Rainha das Sombras – Sarah J. Maas

rainha-das-sombras

  •    Autor: Sarah J. Maas
  •    Editora: Record
  •    Nº de Páginas: 644
  •    Edição: 1
  •    Ano: 2016
  •    Título Original: Queen of Shadows
  •    Tradutor: Bruno Galiza

   Avaliação: 10

ESSE É O QUARTO LIVRO DA SÉRIE, ENTÃO VOCÊ QUE NÃO LEU TRONO DE VIDRO, COROA DA MEIA NOITE NEM HERDEIRA DO FOGO VAI ENTENDER QUANDO EU DISSER QUE NÃO ME RESPONSABILIZO PELA PROVÁVEL LOUCURA DECORRENTE DE SPOILERS POSSÚIDOS POR VALGS.

Todos que Celaena Sardothien amou lhe foram tirados. Mas finalmente chegou a hora da retribuição. A vingança promete ser tão dura quanto o aço da Espada de Orynth — a espada de seu pai. Finalmente Celaena retornou ao império; por justiça, para resgatar seu reino e confrontar as sombras do passado.
A assassina está morta. Ela abraçou a identidade de Aelin Galathynius, rainha de Terrasen. Mas antes de reclamar o trono, precisa lutar. E ela vai lutar. Por seu primo, a Puta de Adarlan, o general do Norte… um guerreiro preparado para morrer por sua soberana; por seu amigo Dorian, um príncipe preso em uma inimaginável prisão; por seu povo, escravizado por um rei cruel e à espera do retorno triunfante de sua líder; por seu carranam e a libertação da magia.
Ao avançar em seu plano, no entanto, Aelin precisa tomar cuidado com velhos inimigos. E abrir o coração para novos e improváveis aliados. Tudo isso enquanto os valg continuam trabalhando nas sombras. E Manon Bico Negro, a Líder Alada das Treze, treina suas bestas voadoras. Mas é de Morath, a fortaleza montanhosa do Duque de Perrington, que uma ameaça como nenhuma outra promete destroçar seu grupo de rebeldes e sua corte recém-formada.

————————————————————————————————————————————————

-Para onde nós vamos?

 -Eu ouvi dizer que o inferno é adorável nessa época do ano.”

Explicando a nota, eu realmente li duas vezes esse livro e atestei sua maravilhosidade. As duas leituras foram tão emocionantes que até hoje não sei lidar e, se isso não garante a nota máxima, não sei o que garantiria, meu bom povo.

Celaena finalmente incorporou sua real identidade de Aelin Galathynius (nome impronunciável) e aceitou que é a rainha de Terrasen, com poderes magníficos sobre o fogo e tudo mais! Só pra ter que voltar pra Adarlan e ser Celaena outra vez…

#facepalm

Mas os motivos são nobres, agora ela tem que resgatar Aedion, que fez o favor de ser capturado pelo rei, e tentar ajudar Dorian.  O-PRINCIPE-POSSUIDO.

Veja bem, Dorian é uma parte sensível desse livro pra mim. Confesso que nos últimos livros, só de ler Dorian Havilliard eu já ficava irritada, como uma amiga me disse “Dorian cheira a leite.” Um bebê no meio de um assunto pra gente grande e poderosa.

Até que ele mostrou que é poderoso…

Até que ele foi enjaulado dentro do próprio corpo, até que viu a mulher que amava ser decapitada e até que virou um expectador do monstro que controla seus movimentos.

Nunca fiz tanto pensamento positivo pra um personagem antes!

Toda irritação que sentia por Dorian foi transferida pra Chaol, e só isso que tenho a dizer. (É só isso que ele merece), apesar de ficar ligeiramente decepcionada com a mudança de seu papel.

A enxurrada de novos personagens e suas histórias e Aelin interagindo com eles mostrou muito sobre seu caráter. E falando em Aelin, ela nunca foi tão genial e maquinadora, a moça QUEIMOU o Mercado das Sombras e deu risada depois! E eu entendo que algumas pessoas ficaram chateadas com o rumo que a vida dela levou, no quesito coração, mas eu não poderia estar mais feliz! E olha que eu era totalmente contra antes!

Quando você acha que Sarah J. Maas já fez de tudo, que superou todas as barreiras, ela te surpreende outra vez… com Lysandra! Você, leitor incauto, você não viu essa vindo! Estou sem palavras a um ano, e sempre que penso em Lysandra tenho que dar um tapinha imaginário nas costas de Sarah J., por que ela foi ph*da nessa.

E a volta de montanha russa que são os acontecimentos??? EU FALEI PRA VOCÊS DE TUDO O QUE ACONTECE? Esse livro é grosso por um motivo: epicness transbordando dele! Cheguei num ponto que se alguém falasse alguma coisa pra mim durante a leitura eu gritaria com a pessoa!

Em suma, esse livro me fez rir, me deixou com o coração na mão, me deixou admirada e também me fez chorar. Chorar torrencialmente. Há uma cena junto a uma certa sepultura que foi a gota d’água pra mim, a tempos não me emocionava tanto com uma relação literária e deixei o choro rolar, sem esperanças de parar tão cedo.

O final toma proporções inimagináveis e ficou rodando como um filme na minha cabeça, um bom tempo depois de terminar de ler. Resumindo, essa fui eu quando fechei Rainha das Sombras:

“Suspira. Levanta. Dá voltas pelo quarto. Senta e chora! Como proceder???!!!”

Anúncios