Rainha das Sombras – Sarah J. Maas

rainha-das-sombras

  •    Autor: Sarah J. Maas
  •    Editora: Record
  •    Nº de Páginas: 644
  •    Edição: 1
  •    Ano: 2016
  •    Título Original: Queen of Shadows
  •    Tradutor: Bruno Galiza

   Avaliação: 10

ESSE É O QUARTO LIVRO DA SÉRIE, ENTÃO VOCÊ QUE NÃO LEU TRONO DE VIDRO, COROA DA MEIA NOITE NEM HERDEIRA DO FOGO VAI ENTENDER QUANDO EU DISSER QUE NÃO ME RESPONSABILIZO PELA PROVÁVEL LOUCURA DECORRENTE DE SPOILERS POSSÚIDOS POR VALGS.

Todos que Celaena Sardothien amou lhe foram tirados. Mas finalmente chegou a hora da retribuição. A vingança promete ser tão dura quanto o aço da Espada de Orynth — a espada de seu pai. Finalmente Celaena retornou ao império; por justiça, para resgatar seu reino e confrontar as sombras do passado.
A assassina está morta. Ela abraçou a identidade de Aelin Galathynius, rainha de Terrasen. Mas antes de reclamar o trono, precisa lutar. E ela vai lutar. Por seu primo, a Puta de Adarlan, o general do Norte… um guerreiro preparado para morrer por sua soberana; por seu amigo Dorian, um príncipe preso em uma inimaginável prisão; por seu povo, escravizado por um rei cruel e à espera do retorno triunfante de sua líder; por seu carranam e a libertação da magia.
Ao avançar em seu plano, no entanto, Aelin precisa tomar cuidado com velhos inimigos. E abrir o coração para novos e improváveis aliados. Tudo isso enquanto os valg continuam trabalhando nas sombras. E Manon Bico Negro, a Líder Alada das Treze, treina suas bestas voadoras. Mas é de Morath, a fortaleza montanhosa do Duque de Perrington, que uma ameaça como nenhuma outra promete destroçar seu grupo de rebeldes e sua corte recém-formada.

————————————————————————————————————————————————

-Para onde nós vamos?

 -Eu ouvi dizer que o inferno é adorável nessa época do ano.”

Explicando a nota, eu realmente li duas vezes esse livro e atestei sua maravilhosidade. As duas leituras foram tão emocionantes que até hoje não sei lidar e, se isso não garante a nota máxima, não sei o que garantiria, meu bom povo.

Celaena finalmente incorporou sua real identidade de Aelin Galathynius (nome impronunciável) e aceitou que é a rainha de Terrasen, com poderes magníficos sobre o fogo e tudo mais! Só pra ter que voltar pra Adarlan e ser Celaena outra vez…

#facepalm

Mas os motivos são nobres, agora ela tem que resgatar Aedion, que fez o favor de ser capturado pelo rei, e tentar ajudar Dorian.  O-PRINCIPE-POSSUIDO.

Veja bem, Dorian é uma parte sensível desse livro pra mim. Confesso que nos últimos livros, só de ler Dorian Havilliard eu já ficava irritada, como uma amiga me disse “Dorian cheira a leite.” Um bebê no meio de um assunto pra gente grande e poderosa.

Até que ele mostrou que é poderoso…

Até que ele foi enjaulado dentro do próprio corpo, até que viu a mulher que amava ser decapitada e até que virou um expectador do monstro que controla seus movimentos.

Nunca fiz tanto pensamento positivo pra um personagem antes!

Toda irritação que sentia por Dorian foi transferida pra Chaol, e só isso que tenho a dizer. (É só isso que ele merece), apesar de ficar ligeiramente decepcionada com a mudança de seu papel.

A enxurrada de novos personagens e suas histórias e Aelin interagindo com eles mostrou muito sobre seu caráter. E falando em Aelin, ela nunca foi tão genial e maquinadora, a moça QUEIMOU o Mercado das Sombras e deu risada depois! E eu entendo que algumas pessoas ficaram chateadas com o rumo que a vida dela levou, no quesito coração, mas eu não poderia estar mais feliz! E olha que eu era totalmente contra antes!

Quando você acha que Sarah J. Maas já fez de tudo, que superou todas as barreiras, ela te surpreende outra vez… com Lysandra! Você, leitor incauto, você não viu essa vindo! Estou sem palavras a um ano, e sempre que penso em Lysandra tenho que dar um tapinha imaginário nas costas de Sarah J., por que ela foi ph*da nessa.

E a volta de montanha russa que são os acontecimentos??? EU FALEI PRA VOCÊS DE TUDO O QUE ACONTECE? Esse livro é grosso por um motivo: epicness transbordando dele! Cheguei num ponto que se alguém falasse alguma coisa pra mim durante a leitura eu gritaria com a pessoa!

Em suma, esse livro me fez rir, me deixou com o coração na mão, me deixou admirada e também me fez chorar. Chorar torrencialmente. Há uma cena junto a uma certa sepultura que foi a gota d’água pra mim, a tempos não me emocionava tanto com uma relação literária e deixei o choro rolar, sem esperanças de parar tão cedo.

O final toma proporções inimagináveis e ficou rodando como um filme na minha cabeça, um bom tempo depois de terminar de ler. Resumindo, essa fui eu quando fechei Rainha das Sombras:

“Suspira. Levanta. Dá voltas pelo quarto. Senta e chora! Como proceder???!!!”

Anúncios

Herdeira do Fogo – Sarah J. Mass

trono-de-vidro-herdeira-do-fogo-pdf

  • Autor: Sarah J. Maas
  •    Editora: Record
  •    Nº de Páginas: 518
  •    Edição: 1
  •    Ano: 2015
  •    Título Original: Heir of Fire
  •    Tradutor: Bruno Galiza

   Avaliação: 9,5

 

SE VOCÊ NÃO LEU TRONO DE VIDRO E COROA DA MEIA-NOITE ACREDITO QUE SUAS CHANCES DE SOBREVIVER A ESSA RESENHA SEJAM NULAS. VÁ PARA CASA, PREPARE-SE PARA ENFRENTAR OS SKINWALKERS E VOLTE SOMENTE QUANDO TIVER EMOCIONAL PRA AGUENTAR ESSE LIVRO.

Celaena ressurge das cinzas ainda mais forte e letal. E parte em uma jornada em busca de uma obscura verdade: uma informação sobre sua herança e seus antepassados que pode mudar sua vida e o futuro de dois reinos para sempre. Enquanto isso, forças sinistras começam a despontar no horizonte e têm planos malignos para dominar o seu mundo. Agora, depende de Celaena encontrar coragem para enfrentar tais perigos, além de seus próprios demônios, e fazer a escolha mais difícil da sua vida.

————————————————————————————————————————————————

A adrenalina.

A emoção.

Os corações partidos.

O PODER.

Esse livro, esse livro meu bom povo, deu um novo significado a palavra épico. Depois disso os dicionários por todo o mundo alteraram sua definição de ‘maravilha’ para uma imagem da capa acima.

Oh my, por onde começar?

Contrariando todas as expectativas e leis da física, Sarah J. Maas evoluiu ainda mais seus personagens!

Celaena continua sendo uma grande anti-heroína, mas está passando por um momento muito delicado (como se ser uma assassina, campeã do rei sanguinário e ex escrava não fosse delicado o suficiente). A morte de Nehemia e a traição de Chaol foram demais para ela e a separação dele foi traumática, pelo menos para mim. Seria de se esperar que a garota, digo, rainha, ficasse amuada num canto. Foi o que ela fez, de certa forma, até Rowan cair em sua vida.

Ah Rowan.

Eu me apaixonei por Rowan, fortemente. Acho que gosto dos rabugentos, mas enfim, o mais importante é o amigo maravilhoso que o elfo (ELFO UHUUUL) se torna para Celaena. Amizade sincera não tem preço. Para todas as outras temos Aedion.

Imagine Celaena/Aelin e seus traços, sua personalidade. Agora transforme tudo isso num menino. Pronto, isso é Aedion, obrigada Sarah. Esse é o primo da Celaena/Aelin, e sua história é impactante, sua lealdade mais ainda, tanto que eu questionei diversas vezes se ele não estaria idealizando demais sua busca por justiça.

Temos Manon, aquela criatura que quero ser quando crescer. Ela não tem coração, não tem alma, mas meodeos, que mulher phoda! Mulher não, bruxa. Isso mesmo, as bruxas estão de volta e para ficar!

manon

Esqueça aquele encontrinho que a Celaena teve com Baba Yellowlegs fora do palácio, a velha estava fora de forma. Manon e suas Treze podem fazer um exercito cair de joelhos perante elas.

E finalmente conheceremos as terras élficas da Rainha Maeve, com sua corte deturpada e tantas tradições e maquinações que ficamos tontos tentando acompanhar seus movimentos!

Resumindo, se vocês ainda não leram Herdeira do Fogo por algum motivo que não consigo imaginar, leiam! Só pra vocês entenderem o grau de obsessão, eu literalmente filtrei os resultados de pesquisa nas resenhas do Goodreads. Quis ver somente resenhas falando maravilhas do livro, porque eu não saberia lidar com alguém criticando essa coisa linda. #prontofalei

 

xoxo e bom fim de semana!

Dama da Meia-Noite – Cassandra Clare

Dama da meia-noite g1

  •    Autor: Cassandra Clare
  •    Editora: Record
  •    Nº de Páginas: 574
  •    Edição: 1
  •    Ano: 2016
  •    Título Original: Lady Midnight
  •    Tradutor: Rita Sussekind

   Avaliação: 8,5

 

Não que seja da minha conta, mas se você não leu nenhum outro livro da série Caçadores de Sombras não sei se vai entender muito esse aqui… Porém vivemos num mundo livre e spoiler não é crime. Ainda.

Em um mundo secreto onde guerreiros meio-anjo juraram lutar contra demônios, parabatai é uma palavra sagrada.

O parabatai é seu parceiro na batalha. O parabatai é seu melhor amigo. Parabatai pode ser tudo para o outro, mas eles nunca podem se apaixonar.

Emma Carstairs é uma Caçadora de Sombras, uma em uma longa linhagem de Caçadores de Sombras encarregados de protegerem o mundo de demônios. Com seu parabatai Julian Blackthorn, ela patrulha as ruas de uma Los Angeles escondida onde os vampiros fazem festa na Sunset Strip, e fadas estão à beira de uma guerra aberta com os Caçadores de Sombras. Quando corpos de seres humanos e fadas começam a aparecer mortos da mesma forma que os pais de Emma foram assassinados anos atrás, uma aliança é formada. Esta é a chance de Emma de vingança e a possibilidade de Julian ter de volta seu meio-irmão fada, Mark, que foi sequestrado há cinco anos. Tudo que Emma, Mark e Julian tem a fazer é resolver os assassinatos dentro de duas semanas antes que o assassino coloque eles na mira.

 Suas buscas levam Emma de cavernas no mar cheias de magia para uma loteria sombria onde a morte é dispensada. Enquanto ela vai descobrindo seu passado, ela começa a confrontar os segredos do presente: O que Julian vem escondendo dela todos esses anos? Por que a Lei Shadowhunter proíbe parabatais de se apaixonarem? Quem realmente matou seus pais e ela pode suportar saber a verdade?

A magia e aventura das Crônicas dos Caçadores de Sombras tem capturado a imaginação de milhões de leitores em todo o mundo. Apaixone-se com Emma e seus amigos neste emocionante e de cortar o coração no volume que pretende deliciar tantos novos leitores como os fãs de longa data

————————————————————————————————————————————————

Recomendo fortemente a leitura de As Peças Infernais e Os Instrumentos Mortais antes de embarcar nessa série. Numerosos, selvagens, gigantescos Spoilers de Instrumentos Mortais e As Peças Infernais nesse livro! Não leia se tem a mais pálida chance de ler as outras séries depois.

Enfim…

Tem alguma coisa extremamente prazerosa no ato de começar um livro que você SABE que vai gostar muito! Pode ser aquele autor que você ama, uma série que te cativou ou simplesmente aquele debut com uma sinopse tão perfeita que só um cataclismo pra fazer a história ser ruim!

E quando você termina de ler esse livro tão aguardado e pensa “Caramba, foi ainda melhor do que eu esperava”? Essa é a minha história de amor com Dama da Meia-Noite.

Ainda estou sob os efeitos alucinógenos da leitura recente, mas acho que essa trilogia vai ser ainda melhor que As Peças Infernais! Tirando o final de Princesa Mecânica, nada nessa Terra supera aquele final…

Cassie deixou seus personagens ainda mais reais, mais diferentes uns dos outros, cada um com uma personalidade bem definida e seus problemas paralelos ao restante da história. Sério, não tem como não amar os irmãos Blackthorn, não é humanamente possível! Sou filha única e sempre quis um irmão (mais velho ou mais novo, tanto faz) pra compartilhar tudo, então não é surpresa que fique encantada com esse lado do livro. A situação é agravada porque além de lindo e maravilhoso, Julian ainda ama e cuida de toda a trupe como se fosse o pai deles, não só um irmão.

Porém já dizia o ditado nerd “Com grandes poderes, vem grandes responsabilidades” e Julian acaba sendo esmagado pela barra que é criar quatro crianças, ainda mais quando ele mesmo ainda é uma. Talvez um ponto irritante no livro seja que esse sufocamento é mencionado O.TEMPO.TODO. Mas prefiro relevar isso e encarar como sendo como ele realmente se sente.

Sério.

Emma, apesar de dividir o palco com vários outros personagens, é uma mocinha ótima. Passei da fase das belas, recatadas e do lar que não viram nada da vida e que seguem deslumbradas com cada palavra dita pelo mocinho do livro. Apesar de ser só uma garota de 17 anos Emma já sabe o que é bom para ela e não perde tempo sendo meiga e ponderada. Adoro.

Esse romance central impossível, com um ‘que’ de Proibido, da Thabita Suzuma, me deixou louca de tensão e foi o ponto alto da história toda. Mark, Cristina e as revelações bombásticas que não foram tão bombásticas quanto eu gostaria (e Cassie Clare já foi melhor nesse quesito) ficaram pálidos perto do que senti acompanhando esse amor.

Definitivamente o tipo de livro que te deixa pensando na história o dia inteiro, desejando ter uma pausa pra terminar logo e descobrir o que vai acontecer, mesmo sabendo que vai demorar MILÊNIOS até o próximo volume ser lançado. Se eu tinha um pezinho atrás com os Shadowhunters depois do filme e da série (que odeio com todas as forças), isso passou. Voltei com força total para o time #ContinueCriandoNovasSériesDeCaçadoresDeSombrasEternamenteCassie

xoxo e boa semana!

PS Para Quem Já Leu: Essa decisão da Emma vai dar mer%#, sim ou claro?

 

 

Cidade dos Anjos Caídos – Cassandra Clare

  •     Autor: Cassandra Clare
  •    Editora: Galera Record
  •    Nº de Páginas: 364
  •    Edição: 1
  •    Ano: 2012
  •    Título Original: City of Fallen Angels
  •    Tradutor: Rita Sussekind

   Avaliação: 8,0

Aviso número 1: NÃO LEIA essa resenha caso não tenha lido Cidade de Vidro, você não vai ser feliz fazendo isso, sério… sério mesmo!!

Aviso número 2: Essa resenha contém uma dose ridiculamente alta de fangirling. Cuidado.

A guerra acabou e Caçadores de Sombras e integrantes do submundo parecem estar em paz. Clary está de volta a Nova York, treinando para usar seus poderes. Tudo parece bem, mas alguém está assassinando Caçadores e reacendendo as tensões entre os dois grupos, o que pode gerar uma segunda guerra sangrenta. Quando Jace começa a se afastar sem nenhuma explicação, Clary começa a desvendar um mistério que se tornará seu pior pesadelo.

————————————————————————————————————————————————————————————————–

“O tipo de amor que pode incinerar o mundo ou erguê-lo em glória.”

Acontece que Cidade dos Anjos Caídos é o livro que menos me gusta na série. Isso provavelmente é devido ao medinho que eu tinha da Cassandra se perder nesse volume, afinal, Os Instrumentos Mortais seria uma trilogia (como tudo nesse mundo, pelo visto) que foi estendida para uma sextologia(??).

Para provar que ela merece o lugar cativo que tem no meu coração, Cassandra manteve o nível sem sair do contexto! O enredo segue oito semanas depois de onde paramos em Cidade de Vidro e, apesar dos antigos antagonistas terem ido dessa para pior é impossível encontrar alguém que não lembre deles constantemente ou tire de Clary e Jace o peso do legado de Valentim ‘Cão-Chupando-Manga’ Morgenstern.

Achei muito interessante o foco não se concentrar apenas em Clary e Jace dessa vez, com mais pontos de vista temos mais problemas, outras intrigas e muito mais mistério.

Mas foi a parte do Jace estar na tensão pré-menstrual me irritou um pouco. Todo mundo sabe que o lema da vida dele é “Amar é destruir”, mas essa coisa dele se afastar da Clary porque acha que assim irá protegê-la dele mesmo (para variar) foi muito fofa no primeiro livro, interessante no segundo e de partir o coração no terceiro. Agora já deu. Poxa, eles demoraram tanto tempo para finalmente ficarem juntos e quando conseguem, quem vai empatar tudo é ele?? Entendo os motivos do moço e as razões por trás disso, só que foi demais pro meu coração!

Mas é aquela mágica à la Jace, certo? Num minuto ele está fazendo coisas extremamente irritantes que te dão vontade de bater nele, no outro ele está dizendo alguma coisa completamente linda que te leva de volta ao estágio I *heart* Jace 4ever.

Fora isso, achei incomodo o pouco destaque que deram aos Caçadores Mortos (tão mencionados na sinopse) e o ‘after party’ da grande batalha de Idris. Senti que poderíamos saber mais sobre isso…

De qualquer forma, Cidade dos Anjos Caídos conserva o bom humor e a rapidez características da escrita de Cassandra Clare, sua grande habilidade de interligar eventos sem deixar a peteca cair e todo l’amour que a gente poderia esperar.

Eu tinha um mini ataque do coração toda vez que uma menção à série As Peças Infernais era feita. Só de pensar que Clockwork Princess dará o ar da graça apenas ano que vem já seria o suficiente para deixar qualquer fã com os nervos a flor da pele, mas insinuações a Will e o que elas podem significar ou não são de enlouquecer um! Isso com certeza deixou a leitura ainda mais especial para mim.

Não te recomendo Cidade dos Anjos Caídos, prescrevo, e ainda aviso para tomar cuidado com os efeitos finais da dose. Você não vai conseguir pensar em outra coisa.

Uma música para Clary e Jace?

P.S.1: Eu descobri uma coisa stalkeando observando a autora nas redes sociais. Cassandra Clare é . Ela quer ver as pessoas com os corações feitos em pedacinhos. Eu. Tenho. Medo. Do. Final. Dessa. Série.

P.S.2: Só para o caso de alguém não ter conseguido pegar a dimensão dos ataques de fangirl, ilustrarei. A reação de base a finalmente ter o livro em mãos:

Tenham um ótimo fim de semana!

Dezesseis Luas – Kami Garcia & Margareth Stohl

  •     Autor: Kami Garcia & Margareth Stohl
  •    Editora: Galera Record
  •    Nº de Páginas: 488
  •    Edição: 1
  •    Ano: 2011
  •    Título Original: Beautiful Creatures
  •    Tradutor: Regiane Winarski

   Avaliação: 8,0

Ethan é um garoto normal de uma pequena cidade do sul dos Estados Unidos e totalmente atormentado por sonhos, ou melhor, pesadelos com uma garota que ele nunca conheceu. Até que ela aparece… Lena Duchannes é uma adolescente que luta para esconder seus poderes e uma maldição que assombra sua família há gerações. Mais que um romance entre eles, há um segredo decisivo que pode vir à tona. Eleito pelo Amazon um dos melhores livros de ficção de 2009. Direitos de tradução vendidos para 24 países. Um filme da série está sendo produzido. “Pacote completo: um cenário assustador, uma maldição fatal, reencarnação, feitiços, bruxaria, vudu e personagens que simplesmente prenderão o leitor até o fim…”

————————————————————————————————————————————————
Então, enquanto eu estava lendo Lirael pensei: nada como um pouco de necromancia macabra depois de um revigorante romance zumbi (Dearly, Departed). Faz bem pra mente, entende? Ainda mais quando você fecha o ciclo com o bom e velho vodu da Carolina do Sul! Seriamente, eu não poderia começar Outubro em melhor estilo!

É Halloween, meu povo! Do the creep!

Ok, Dezesseis Luas não chega a ser assustador, mas tem seus momentos. O melhor do livro mesmo é seu clima a-qualquer-momento-um-furacão-pode-varrer-tudo-aquilo-do-mapa e as pessoas de Gatlin. Meio que pararam no tempo. Não o jeito amish de ser, o povo de Gatlin vive em função da Guerra Civil Americana e seus gloriosos antepassados Confederados… e em termos de mentalidade, tudo bem, aí sim eles pararam no tempo. Lá pela Idade das Trevas, para ser mais exata!

Ethan, o nosso mocinho, luta para não se deixar levar por essa mentalidade coletiva apavorante que é a ignorância da cidade. Não dá para culpa-lo, como boa aquariana que sou, teria enlouquecido com aquelas convenções sociais, todo mundo se metendo na vida de todo mundo e a pressão para tornar cada pessoa o mais adequada possível ao restante de Gatlin.

Eu provavelmente promoveria o massacre da serra elétrica e praça pública, e olha que eu sou só uma blogueira.

Imaginem a Lena, outra boa aquariana, que é… diferente.

“Não era apenas ela que estava me incomodando, para dizer a verdade. Não era a sua aparência – Lena era bonita apesar de estar sempre usando as roupas erradas e aquele tênis surrado. Não eram as coisas que ela dizia na aula, normalmente coisas que ninguém mais teria pensado, e que, se tivessem pensado, era algo que não ousariam dizer. Não era o fato de ela ser diferente de todas as outras garotas da Jackson. Isso era óbvio.

Era ela que me fez perceber o quanto eu era como os outros, mesmo quando eu queria fingir que não era.” Pág. 38

Até esse ponto, nem Ethan nem eu sabíamos o quão diferente a Lena na verdade era, vamos dizer apenas que eu e minha serra elétrica seríamos acolhidas de braços abertos em Gatlin perto dela.

Um ponto extremamente positivo de Dezesseis Luas é que nele… os adultos existem! Seja pai ou guardião, os aborrescentes da estória não estão aborrescentando por aí sem se preocuparem com o olhar vigilante ounão de seu responsável. Os adultos até interagem de forma convincente entre si! Não é mágico?! Quero dizer, 80% dos livros YAs tratam os mais velhos como parte da mobília. É bom ter um plano mais realista (na medida do possível) pra variar.

E eu também!

Quer outro dado interessante das minorias? Dezesseis Luas é contado em 1ª pessoa por um menino!

É quase um alívio depois de tanto tempo na companhia de montes de garotas, ser levada a uma nova estória exclusivamente por um rapaz. Na falta de termo melhor, é refrescante!

Porém o livro peca em pontos bobos.

Sempre que um elemento novo era adicionado a sensação era de confusão, porque, afinal, estamos acompanhando a estória pelos olhos de Ethan e a grande maioria dos elementos novos vem da rotina de pessoas peculiares, pessoas que ele não conhece. “Opa, acho que perdi alguma coisa!” seria o lema nessas horas, eu tive que reler vários e vários parágrafos à procura de alguma informação que pudesse ter perdido só para descobrir que ela ainda não tinha sido dada, que aquilo ainda demoraria mais um pouco para fazer sentido. Não foi algo gracioso e espontâneo como em A Corrida de Escorpião e se tornou um tento cansativo depois de um tempo.

Outra coisa que me deixou indignada, mas que não tem nada a ver com a execução do livro:

Novo Crepúsculo? Por favor.

Não desmerecendo a saga da Titia Meyer, mas as pessoas que compararam Dezesseis Luas com Crepúsculo comparam Crepúsculo até com Saramago! É um romance adolescente? Yes, period.

As pegadas são completamente diferentes e não só acho inválido comparar, como acredito que limita o leitor, obrigando-o a buscar um único parâmetro e a se sentir desapontado depois, por não alcançar a leitura que esperava. Isso acontece com muitas séries ótimas e elas acabam sendo subestimadas, como Lobos de Mercy Falls por aqui.

Nonsense

Por isso não espere encontrar um romance instantâneo e inexplicável, nem uma leitura leve e solta. Dezesseis Luas não é o livro mais denso dos últimos tempos, mas não deve ser visto apenas como o substituto de outra série, Beautiful Creatures tem voz própria. É único e diferente e vai te levar para um mundo onde tudo é possível.

xoxo e boa quinta!

P.S.: Gostei dos palavrões no livro. É sério! São poucos, mas estão bem posicionados e ficam naturais. Se você acorda no meio da noite com um vulto no seu quarto, te observando, vai gritar caramba? Não! Vai gritar puta merda!

Anjo Mecânico – Cassandra Clare

Menos brilhante, mas não menos bonita. Só o ‘m’ minúsculo que me irritou profundamente…

  •     Autor: Cassandra Clare
  •    Editora: Galera Record
  •    Nº de Páginas: 392
  •    Edição: 1
  •    Ano: 2012
  •    Título Original: Clockwork Angel
  •    Tradutor: Rita Sussekind
  •    Avaliação: 9,0

Anjo mecânico apresenta o mundo que deu origem à série Os Instrumentos Mortais, sucesso de Cassandra Claire. Nesse primeiro volume, que se passa na Londres vitoriana, a protagonista Tessa Gray conhece o mundo dos Caçadores de Sombras quando precisa se mudar de Nova York para a Inglaterra depois da morte da tia. Quando chega para encontrar o irmão Nathaniel, seu único parente vivo, ela descobrirá que é dona de um poder que capaz de despertar uma guerra mortal entre os Nephilim e as máquinas do Magistrado, o novo comandante das forças do submundo. 

————————————————————————————————————————————————————————————————–

Vamos deixar claro uma coisa antes: Cassandra Clare está no meu Top 10 de autores preferidos. EVER.

As Peças Infernais tem um brilho diferente de Os Instrumentos Mortais para mim. E mesmo assim não consigo dizer qual minha série preferida, pois elas são muito parecidas. É quase um paradoxo. Cada uma me encanta e me irrita na mesma proporção, mas em pontos distintos.

No caso de As Peças Infernais – Anjo Mecânico, a oscilação da presença de espirito de Tessa me deixa com raiva da personagem diversas vezes. A garota dá respostas à altura e segura as pontas quando se intimida, não demonstrando. Porém sua vulnerabilidade surge em momentos em que eu pediria uma heroína mais durona. É tudo muito pessoal, mas eu prefiro garotas que partem pra ‘porrada’ quando precisam.

E tem o detalhe de ela não gostar de chocolate. I know!

Agora, o que mais me encanta no primeiro livro da série é, juro pra vocês, o triangulo amoroso!

É sério.

Sabe quando o autor te força a ver como os dois mocinhos são derretidíssimos pela mocinha e como ela é virtuosa a ponto de se matar em dúvidas sobre com quem ficar, estarrecida pela mera ideia de magoar um milímetro do corpo geralmente bem definido do rejeitado. Aliás, rejeitado é uma palavra feia e forte, a mocinha sempre ama ambos de todo coração até que alguma coisa acontece, totalmente forçada pelo autor e previsível desde a primeira vista do triangulo, e a garota se decide e todos ficam felizes para sempre.

Meh.

Pelo Anjo, o livro da Cassandra Clare não é assim! É claro que você tem uma dica, um sentimento, de como as coisas podem acabar, mas pode não ser assim, ou melhor, não precisa ser assim para termos uma boa estória. É isso que todo o tempero do romance e me deixou acordada a madrugada toda querendo mais e mais páginas.

Em segundo plano, outro motivo para eu ser tão apaixonada por essa série são seus personagens. Tessa, apesar de ter suas oscilações irritantes poderia ser bem pior, admito, mas ela é ofuscada por Will e Jem e até mesmo por Jessamine em alguns pontos.

Will e Jem são, na minha cabeça, versões mais jovens e mais bonitas de Sherlock Holmes e John Watson nas novas adaptações das estórias de Holmes para o cinema. Sim, Jem na minha cabeça consegue ser ainda mais bonito que Jude Law, mas enfim, o que quero dizer: as personalidades, o humor e a relação dos dois são EXTREMAMENTE parecidas com os personagens do cinema. Ou seja, se você gostou do que assistiu nas telonas, vai amar ler num livro de Caçadores de Sombras.

Vamos ilustrar:

“-Jem se inclinou para a frente, apoiando o queixo na mão[…] –Existe alguma razão específica para viver mordendo vampiros?

Will tocou o sangue seco nos pulsos e sorriu.

-Eles nunca esperam que eu vá fazer tal coisa.” Pág. 225

Ooooou

“Jem riu alto.

-Não diria isso. Às vezes quero estrangulá-lo.

-E Como consegue se conter?

-Vou para o meu lugar preferido de Londres – disse Jem -, e fico ali olhando para a água e pensando na continuidade da vida, em como o rio segue, sem se importar com nossos problemas mesquinhos.

Tessa ficou fascinada.

-E funciona?

-Na verdade, não, mas depois disso penso em como eu poderia mata-lo enquanto dorme se eu realmente quisesse, e me sinto melhor.” Pág. 254

Olha, eu gosto, ok? E eles são completamente adoráveis juntos, sério!

Há também Jessamine, uma jovem Caçadora de Sombras que faria qualquer coisa para não ter nascido assim. Ela quer ser uma dama da sociedade e não se preocupar com ninguém entrando ensopado de sangue em sua casa! Para isso, Jessie é capaz de manipular sem dó qualquer um. O engraçado é que a moça tem um senso da vida muito peculiar e trata tudo que possa a ajudar a alcançar seus objetivos como se fosse uma experiência de laboratório. O resto, bem, é resto.

Obviamente há uma gama de outros personagens, novos e velhos conhecidos de Instrumentos Mortais, mas não vou me ater a eles aqui, prefiro falar dos que se destacaram para mim. Também existe a dúvida de quem ainda não leu a primeira série da Cassandra Clare e quer saber se vale a pena seguir a cronologia da estória…

Sinceramente?

Não.

Além de Instrumentos Mortais ser mais completo em relação às informações do mundo dos Shadow Hunters, a graça de ter referências à parte da estória que ainda vai acontecer é impagável!

Enfim, com a ressalva de poucos erros de revisão/tradução, recomendo fortemente Anjo Mecânico para quem gosta de fatos históricos misturados com mistérios, sobrenatural, romance de bom gosto e mocinhas à frente de sua época!

Provavelmente Príncipe Mecânico só sairá aqui no começo do ano que vem, mas o verdadeiro drama é de quem já leu esse em inglês mesmo quando foi lançado (06/12/11) e vai ter que esperar até março de 2013 pra descobrir como tudo termina em Clockwork Princess.

I know!

xoxo e boa semana!

New On My Bookshelf Vol.10(1ª Parte)

Depois de mais de um mês sem NOMB, aqui vai a primeira parte!

Livros citados:

  • Refúgio – Harlan Coben (Arqueiro)
  • Bem Mais Parte – Susane Colasanti (Novo Conceito)
  • Um Lugar Para Ficar – Deb Caletti (Novo Conceito)
  • Belle – Lesley Pearse (Novo Conceito)
  • Starters – Lissa Price (Novo Conceito)
  • Travessia – Ally Condie (Suma das Letras)
  • O Atlas Esmeralda – John Stephens (Suma das Letras)
  • Blue Bloods, Revelações – Melissa de la Cruz (iD Editora)
  • Extras – Scott Westerfeld (Galera Record)
  • Caminhos de Sangue – Moira Young (Intrínseca)

Logo mostro os outros livros novos!

xoxo

Insonia is Coming #5

Insonia Is Coming é uma coluna fixa do blog IYRDIW onde falo dos principais lançamentos.
 

Adivinha quem está ansiosa para começar a leitura de um super distópico? Pois é! Meu Caminhos de Sangue, da Moira Young, já está na cabeceira da cama, pronto para começar a ser lido! Mas, enquanto a resenha não sai, deem uma olhada no Book Trailer feito para Blood Red Road (título original) com legendas em português:

Yay!!

Ok, vamos à literatura!

O que Alice Bingley-Beckerman, Reena Paruchuri e Molly Miller têm em comum é que todas são enteadas de madrastas horríveis, perversas e cruéis. E nenhuma delas vive feliz com essa situação. Embora pareça improvavel que sejam amigas, esse problema em comum poderá provar o contrário. Para impedir que os pais continuem enganados com as escolhas amorosas, as meninas se transformarão nas “MAÇÃS ENVENENADAS’.

Adoro contos de fadas, tanto os tradicionais quanto os modernos. Maçãs Envenenadas promete uma releitura divertida e interessante de uma estória que parece estar super na moda! (Previsto para 31/08/2012)

Seu mundo mudou para sempre. Callie perdeu os pais quando as guerras de Esporos varreu todas as pessoas entre 20 e 60 anos. Ela e seu irmão mais novo, Tyler, estão se virando, vivendo como desabrigados com seu amigo Michael e lutando contra rebeldes que os matariam por uma bolacha. A única esperança de Callie é Prime Destinations, um lugar perturbado em Berverly Hills que abriga uma misteriosa figura conhecida como o Old Man. Ele aluga adolescentes para alugar seus corpos aos Terminais — idosos que desejam ser jovens novamente. Callie, desesperada pelo dinheiro que os ajudará a sobreviver concorda em ser uma doadora. Mas o neurochip que colocam em Callie está com defeito e ela acorda na vida de sua locadora, morando em uma mansão, dirigindo seus carros e saindo com o neto de um senador. Parece quase um conto de fadas, até Callie descobrir que sua locatária pretende fazer mais do que se divertir — e que os planos de Prime Destinations são tão diabólicos que Callie nunca podia ter imaginado…

Distópico! Distópico! Distópico! Quer um conselho? Passe longe do jogo disponibilizado no Facebook, ele contém spoilers! Quer outro conselho? (2 pelo preço de 1) Leia o conto Retrato de Uma Starter aqui e conheça um pouco mais os starters e os elders.(Previsto para 27/07/2012)

Clássico da literatura fantástica americana, “A Companhia Negra” foi publicado originalmente na década de 1980. “A Companhia Negra” é um grupo de mercenários com uma história que remonta a séculos. Numa tentativa de reviver o passado de glórias, ela se une ao exército da Dama, uma feiticeira de poder inigualável que acordou de um sono de eras para reconquistar tudo que perdeu. A Companhia se vê envolvida, então, em muito mais do que campanhas militares: ela precisa sobreviver aos conflitos extremamente traiçoeiros entre os servos da Dama. Num mundo onde a magia está presente em cada esquina, toda rua esconde segredos maravilhosos e perigos mortais.

Um épico famoso para os fãs do gênero, não vejo a hora de conferir a edição que a Record preparou, a capa já diz muito! (Previsto para 24/07/2012)

Hazel é uma paciente terminal. Ainda que, por um milagre da medicina, seu tumor tenha encolhido bastante — o que lhe dá a promessa de viver mais alguns anos —, o último capítulo de sua história foi escrito no momento do diagnóstico. Mas em todo bom enredo há uma reviravolta, e a de Hazel se chama Augustus Waters, um garoto bonito que certo dia aparece no Grupo de Apoio a Crianças com Câncer. Juntos, os dois vão preencher o pequeno infinito das páginas em branco de suas vidas.

Para quem já leu Onde Está Você, Alasca? e gostou, é uma boa pedida. Esse romance de John Green está dando o que falar nos últimos tempos. (Previsto para 06/07/2012)

Nicollo Pollo, pai do explorador Marco, finalmente revela a história que manteve em segredo durante toda a vida: a história de Altair, um dos primeiros e mais extraordinários assassinos do Credo. É o curso da aventura de Altair em Constantinopla que irá selar o destino dos Templários e de sua saga na Europa. No Brasil, a série ultrapassou a marca de 200.000 exemplares vendidos. Lançada em 2007, a franquia de jogos da Ubisoft já vendeu mais de 38 milhões de cópias para diversas plataformas (PC e vídeo games). Na semana de seu lançamento, o jogo da franquia vendeu 2,5 milhões de cópias, quebrando um recorde de vendas de vídeo game nos Estados Unidos. A Sony Pictures está em fase de negociações finais com a Ubisoft para a adaptação da série para o cinema.

Pra quem não sabe,  Altaïr é o predecessor de Ezio (ah, Ezio…) entre os assassinos. Gosto dos livros e com certeza vou conferir esse, mas recomendo que joguem os jogos, são dinâmicos e indecentemente bem feitos! (Previsto para 03/08/2012)

Agora, vindo diretamente de alguma dimensão que com certeza não é a nossa…

… sério, é dificil de acreditar…

… mas eu juro que é verdade!

Sorry, ainda estou tentando digerir, é ele mesmo!!!

Depois de 5 anos (1 a mais graças à Rocco) eis que surge:

Até bem pouco tempo, Eragon nada mais era do que um pobre garoto da fazenda, e seu dragão, Saphira, apenas uma pedra azul na floresta. Em Herança, o destino de toda uma civilização está sobre seus ombros. Fortalecidos por longos treinamentos e intocáveis batalhas, Eragon e Saphira somam muitas vitórias, mas também colecionam dores de perdas muito difíceis. Agora, a derradeira batalha está para começar. O Cavaleiro e seu dragão chegaram mais longe do que qualquer um ousou imaginar. Mas será que eles serão capazes de derrubar o poderoso tirano Galbatorix e restaurar a justiça no reino da Alagaësia? E se conseguirem, qual será o custo da vitória?

Depois de permanecer 42 semanas no ranking dos mais vendidos do The New York Times, o quarto livro do Ciclo A Herança, do jovem Christopher Paolini, chega as livrarias brasileiras em agosto com a tiragem inicial de 30 mil exemplares, fechando a saga iniciada com Eragon e seguida por Eldest e Brisingr. 

São 792 páginas para matar a saudade e chafurdar na estória de Eragon e Saphira, e Murtag . Vou ser otimista e acreditar que esse não vai ter a enrolação do 3º e que o Paolini aproveitou todo o tempo de que dispôs para terminar o Ciclo de forma satisfatória!

Pra terminar, e ainda no clima Eragon, esse vídeo que já é antiguinho sobre a entrega (finalmente) do manuscrito de Inheritance! Tradução via /cogitolibris

Bom fim de semana!!

xoxo

Insaciável – Meg Cabot

Me gusta capa emborrachada!

  •    Autor: Meg Cabot
  •    Editora: Galera Record
  •    Nº de Páginas: 504
  •    Edição: 1
  •    Ano: 2011
  •    Título Original: Insatiable 
  •    Tradutor:  Regiane Winarski
  •    Avaliação: 4,5
Cansado de ouvir falar de vampiros? Meena Harper também. Mas seus patrões estão fazendo ela escrever sobre eles de qualquer maneira, mesmo que Meena não acredite neles. Não que Meena não esteja familiarizada com o sobrenatural. Veja, Meena Harper sabe como vamos morrer. (Não que você vá acreditar nela. Ninguém nunca acredita). Mas nem mesmo o dom da premonição de Meena pode prepará-la para o que vai acontecer quando ela conhece – e comete o erro de se apaixonar por – Lucien-Antonescu, um príncipe romeno moderno com um lado sombrio. É um lado negro que muitas pessoas, como uma antiga sociedade de caçadores de vampiros, preferiria vê-lo morto. O problema é que Lucien já está morto. Talvez por isso ele é o primeiro cara que Meena já conheceu com quem ela poderia ter um futuro. Entenda, enquanto Meena sempre foi capaz de ver o futuro de todo mundo, ela nunca foi capaz olhar para o dela própria. E quando Lucien é o que Meena jamais sonhou como namorado, de repente ele pode vir a se tornar o seu pesadelo. Agora pode ser uma boa hora para Meena começar a aprender a prever seu próprio futuro. . . Se ela ainda tiver um.

Primeiro de tudo: também estou tão indignada com a nota quanto vocês! Mas antes de, sei lá, jogar pedras ou grudar chiclete no meu cabelo, leiam o que tenho a dizer! E devo avisar que essa resenha talvez seja um pouco reveladora demais… mas é porque preciso mostrar o meu ponto!

Well, tem horas que eu sou uma tapada de marca maior, quando li o título Insaciável pela primeira vez pensei, hum, banho de sangue. Nem passou pela minha cabeça que pudesse ter algo mais hot ou +18, afinal, é a Meg, e qualquer livro adulto dela é assinado como Patricia Cabot.

Há, a tapada estava certa! A não ser que você considere ‘seios fartos’ ou ‘tanquinho’ hot demais.

A segunda coisa que pensei ao ver o livro foi Oba, mais Suzannah Simon pra gente! Ela é a protagonista da melhor série da Meg e uma das melhores séries adolescentes de todos os tempos, A Mediadora!

Não foi bem assim. Na verdade, não foi nem um pouco assim. O livro ficou devagar quaseparando na primeira metade, começando com a vida de redatora da novela Insaciável de Meena (e sua iminente promoção) indo pro brejo; mostra o completo cavalheirismo e atitudes muy honrosas de Lucien e o irritante comportamento arrogante de Alaric, o caçador de vampiros loiro, bombadão e bonitão.

Lucien sai da Romênia e vai para Nova York parar os vampiros que, contra a lei do príncipe, estão matando jovens humanas. Entenda, para ele os vampiros podem sim se controlar e beber sem matar. Ele sabe o que é violência e não concorda em nada com ela.

Alaric vai para Nova York a mando do chefe para parar os vampiros assassinos, mas acredita que será capaz de pegar também o todo-poderoso príncipe. E Meena duela com sua nova superiora, totalmente sem talento, Shoshana (alguém já viu Bastados Inglórios?). Ela quer mostrar para a magrela que, apesar de ter de enfiar vampiros e dar uma refrescada na trama, não precisam mudar a novela tanto assim.

O que Lucien não esperava era que Dmitri, seu irmão mais novo, poderia estar mais ligado com os assassinos do que dizia. Bem, Dmitri já tentou dar cabo do irmão uma vez e ficar com seu trono…

Ok, então a estória enveredou para Meena finalmente encontrar Lucian, e ir para a cama com ele.

Por acaso, o Lucien é mais ou menos assim:

É cavalheirismo demais pra uma pessoa só!

E o Alaric lá, intimidando garotas inocentes e enchendo o saco como sempre…

Alias tem até uma cena muito bizarra de quando ele, invade o apartamento da Meena pra descobrir o paradeiro do romeno e ‘revista’ a garota (só de sutiã e combinação) na frente do irmão dela! Isso não é hot, isso não engraçado. É bizarro!!

Bem, por causa desse encontro desagradável, Meena descobre que Lucien é, tipo, o príncipe DAS TREVAS! E sabendo disso ela até tenta se afastar. Mas não tenta taaaanto assim. We wont blame her!

Assim ela se torna, oficialmente, a escolhida do príncipe.

Intocável.

Ou seria se não houvesse vampiros querendo trocar de príncipe.

Isso leva a Guarda Palatina (para quem Alaric trabalha e que no livro caça monstros) além, é claro, de outros vampiros no encalço dela. O loirão aproveita e se elege o seu ‘guarda-costas’ até que seja seguro para Meena, ou seja: até que os bebedores de sangue se aniquilem!

Meena não pode deixar que isso aconteça.

Então, de repente, sem mais nem menos, o príncipe vira um escroto! DO CARA DOS SONHOS PRO IDIOTÁSSO praticamente na mesma página. Porra, Meg! Não dava pra ser mais óbvia e escrever de uma vez: caro leitor, agora é a hora de você odiar Lucian e torcer para Meena dar uma chance para Alaric. (!!!)

ARRRGH

Ok, eu não consigo não gostar do Lucien, e não tem nada a ver com ele ser um moreno altão, sério! É que ele foi sempre tão gentil e legal com a Meena que eu não posso trocá-lo por um troglodita! As briguinhas dela com Alaric não foram do tipo ‘você me irrita mas me seduz’, quero dizer, a intenção foi essa… mas não colou!

E já que estou falando tudo, sabe aqueles diálogos famosos da Meg, super inspirados e engraçados? Estou procurando eles até agora… Não que ela não tenha tentado! Ela tentou! Mas ficou tão forçado que por um momento eu realmente achei que a Meena fosse doida da cabeça…

Well, em defesa do livro, ele ainda conta com ótimos personagens: a Leisha por exemplo, melhor amiga, badass e grávida de mil meses. Ela é super confiante e realmente acredita no dom da amiga! E a vizinha vampira perua, Mary Lou. Ela é tão legal, perua, avoada e legal (!) que você passa o livro todo desejando que ela pare de fazer besteiras, com medo que a transformem numa pilha de pó!

Não posso dizer que recomendo o livro, na verdade, eu recomendo O Legado da Caça-Vampiros se você estiver afim de um casal que briga e é engraçado. Ou a série Mediadora, mas isso já estava implícito. Vou ler a continuação, Overbite, porque preciso saber o que vai acontecer e porque acredito que foi só uma errada de mão da Meg.

Então, Sra. Cabot, eu não queria ter feito essa resenha. Me corta o coração ter lido o que li, ainda mais vindo de você!

Mas você me machucou primeiro!!

No mais, vou dedicar um p.s. para o personagem que mais me chamou a atenção no livro todo:

P.S.: Jack Bauer, o cachorro.

Nunca antes, na história desse pais, um cão despertou tantas emoções em mim! Ele fica com Meena 24h por dia, achando que vai protege-la dos vampiros, só que ele é daqueles pequenos, fofos e felpudos:

No primeiro encontro de Meena quem está lá? Jack Bauer, achando que é o cara do seriado e latindo sem parar pro vampiro! SEM PARAR!

Ainda assim ele é uma coisa fofa demais para não gostarmos e totalmente querermos um igual!

Entenderam a indireta, né?

xo