mas, depois de experimentá-los, ela ainda escolheria a cura?

Vale lembrar que estou descontrolada assim porque, além da sinopse altamente recomendável, a autora é mara! Lauren Oliver escreveu Antes Que eu Vá, um livro que merece um bis na leitura e uma resenha só pra vocês, seus lindos!

E por último, um lembrete:

DIA 23 ESTÁ CHEGANDO! MAY THE ODDS BE IN YOUR FAVOR!

Enquanto você lê esse post eu estou indo lá garantir meu ingresso! Comapoeira

Mal vejo a hora de curtir tudo isso!

P.S.: Se assim como eu você pensou OMG! para a música do trailer, lá vai:

xoxo e boa semana

New on My Bookshelf… Vol 3

Sim, eu sou uma pessoa miserável que não merece nenhum tipo de consideração depois de ter abandonado o blog por uma semana (!), eu seria uma péssima mãe e agora provavelmente ninguém vai querer casar comigo. Sim, eu tenho consciência dessas coisas.

Acontece que domingo, pra quem não sabe, foi a prova da Unicamp, uma coisa que os acadêmicos chamam de vestibular, mas que eu conheço por ENTIDADE DO MAL.

Fui toda destemida enfrentar o bicho, dizendo para mim mesma: É só uma prova e três redações, o que tem de tão assustador e mortal nisso?

Escutou o mariate?

Bem, voltei de lá meio assim:

.....

Passei o feriado sem nem lembrar como escrever meu nome, e resolvi não forçar também, porque daqui uma semana tem mais. Vou compensar vocês, prometo.

Falando em casamento (eu sei que foi só uma frase de efeito), hoje é a estreia de Amanhecer

Jake, seu forever alone

Detesto tenho nojinho da Kristin Stewart mas, hell, yes! Eu vou assistir o filme, por respeito aos livros. Hey! Não torça o nariz! Eu li a saga quando tinha 15/16 anos e foi tão lindo e açucarado e demais e lindo, que, mesmo sabendo que hoje em dia eu não ficaria tão apaixonada assim, gosto de manter a sensação boa que tenho deles (os livros) desde então.

E hoje, dia 18 de Novembro é o aniversário de casamento dos meus pais! Fiquei imaginando se eles sabem quantas garotas histéricas não empalariam uma freira só para se casar hoje

Marry me, Robert, I don't have a life!

Então, parabéns mãe e pai, boa sorte com os próximos 24 anos juntos, felicidades e porque vocês não são vampiros? eu amo vocês!

Voltando ao tópico inicial, os livros novos.

Esse final de semana antes do caos da prova ganhei presentes muito legais! Entre eles As Lendas do Mundo Emerso – O Destino de Adhara, da minha 2ª escritora favorita Licia Troisi. Eu vou aprender italiano só para ler os livros dela.

Eu tenho um infarto cada vez que olho pra ele

Devo agradecer a Rocco por ter lançado ele aqui quase 4 anos depois? ¬¬ Eeee por terem mudado o layout?

Eu realmente sou muito chata em relação a isso.

Tivemos também A Maldição do Tigre, de Colleen Houck, que é uma das melhores capas do mês! Sério, eu quero uma camiseta dela! Obrigada pai!

Ela brilha!

E as outras fontes de alegria são:

Não imaginava que fosse tão grande

Finalmente! Obrigada, tia!

A leitura em andamento

E um livro literalmente minúsculo!

Olha que lindo o detalhezinho da lombada... tá, eu sei que quase não dá pra ver. Por isso que é inho!

Na ordem: Sob a Luz da Lua – Nightshade vol 1, da Andrea Cremer; Ranger – A Ordem dos Arqueiros, Reis de Clonmel – Livro 8 nomegigantesco, do John Flanagan; Julieta Imortal da Stacey Jay e Luminoso, 2º livro da série Riley Bloom, spin-off de Os Imortais da Alyson Nöel.

Devem estar se preguntando agora: e a Mimo? Li tudo isso só pra ver ela e até agora nada! Cadê, blogueira, cadê?

Ela está aqui, ligando muito pra tudo isso.

suspiro coletivo em 3... 2... 1...

Talvez hoje não seja um bom dia para fotos na cabeça dela, e eu até tentei animar, chamar pra um social!

   
Momento
 
Felicia

#Fail

Mas tudo o que consegui foi esse olhar acusador e muitos pelos soltos

TPM felina, eu mereço

Vamos dar um tempo a ela, goosfraba. ^^ E fechar com o trailer, que todo mundo já viu, mas que eu não canso de ver de novo, do Jogos Vorazes (!!!)

Não consigo conter o arrepio quando a contagem começa! This will be the most epic movie since LoR !!

xo