10x Insonia, Livros Para Tirar o Sono Nesse Inverno

topper

Ler espirrando com pólen é um desafio. Ler na praia é interessante. Ler com brisa fresca e folhas caindo é agradável.

Mas nada supera ler debaixo das cobertas, com uma xícara de café (ou chá, ou chocolate, ou leite, ou cerveja amanteigada) do lado. NADA.

E isso vem de uma pessoa que já experimentou todas as formas de leitura acima… então achei digno separar alguns livros especiais para vocês entrarem no clima lerigo, lerigooo comigo 🙂

Bora, se ajeitar e aproveitar essas leituras?

 

A_VIDA_EM_TONS_DE_CINZA_1332494566BA Vida em Tons de Cinza – Ruta Sepetys (resenha aqui)

Esse livro realmente deveria ser ensinado nas escolas.

1941. A União Soviética anexa os países bálticos. Desde então, a história de horror vivida por aqueles povos raras vezes foi contada.
Aos 15 anos, Lina Vilkas vê seu sonho de estudar artes e sua liberdade serem brutalmente ceifados. Filha de um professor universitário lituano, ela é deportada com a mãe e o irmão para um campo de trabalho forçado na Sibéria.
Lá, passam fome, enfrentam doenças, são humilhados e violentados. Mas a família de Lina se mostra mais forte do que tudo isso. Sua mãe, que sabe falar russo, se revela uma grande líder, sempre demonstrando uma infinita compaixão por todos e conseguindo fazer com que as pessoas trabalhem em equipe.
No entanto, aquele ainda não seria seu destino final. Mais tarde, Lina e sua família, assim como muitas outras pessoas com quem estabeleceram laços estreitos, são mandadas, literalmente, para o fim do mundo: um lugar perdido no Círculo Polar Ártico, onde o frio é implacável, a noite dura 180 dias e o amor e a esperança talvez não sejam suficientes para mantê-los vivos.
A vida em tons de cinza conta, a partir da visão de poucos personagens, a dura realidade enfrentada por milhões de pessoas durante o domínio de Stalin. Ruta Sepetys revela a história de um povo que foi anulado e que, por 50 anos, teve que se manter em silêncio, sob a ameaça de terríveis represálias.

 

SNOW_LIKE_ASHES_1393119471BSnow Like Ashes (Neve e Cinzas) – Sara Raasch (resenha aqui também)

Que estação melhor para acompanhar a saga dos inverninos?

Dezesseis anos atrás o Reino de Inverno foi conquistado e seus cidadãos, escravizados, sem família real e sem magia. A única esperança de liberdade para o povo do reino jaz nos oito sobreviventes que conseguiram escapar, e que seguem esperando uma oportunidade para recuperar a magia de Inverno e reconstruir o reino. Meira, uma órfã desde a derrota de Inverno, passou a vida inteira como refugiada, criada por Senhor, o general dos inverninos. Treinando para se tornar uma guerreira — e desesperadamente apaixonada pelo melhor amigo e futuro rei, Mather —, Meira faria qualquer coisa para ajudar o Reino de Inverno a retomar seu poder. Então, quando espiões descobrem a localização de um medalhão antigo capaz de devolver a magia ao reino, Meira decide ela mesma encontrá-lo. Finalmente ela está escalando torres e lutando contra soldados inimigos como sempre sonhou. Mas a missão não sai como planejado, e logo Meira se vê mergulhada em um mundo de magia maligna e poderosos perigosos. De repente, ela percebe que seu destino não está, e nunca esteve, em suas mãos. A estreia de Sara Raasch é uma fantasia cheia de ação sobre lealdade, amor e a capacidade de determinar o próprio destino.

 

 

O_CAVALEIRO_DE_BRONZE_1378512233BO Cavaleiro de Bronze – Paullina Simons

Russia. No inverno.

A Segunda Guerra Mundial ainda não havia alcançado a cidade de Leningrado, onde as duas irmãs Tatiana e Dasha Metanova viviam, dividindo um pequeno cômodo com seu irmão, seus pais e avós.
Tudo muda quando as tropas de Hitler atacam a União Soviética e ameaçam invadir a grande, mas decadente, cidade. Fome, desespero e medo tomam conta de Leningrado, durante o terrível inverno no qual a cidade foi submetida ao cerco alemão.
No entanto, a luz do amor é sempre capaz de iluminar a mais profunda escuridão. Tatiana conhece Alexander, um jovem e corajoso oficial do Exército Vermelho. O rapaz, forte, confiante e guardando um passado misterioso e problemático, e sente-se atraído por Tatiana—e ela por ele.
O amor impossível de Tatiana e Alexander ameaça agora dividir a família Metanova. E que segredo é esse que se esconde no passado do soldado, tão devastador quanto a própria guerra?

 

 

BELEZAS_PERIGOSAS_1257635681BGemma Doyle – Libba Bray (especial sobre a trilogia aqui)

É extramamente satisfatório me enroscar num canto com um cobertorzinho, chá e um livro da Libba Bray na mão.

Após assistir à morte de sua mãe duplamente – numa visão perturbadora que logo se confirma real – no dia do seu aniversário, em uma tarde quente e agitada em Bombaim, Gemma é mandada para Londres, onde o irmão se encarrega de matriculá-la na tradicional escola Spence para moças. Sob o lema “graça, charme e beleza”, Spence, guarda, no entanto, em seu bosque, onde às vezes aparecem ciganos, sua capela, seus recantos secretos, mistérios que farão com que Gemma entre em contato com seu dom (ou seria uma maldição?) de forma cada vez mais intensa. O jovem Kartik bem que tenta ajudá-la a lidar com suas visões e alertá-la para os perigos de se envolver numa antiga e nebulosa história, mas Gemma não é do tipo que se deixa paralisar pelo medo. E encontra em Felicity e Pippa, duas das meninas mais invejadas do colégio, e até mesmo na humilde Ann, o impulso necessário para enfrentar seus próprios fantasmas.

Conheça Gemma Doyle e deixe-se levar pelas “Belezas Perigosas” escondidas no coração e na mente dessa personagem encantadora. Depois de virada a primeira página, impossível não se envolver com sua história de vida e morte, luz e sombra, alegria e tristeza, coragem e medo, amor e ódio, que, afinal, é um pouco como a história de todos nós, mas enriquecida com a imaginação brilhante e o talento narrativo de Libba Bray.

 

HARRY_POTTER_E_A_PEDRA_FILOSOFAL_1389761588BHarry Potter – J. K. Deusa Rowling

Não consigo pensar em Harry e não me imaginar tomando uma boa xicara de chá enquanto assisto a neve cair no pátio da escola.

Conheça Harry, filho de Tiago e Lílian Potter, feiticeiros que foram assassinados por um poderosíssimo bruxo, quando ele ainda era um bebê. Com isso, o menino acaba sendo levado para a casa dos tios que nada tinham a ver com o sobrenatural pelo contrário. Até os 10 anos, Harry foi uma espécie de gata borralheira: maltratado pelos tios, herdava roupas velhas do primo gorducho, tinha óculos remendados e era tratado como um estorvo. No dia de seu aniversário de 11 anos, entretanto, ele parece deslizar por um buraco sem fundo, como o de Alice no país das maravilhas, que o conduz a um mundo mágico. Descobre sua verdadeira história e seu destino: ser um aprendiz de feiticeiro até o dia em que terá que enfrentar a pior força do mal, o homem que assassinou seus pais, o terrível Lorde das Trevas.

O menino de olhos verdes, magricela e desengonçado, tão habituado à rejeição, descobre, também, que é um herói no universo dos magos. Potter fica sabendo que é a única pessoa a ter sobrevivido a um ataque do tal bruxo do mal e essa é a causa da marca em forma de raio que ele carrega na testa. Ele não é um garoto qualquer, ele sequer é um feiticeiro qualquer; ele é Harry Potter, símbolo de poder, resistência e um líder natural entre os sobrenaturais.

 

SOMBRA_E_OSSOS_1371825137BSombra e Ossos – Leigh Bardugo (resenha aqui)

Porque sempre é tempo de ler Leigh Bardugo

Alina Starkov nunca esperou muito da vida. Órfã de guerra, ela tem uma única certeza: o apoio de seu melhor amigo, Maly, e sua inconveniente paixão por ele. Cartógrafa de seu regimento militar, em uma das expedições que precisa fazer à Dobra das Sombras – uma faixa anômala de escuridão repleta dos temíveis predadores volcras –, Alina vê Maly ser atacado pelos monstros e ficar brutalmente ferido. Seu instinto a leva a protegê-lo, quando inesperadamente ela vê revelado um poder latente que nunca suspeitou ter.
A partir disso, é arrancada de seu mundo conhecido e levada da corte real para ser treinada como um dos Grishas, a elite mágica liderada pelo misterioso Darkling. Com o extraordinário poder de Alina em seu arsenal, ele acredita que poderá finalmente destruir a Dobra das Sombras.
Agora, ela terá de dominar e aprimorar seu dom especial e de algum modo adaptar-se à sua nova vida sem Maly. Mas nesse extravagante mundo nada é o que parece. As sombrias ameaças ao reino crescem cada vez mais, assim como a atração de Alina pelo Darkling, e ela acabará descobrindo um segredo que poderá dividir seu coração – e seu mundo – em dois. E isso pode determinar sua ruína ou seu triunfo.

LIGEIRAMENTE_CASADOS_1409953442BLigeiramente Casados – Mary Balogh (tem resenha também)

Nada como um bom romance de época pra te esquentar no friozinho.

À beira da morte, o capitão Percival Morris fez um último pedido a seu oficial superior: que ele levasse a notícia de seu falecimento a sua irmã e que a protegesse “Custe o que custar!”. Quando o honrado coronel lorde Aidan Bedwyn chega ao Solar Ringwood para cumprir sua promessa, encontra uma propriedade próspera, administrada por Eve, uma jovem generosa e independente que não quer a proteção de homem nenhum.

Porém Aidan descobre que, por causa da morte prematura do irmão, Eve perderá sua fortuna e será despejada, junto com todas as pessoas que dependem dela… a menos que cumpra uma condição deixada no testamento do pai: casar-se antes do primeiro aniversário da morte dele o que acontecerá em quatro dias.

Fiel à sua promessa, o lorde propõe um casamento de conveniência para que a jovem mantenha sua herança. Após a cerimônia, ela poderá voltar para sua vida no campo e ele, para sua carreira militar.

Só que o duque de Bewcastle, irmão mais velho do coronel, descobre que Aidan se casou e exige que a nova Bedwyn seja devidamente apresentada à rainha. Então os poucos dias em que ficariam juntos se transformam em semanas, até que eles começam a imaginar como seria não estarem apenas ligeiramente casados…

 

ANJO_MECANICO_1327640284BAnjo Mecânico Londres – Cassandra Clare (eis a resenha)

Não sei você, mas  só de pensar em Londres já sinto um friozinho.

Tessa Gray tem um anjinho mecânico pendurado no pescoço, um presente de família do qual nunca se separa. O tique-taque do pingente faz com que ela se sinta segura junto à lembrança dos pais, que já morreram. Mal sabe Tessa que esse barulhinho muito em breve vai se tornar o odioso som de um exército comandado por forças do Submundo. Com os Caçadores de Sombras e seu recém-descoberto poder sobrenatural, ela enfrentará uma guerra mortal entre os Nephilim e as máquinas do Magistrado, o novo comandante das trevas na Londres vitoriana

JOGOS_VORAZES_1447803914106468SK1447803914B

Jogos Vorazes -Suzanne Collins (resenha da rerreleitura aqui)

O que melhor para te aquecer do que ação, ação, ação e mais ação de tirar o folego e não desgrudar os olhos das páginas?

Constituída por uma suntuosa Capital cercada de 12 distritos periféricos, a nação de Panem se ergueu após a destruição dos Estados Unidos. Como represália por um levante contra a Capital, a cada ano os distritos são forçados a enviar um menino e uma menina entre 12 e 18 anos para participar dos Jogos Vorazes. As regras são simples: os 24 tributos, como são chamados os jovens, são levados a uma gigantesca arena e devem lutar entre si até só restar um sobrevivente. O vitorioso, além da glória, leva grandes vantagens para o seu distrito.

Quando Katniss Everdeen, de 16 anos, decide participar dos Jogos Vorazes para poupar a irmã mais nova, causando grande comoção no país, ela sabe que essa pode ser a sua sentença de morte. Mas a jovem usa toda a sua habilidade de caça e sobrevivência ao ar livre para se manter viva. As reviravoltas do jogo e as dificuldades enfrentadas pela protagonista levam os leitores a sofrer junto com ela, enquanto descobrem um pouco sobre seu passado e seu relacionamento com Peeta Mellark, o outro tributo enviado pelo Distrito 12 para lutar nos Jogos Vorazes.

Inspirada pelo mito grego de Teseu e o Minotauro e bebendo nas melhores fontes da ficção científica, Suzanne Collins faz uma dura crítica à sociedade do espetáculo atual e prende a atenção do leitor da primeira à última página com um romance envolvente e perturbador.

 

CALAFRIO_1374934808BCalafrio – Maggie Stiefvater

É só ler essa sinopse e você será consumido pelo espírito do inverno.

Quando chega o inverno, Grace é atraída pela presença familiar dos lobos que vivem no bosque atrás de sua casa. Ela espera ansiosamente pelo frio desde que fitou pela primeira vez os profundos olhos amarelos de um dos lobos e sobreviveu ao ataque de uma alcateia. Esses mesmos olhos brilhantes ela encontraria mais tarde em Sam, um rapaz que cresceu vivendo duas vidas – uma normal, sob o sol, e outra no inverno, quando vestia a pele do animal feroz que, certa vez, encontrou aquela garota sem medo. Tudo o que Sam deseja é que Grace o reconheça em sua forma humana, e para isso bastaria que trocassem um único olhar. Mas o tempo de Sam está acabando. Ele não sabe até quando manterá a dupla aparência e quando se tornará um lobo para sempre. Enquanto buscam uma maneira de para torná-lo humano para sempre, têm de enfrentar a incompreensão da cidade, que vê nos lobos um perigo a ser combatido.

E vocês, quais suas leituras pros meses de frio?

Xoxo e bom fds

 

Anúncios

Dama da Meia-Noite – Cassandra Clare

Dama da meia-noite g1

  •    Autor: Cassandra Clare
  •    Editora: Record
  •    Nº de Páginas: 574
  •    Edição: 1
  •    Ano: 2016
  •    Título Original: Lady Midnight
  •    Tradutor: Rita Sussekind

   Avaliação: 8,5

 

Não que seja da minha conta, mas se você não leu nenhum outro livro da série Caçadores de Sombras não sei se vai entender muito esse aqui… Porém vivemos num mundo livre e spoiler não é crime. Ainda.

Em um mundo secreto onde guerreiros meio-anjo juraram lutar contra demônios, parabatai é uma palavra sagrada.

O parabatai é seu parceiro na batalha. O parabatai é seu melhor amigo. Parabatai pode ser tudo para o outro, mas eles nunca podem se apaixonar.

Emma Carstairs é uma Caçadora de Sombras, uma em uma longa linhagem de Caçadores de Sombras encarregados de protegerem o mundo de demônios. Com seu parabatai Julian Blackthorn, ela patrulha as ruas de uma Los Angeles escondida onde os vampiros fazem festa na Sunset Strip, e fadas estão à beira de uma guerra aberta com os Caçadores de Sombras. Quando corpos de seres humanos e fadas começam a aparecer mortos da mesma forma que os pais de Emma foram assassinados anos atrás, uma aliança é formada. Esta é a chance de Emma de vingança e a possibilidade de Julian ter de volta seu meio-irmão fada, Mark, que foi sequestrado há cinco anos. Tudo que Emma, Mark e Julian tem a fazer é resolver os assassinatos dentro de duas semanas antes que o assassino coloque eles na mira.

 Suas buscas levam Emma de cavernas no mar cheias de magia para uma loteria sombria onde a morte é dispensada. Enquanto ela vai descobrindo seu passado, ela começa a confrontar os segredos do presente: O que Julian vem escondendo dela todos esses anos? Por que a Lei Shadowhunter proíbe parabatais de se apaixonarem? Quem realmente matou seus pais e ela pode suportar saber a verdade?

A magia e aventura das Crônicas dos Caçadores de Sombras tem capturado a imaginação de milhões de leitores em todo o mundo. Apaixone-se com Emma e seus amigos neste emocionante e de cortar o coração no volume que pretende deliciar tantos novos leitores como os fãs de longa data

————————————————————————————————————————————————

Recomendo fortemente a leitura de As Peças Infernais e Os Instrumentos Mortais antes de embarcar nessa série. Numerosos, selvagens, gigantescos Spoilers de Instrumentos Mortais e As Peças Infernais nesse livro! Não leia se tem a mais pálida chance de ler as outras séries depois.

Enfim…

Tem alguma coisa extremamente prazerosa no ato de começar um livro que você SABE que vai gostar muito! Pode ser aquele autor que você ama, uma série que te cativou ou simplesmente aquele debut com uma sinopse tão perfeita que só um cataclismo pra fazer a história ser ruim!

E quando você termina de ler esse livro tão aguardado e pensa “Caramba, foi ainda melhor do que eu esperava”? Essa é a minha história de amor com Dama da Meia-Noite.

Ainda estou sob os efeitos alucinógenos da leitura recente, mas acho que essa trilogia vai ser ainda melhor que As Peças Infernais! Tirando o final de Princesa Mecânica, nada nessa Terra supera aquele final…

Cassie deixou seus personagens ainda mais reais, mais diferentes uns dos outros, cada um com uma personalidade bem definida e seus problemas paralelos ao restante da história. Sério, não tem como não amar os irmãos Blackthorn, não é humanamente possível! Sou filha única e sempre quis um irmão (mais velho ou mais novo, tanto faz) pra compartilhar tudo, então não é surpresa que fique encantada com esse lado do livro. A situação é agravada porque além de lindo e maravilhoso, Julian ainda ama e cuida de toda a trupe como se fosse o pai deles, não só um irmão.

Porém já dizia o ditado nerd “Com grandes poderes, vem grandes responsabilidades” e Julian acaba sendo esmagado pela barra que é criar quatro crianças, ainda mais quando ele mesmo ainda é uma. Talvez um ponto irritante no livro seja que esse sufocamento é mencionado O.TEMPO.TODO. Mas prefiro relevar isso e encarar como sendo como ele realmente se sente.

Sério.

Emma, apesar de dividir o palco com vários outros personagens, é uma mocinha ótima. Passei da fase das belas, recatadas e do lar que não viram nada da vida e que seguem deslumbradas com cada palavra dita pelo mocinho do livro. Apesar de ser só uma garota de 17 anos Emma já sabe o que é bom para ela e não perde tempo sendo meiga e ponderada. Adoro.

Esse romance central impossível, com um ‘que’ de Proibido, da Thabita Suzuma, me deixou louca de tensão e foi o ponto alto da história toda. Mark, Cristina e as revelações bombásticas que não foram tão bombásticas quanto eu gostaria (e Cassie Clare já foi melhor nesse quesito) ficaram pálidos perto do que senti acompanhando esse amor.

Definitivamente o tipo de livro que te deixa pensando na história o dia inteiro, desejando ter uma pausa pra terminar logo e descobrir o que vai acontecer, mesmo sabendo que vai demorar MILÊNIOS até o próximo volume ser lançado. Se eu tinha um pezinho atrás com os Shadowhunters depois do filme e da série (que odeio com todas as forças), isso passou. Voltei com força total para o time #ContinueCriandoNovasSériesDeCaçadoresDeSombrasEternamenteCassie

xoxo e boa semana!

PS Para Quem Já Leu: Essa decisão da Emma vai dar mer%#, sim ou claro?

 

 

Príncipe Mecânico – Cassandra Clare

clockwork-prince-br.indd

  •    Autor: Cassandra Clare
  •    Editora: Galera Record
  •    Nº de Páginas: 406
  •    Edição: 1
  •    Ano: 2013
  •    Título Original: Clockwork Prince
  •    Tradutor: Rita Sussekind

   Avaliação: 9,0

Tessa Gray não está sonhando. Nada do que aconteceu desde que saiu de Nova York para Londres — ser sequestrada pelas Irmãs Sombrias, perseguida por um exército mecânico, ser traída pelo próprio irmão e se apaixonar pela pessoa errada — foi fruto de sua imaginação. Mas talvez Tessa Gray, como ela mesma se reconhece, nem sequer exista. O Magistrado garante que ela não passa de uma invenção. Para entender o próprio passado e ter alguma chance de projetar seu futuro, primeiro Tessa precisa entender quem criou Axel Mortmain, também conhecido como Príncipe Mecânico.

Ei você! É, você mesmo que não leu Anjo Mecânico! Está ouvindo isso? Esse é o som dos spoilers-autômatos do Magistrado vindo te pegar! Então vá ler o livro e só volte aqui quando aprender a matá-los!

————————————————————————————————————————————————————————————————–

Antes de mais nada:

Principe Mecanico

Desculpa, eu precisava…

Retomando…

Então, como sempre, essa sou eu em posse de um novo livro de Cassie Clare:

E, como sempre, essa sou eu no final de cada leitura nova de Cassie Clare:

Acredite, é o livro ou eu.

A maioria das pessoas passa a vida toda procurando por um grande amor, Tessa é suficientemente sortuda para ter dois.

Ela é?

Ela é mesmo?

É verdade que essa estória é mais sobre o triângulo amoroso do que toda a trama entre ela. E pasmem: você me vê reclamando? Não!

Podem dizer que a maior falha desse livro é ser tão focado nos relacionamentos entre os personagens, que acabamos com mais perguntas do que respostas e o restante parece ser deixado de lado, mas dane-se! EU QUERO SABER O QUE ACONTECE COM ELES! Não tenho vergonha de admitir, criei um vínculo tão grande com Tessemill (Tessa + Jem + Will) que se o Magistrado explodisse bem do meu lado eu iria rapidamente abanar a fumaça e tentar espiar para ver o que os três estavam fazendo!

Acho que essa é a grande conquista do livro e da Clare como autora. Você fica genuinamente envolvido com Tessa e Will e Jem, até com os outros Caçadores de Sombras e, na maior parte do tempo, deseja que Magnus Bane e o restante do Submundo fosse bem real.

No momento em que cheguei ao meio, eu estava completamente seduzida por Tessa e Will … e Jem. Como, como poderia alguém amar duas pessoas tão diferentes, tanto no caráter e humor? Como poderia alguém se importa o suficiente não com um, mas dois estranhos -e por estranhos eu quero dizer uma pessoa que não é da família, vem de fora e não tem laços de sangue nem obrigação moral- para dar de bom grado a sua vida e felicidade em troca da deles?

A maioria das pessoas passa a vida toda procurando por um grande amor, Tessa é suficientemente sortuda para ter dois.

Ela é?

Ela é mesmo.

Ok, falando assim parece que não acontece nada no livro todo, acontece. Não diria que esse é o mais cheio de ação, mas as coisas que descobrimos sobre Magnus, as alianças formadas e as promessas quebradas, tudo com certeza contribui para que o livro fique longe de ser parado! Se você leu minha resenha de Anjo Mecânico sabe que uma coisa me incomodou muito na mocinha, a parte onde praticamente qualquer um poderia dar uma surra de gato molhado nela e ela nem saberia por onde começar a reagir. Cassandra Clare solucionou meu problema e botou Tess, junto com Sophie, para aprenderem a se defender com dois moços quase sem nenhum destaque: Gabriel e Gideon Lightwood. Adoro como o Gabriel apesar de odiar Will com todas as forças, é tão parecido com ele.

“Eles não são horríveis,” disse Tessa.

Will piscou para ela. “Como?”

“Gideon e Gabriel,” disse Tessa. “Eles são realmente muito bonitos,  ele não são horríveis de jeito nenhum.”

“Eu me referi,” disse Will, em um tom sepulcral, “as profundezas escuras feito piche de suas almas.”

Tessa fungou. “E de que cor você acha que as profundezas da sua alma são, Will Herondale?”

“Lavanda.” disse Will.

Chegando a reta final, tenho que dizer, a falta de consideração da autora pelos sentimentos de seu público continua, para dizer o mínimo, em alta. Quando você acha que a situação não pode ficar mais dramática, de alguma forma ela dá um jeito de apertar um botão mágico e…  deixar tudo ainda mais doido e angustiante! Especificamente, quando terminei Príncipe Mecânico eu voltei uma página, duas, três, o capítulo, olhei atentamente para me certificar de que era aquilo mesmo, aquele era o fim até Princesa Mecânica

Então, depois de muitos anos de contemplação, eu finalmente decidi o que eu quero ser quando crescer: Caçadora de Sombras na era vitoriana. Vamos lá, pessoas! Eles podem ter toda luta-com-espadas/matança-de-demônios que quiserem e ainda usar vestidos incríveis!

 

xoxo

Cidade dos Anjos Caídos – Cassandra Clare

  •     Autor: Cassandra Clare
  •    Editora: Galera Record
  •    Nº de Páginas: 364
  •    Edição: 1
  •    Ano: 2012
  •    Título Original: City of Fallen Angels
  •    Tradutor: Rita Sussekind

   Avaliação: 8,0

Aviso número 1: NÃO LEIA essa resenha caso não tenha lido Cidade de Vidro, você não vai ser feliz fazendo isso, sério… sério mesmo!!

Aviso número 2: Essa resenha contém uma dose ridiculamente alta de fangirling. Cuidado.

A guerra acabou e Caçadores de Sombras e integrantes do submundo parecem estar em paz. Clary está de volta a Nova York, treinando para usar seus poderes. Tudo parece bem, mas alguém está assassinando Caçadores e reacendendo as tensões entre os dois grupos, o que pode gerar uma segunda guerra sangrenta. Quando Jace começa a se afastar sem nenhuma explicação, Clary começa a desvendar um mistério que se tornará seu pior pesadelo.

————————————————————————————————————————————————————————————————–

“O tipo de amor que pode incinerar o mundo ou erguê-lo em glória.”

Acontece que Cidade dos Anjos Caídos é o livro que menos me gusta na série. Isso provavelmente é devido ao medinho que eu tinha da Cassandra se perder nesse volume, afinal, Os Instrumentos Mortais seria uma trilogia (como tudo nesse mundo, pelo visto) que foi estendida para uma sextologia(??).

Para provar que ela merece o lugar cativo que tem no meu coração, Cassandra manteve o nível sem sair do contexto! O enredo segue oito semanas depois de onde paramos em Cidade de Vidro e, apesar dos antigos antagonistas terem ido dessa para pior é impossível encontrar alguém que não lembre deles constantemente ou tire de Clary e Jace o peso do legado de Valentim ‘Cão-Chupando-Manga’ Morgenstern.

Achei muito interessante o foco não se concentrar apenas em Clary e Jace dessa vez, com mais pontos de vista temos mais problemas, outras intrigas e muito mais mistério.

Mas foi a parte do Jace estar na tensão pré-menstrual me irritou um pouco. Todo mundo sabe que o lema da vida dele é “Amar é destruir”, mas essa coisa dele se afastar da Clary porque acha que assim irá protegê-la dele mesmo (para variar) foi muito fofa no primeiro livro, interessante no segundo e de partir o coração no terceiro. Agora já deu. Poxa, eles demoraram tanto tempo para finalmente ficarem juntos e quando conseguem, quem vai empatar tudo é ele?? Entendo os motivos do moço e as razões por trás disso, só que foi demais pro meu coração!

Mas é aquela mágica à la Jace, certo? Num minuto ele está fazendo coisas extremamente irritantes que te dão vontade de bater nele, no outro ele está dizendo alguma coisa completamente linda que te leva de volta ao estágio I *heart* Jace 4ever.

Fora isso, achei incomodo o pouco destaque que deram aos Caçadores Mortos (tão mencionados na sinopse) e o ‘after party’ da grande batalha de Idris. Senti que poderíamos saber mais sobre isso…

De qualquer forma, Cidade dos Anjos Caídos conserva o bom humor e a rapidez características da escrita de Cassandra Clare, sua grande habilidade de interligar eventos sem deixar a peteca cair e todo l’amour que a gente poderia esperar.

Eu tinha um mini ataque do coração toda vez que uma menção à série As Peças Infernais era feita. Só de pensar que Clockwork Princess dará o ar da graça apenas ano que vem já seria o suficiente para deixar qualquer fã com os nervos a flor da pele, mas insinuações a Will e o que elas podem significar ou não são de enlouquecer um! Isso com certeza deixou a leitura ainda mais especial para mim.

Não te recomendo Cidade dos Anjos Caídos, prescrevo, e ainda aviso para tomar cuidado com os efeitos finais da dose. Você não vai conseguir pensar em outra coisa.

Uma música para Clary e Jace?

P.S.1: Eu descobri uma coisa stalkeando observando a autora nas redes sociais. Cassandra Clare é . Ela quer ver as pessoas com os corações feitos em pedacinhos. Eu. Tenho. Medo. Do. Final. Dessa. Série.

P.S.2: Só para o caso de alguém não ter conseguido pegar a dimensão dos ataques de fangirl, ilustrarei. A reação de base a finalmente ter o livro em mãos:

Tenham um ótimo fim de semana!

Anjo Mecânico – Cassandra Clare

Menos brilhante, mas não menos bonita. Só o ‘m’ minúsculo que me irritou profundamente…

  •     Autor: Cassandra Clare
  •    Editora: Galera Record
  •    Nº de Páginas: 392
  •    Edição: 1
  •    Ano: 2012
  •    Título Original: Clockwork Angel
  •    Tradutor: Rita Sussekind
  •    Avaliação: 9,0

Anjo mecânico apresenta o mundo que deu origem à série Os Instrumentos Mortais, sucesso de Cassandra Claire. Nesse primeiro volume, que se passa na Londres vitoriana, a protagonista Tessa Gray conhece o mundo dos Caçadores de Sombras quando precisa se mudar de Nova York para a Inglaterra depois da morte da tia. Quando chega para encontrar o irmão Nathaniel, seu único parente vivo, ela descobrirá que é dona de um poder que capaz de despertar uma guerra mortal entre os Nephilim e as máquinas do Magistrado, o novo comandante das forças do submundo. 

————————————————————————————————————————————————————————————————–

Vamos deixar claro uma coisa antes: Cassandra Clare está no meu Top 10 de autores preferidos. EVER.

As Peças Infernais tem um brilho diferente de Os Instrumentos Mortais para mim. E mesmo assim não consigo dizer qual minha série preferida, pois elas são muito parecidas. É quase um paradoxo. Cada uma me encanta e me irrita na mesma proporção, mas em pontos distintos.

No caso de As Peças Infernais – Anjo Mecânico, a oscilação da presença de espirito de Tessa me deixa com raiva da personagem diversas vezes. A garota dá respostas à altura e segura as pontas quando se intimida, não demonstrando. Porém sua vulnerabilidade surge em momentos em que eu pediria uma heroína mais durona. É tudo muito pessoal, mas eu prefiro garotas que partem pra ‘porrada’ quando precisam.

E tem o detalhe de ela não gostar de chocolate. I know!

Agora, o que mais me encanta no primeiro livro da série é, juro pra vocês, o triangulo amoroso!

É sério.

Sabe quando o autor te força a ver como os dois mocinhos são derretidíssimos pela mocinha e como ela é virtuosa a ponto de se matar em dúvidas sobre com quem ficar, estarrecida pela mera ideia de magoar um milímetro do corpo geralmente bem definido do rejeitado. Aliás, rejeitado é uma palavra feia e forte, a mocinha sempre ama ambos de todo coração até que alguma coisa acontece, totalmente forçada pelo autor e previsível desde a primeira vista do triangulo, e a garota se decide e todos ficam felizes para sempre.

Meh.

Pelo Anjo, o livro da Cassandra Clare não é assim! É claro que você tem uma dica, um sentimento, de como as coisas podem acabar, mas pode não ser assim, ou melhor, não precisa ser assim para termos uma boa estória. É isso que todo o tempero do romance e me deixou acordada a madrugada toda querendo mais e mais páginas.

Em segundo plano, outro motivo para eu ser tão apaixonada por essa série são seus personagens. Tessa, apesar de ter suas oscilações irritantes poderia ser bem pior, admito, mas ela é ofuscada por Will e Jem e até mesmo por Jessamine em alguns pontos.

Will e Jem são, na minha cabeça, versões mais jovens e mais bonitas de Sherlock Holmes e John Watson nas novas adaptações das estórias de Holmes para o cinema. Sim, Jem na minha cabeça consegue ser ainda mais bonito que Jude Law, mas enfim, o que quero dizer: as personalidades, o humor e a relação dos dois são EXTREMAMENTE parecidas com os personagens do cinema. Ou seja, se você gostou do que assistiu nas telonas, vai amar ler num livro de Caçadores de Sombras.

Vamos ilustrar:

“-Jem se inclinou para a frente, apoiando o queixo na mão[…] –Existe alguma razão específica para viver mordendo vampiros?

Will tocou o sangue seco nos pulsos e sorriu.

-Eles nunca esperam que eu vá fazer tal coisa.” Pág. 225

Ooooou

“Jem riu alto.

-Não diria isso. Às vezes quero estrangulá-lo.

-E Como consegue se conter?

-Vou para o meu lugar preferido de Londres – disse Jem -, e fico ali olhando para a água e pensando na continuidade da vida, em como o rio segue, sem se importar com nossos problemas mesquinhos.

Tessa ficou fascinada.

-E funciona?

-Na verdade, não, mas depois disso penso em como eu poderia mata-lo enquanto dorme se eu realmente quisesse, e me sinto melhor.” Pág. 254

Olha, eu gosto, ok? E eles são completamente adoráveis juntos, sério!

Há também Jessamine, uma jovem Caçadora de Sombras que faria qualquer coisa para não ter nascido assim. Ela quer ser uma dama da sociedade e não se preocupar com ninguém entrando ensopado de sangue em sua casa! Para isso, Jessie é capaz de manipular sem dó qualquer um. O engraçado é que a moça tem um senso da vida muito peculiar e trata tudo que possa a ajudar a alcançar seus objetivos como se fosse uma experiência de laboratório. O resto, bem, é resto.

Obviamente há uma gama de outros personagens, novos e velhos conhecidos de Instrumentos Mortais, mas não vou me ater a eles aqui, prefiro falar dos que se destacaram para mim. Também existe a dúvida de quem ainda não leu a primeira série da Cassandra Clare e quer saber se vale a pena seguir a cronologia da estória…

Sinceramente?

Não.

Além de Instrumentos Mortais ser mais completo em relação às informações do mundo dos Shadow Hunters, a graça de ter referências à parte da estória que ainda vai acontecer é impagável!

Enfim, com a ressalva de poucos erros de revisão/tradução, recomendo fortemente Anjo Mecânico para quem gosta de fatos históricos misturados com mistérios, sobrenatural, romance de bom gosto e mocinhas à frente de sua época!

Provavelmente Príncipe Mecânico só sairá aqui no começo do ano que vem, mas o verdadeiro drama é de quem já leu esse em inglês mesmo quando foi lançado (06/12/11) e vai ter que esperar até março de 2013 pra descobrir como tudo termina em Clockwork Princess.

I know!

xoxo e boa semana!

Cidade de Vidro – Cassandra Clare

  •   Autor: Cassandra Clare
  •   Editora: Galera Record
  •   Nº de Páginas: 476
  •   Edição: 1
  •   Ano: 2011
  •   Título Original: City os Glass
  •   Tradutor: Rita Sussekind
  •   Avaliação:9,0
Reservo-me o direito de pular a sinopse cheia de spoilers do próprio livro ¬¬
Confesso, estava doente para ler Cidade de Vidro desde que li Cidade das Cinzas (quando lançou). Na verdade sempre estive tendo coisas para ler esses livros, mesmo antes de  Cidade dos Ossos chegar aqui no Brasil. Sabe aqueles livros cuja fama o precede? Então! Mas quer saber a melhor parte? Ele supera expectativas.

Foi assim com Cidade dos Ossos, depois com Cidade das Cinzas, agora com Cidade de Vidro e eu me recuso a acreditar que poderá ser diferente com City of Fallen Angels! Well, para quem não conhece a série, vou dar uma introdução. Ela é contada por Clary, uma ruivinha de 16 anos mal-humorada e impetuosa, e se passa em NY. Clary está com o amigo Simon em uma boate para tentar se divertir um pouco e, tirando a claustrofobia e irritação, está tudo correndo bem. Até que ela vê um grupo de adolescentes armados perseguindo outro cara. Um grupo de adolescentes que ninguém mais vê! Lógico que ela vai atrás.  Por isso ela acaba testemunhando um assassinato a sangue frio, os três adolescentes (dois gatos, digo, garotos e uma menina) acabaram com o rapaz.

Depois disso a vida dela sofre uma reviravolta total. Os assassinos, Jace, Alec e Isabelle, não vão simplesmente sair de cena. Pelo contrário, há muitos outros iguais a eles (bem, não exatamente iguais ao Jace, mas, se houver um lugar assim tipo a Jacelândia, estou me mudando para lá agora!) e eles não são assassinos, são Caçadores de  Sombras, lutam contra demônios e fazem o controle de outros seres do Submundo. Já viu, né?

Inicio dos spoilers

Bem, em Cidade de Vidro Clary está indo à Alicante encontrar o feiticeiro que pode reverter o coma de sua mãe. Enquanto isso Jace está tentando esquecer a irmã, e está fazendo isso tirando a roupa de outra Caçadora de Sombras, Aline, uma menina muito antipática se vocês querem saber.  Com Aline aparece Sebastian, o primo dela e Caçador de Sombras em Paris. O charmoso rapaz logo despeja todas as suas atenções para Clary, mesmo tendo alguma resistência.

Simon, o vampiro que não teme o Sol, acabou indo junto para Idris, foi preso pela Clave, está sendo torturado e, se isso não bastasse como problema, a Cidade de Vidro, a cidade mais invulnerável do mundo, está prestes a cair. Valentin se provou mais esperto que todos eles.

Nesse volume temos a solução de alguns mistérios e na mesma medida, o surgimento de outros. Não adianta eu ficar falando o quanto ele é bom e fluído, Clary é uma das minhas mocinhas preferidas. Ela não fica dizendo ‘Oh, como sou rebelde’, ela para, considera e decide, independente do que os outros querem. Se não fosse assim provavelmente a série beiraria a chatice. Thank God it isn’t!

Tô quase lendo o 4º no PC mesmo, e quem me conhece sabe o que isso significa: amei esse livro, estou numa profunda DPL (depressão pós leitura) e preciso saber o que acontece em seguida, pelo bem do mundo e o futuro da humanidade!!

Passou, benhê?

Bem… cof, cof… livro recomendadíssimo!

P.S. sobre a arte da capa (pule se não estiver com paciência): Cidade dos Ossos tinha detalhes na capa e na lombada que me lembram aqueles selos holográficos de VHSs menores de 14 me ignorem brilhantes! Em Cidade das Cinzas o pessoal do marketing resolveu economizar e cortou os brilhinhos da lombada.

Agora Cidade de Vidro parece um discoglobe! EU AMEI!! Estou ficando vesga por não conseguir parar de girar ele de um lado pro outro!

xo