A Court of Wings and Ruin (Corte de Asas e Ruína)- Sarah J. Maas  

ACOWAR_US

  •    Autor: Sarah J. Maas
  •    Editora: Bloomsbury
  •    Nº de Páginas: 704
  •    Edição: 1
  •    Ano: 2017
  •    Título Original: –
  •    Tradutor: –

   Avaliação: 9,5

Feyre retornou a Corte da Primavera determinada a recolher informações sobre as manobras de Tamlin e o rei invasor que ameaça colocar Prythian de joelhos.  Mas para isso ela precisa jogar um mortal jogo de mentiras -e um escorregão pode significar a ruína não só de Feyre, mas de seu mundo também.
Enquanto guerra paira sobre todos, Feyre deve decidir em quem confiar entre os deslumbrantes e letais Lordes – e caçar aliados em lugares inesperados.
Nesse emocionante terceiro livro da série de Sarah J. Maas, best-seller nº1 do New York Times e USA Today, o solo será pintado de vermelho enquanto poderosos exércitos lutam por algo que pode destruir a todos. (tradução cubalibre)

————————————————————————————————————————————————

Eu sabia, sabia já pelo título que esse livro seria minha ruína… e mesmo assim amei cada parte dele.

Do desenrolar dos personagens a todos os acontecimentos impactantes, esse pra mim é o melhor livro da saga até agora! Funcionou como um encantamento para a minha falta de vontade de ler (sim, socorro, nunca mais quero passar por isso!) e fiquei obcecada. Até aí nada fora do comum nas minhas leituras de Sarah J. Maas. Só que esse livro, meu bom povo, esse livro é insano! As coisas que eles fazem, os aliados que aparecem, os inimigos que aparecem!! Fiquei um dia inteiro bem incoerente depois de terminar de ler, simplesmente não conseguia formular nem uma frasezinha sequer para tentar explicar o que senti lendo ACOWAR.

tenor2

Talvez possa encaixar na crítica na forma como os personagens, nesse livro, ficaram muito parecidos com os personagens da série TdV. As situações são diferentes, mas a essência é a mesma. Ok, acho que posso parar por aqui até, e falando em personagens, adoro como os secundários tem suas próprias histórias acontecendo ao fundo. Vamos acompanhando o desenrolar de Mor, Azriel e Cassian mais pelas observações de Feyre do que por conversas e explicações.

Feyre… ah, Feyre. Quantos traseiros uma elfa poderosa, raivosa e determinada é capaz de chutar? A resposta: infinitos. Acho que não podia estar mais contente com a Feyre como fiquei nesse livro. Eu fico taaaaaaao frustrada quando uma personagem tem sua chance de se vingar, mas se segura por peninha ou porque não seria politicamente correto…

tenor1

A Feyre dá uma grande banana pra isso, e não perde a oportunidade de ser cruel. É revigorante, pra falar a verdade. Isso deve falar mais da minha personalidade do que da autora, mas ver gente ruim ser paga na mesma moeda foi bom. Também vale lembrar que é MUITO BOM ver uma garota que não se reprime mais pelos outros, uma garota que tomou as rédeas da própria vida e não vai pedir permissão para fazer o que achar certo. Uma High Lady, de fato.

O importante é que esse é um livro onde coisas realmente acontecem! Não fica aquela enrolação esperando o final pra aí algo grande aparecer. Não, o tempo inteiro temos situações que podem mudar o rumo da trama e, consequentemente, fiquei o tempo INTEIRO esperando dar uma m&r#@. Foi intenso.

flipping-out

Agora preciso dizer que fiquei chocada em descobrir pessoas criticando duramente a Sarah por sua abordagem de depressão e a chamando de supremacista ariana por não ter diversidade de personagens. Tem até grupos de ódio, ódio gente, no meio de uma comunidade de leitores!

Não sou especialista em absolutamente nada, nem digo que concordo com cada palavra escrita por ela sempre, mas posso dizer por mim que achei a representação de casos de abuso, depressão e outras situações bem delicadas muito importante. Acredito que toda garota que leu, e não necessariamente gostou de Feyrisand (Feyre + Ryshand), pelo menos olhou mais criticamente para seus próprios relacionamentos. Admito que durante a leitura, principalmente por Feyre estar de volta a Corte do Tamlin, me peguei várias vezes tentando lembrar porque não gostava mais dele. Como na vida real, por vezes é difícil enxergar o que há de errado, e somente depois que entendemos que certas atitudes não podem ser toleradas que entendemos também como um relacionamento pode estar nos prejudicando. De um jeito ou de outro refletimos, e como autora, acho que qualquer livro que consiga isso é digno. Já vi tantos livros com casais terrivelmente abusivos tratados como uma coisa linda, e quando alguém resolve levantar uma bandeira contra esse tipo de porcaria, é vaiada. Que mundo, que mundo.

Quanto às acusações de supremacia, o que posso dizer sem spoilers é que Maas sambou na cara da sociedade. Ponto.

Então, pra quem queria romance, temos. Pra quem queria guerra, temos. Pra quem queria momentos de tirar o folego, temos também. Essa série tem seis livros previstos, com ACOWAR fechando um ciclo. Não poderia querer final melhor, mas confesso que meu coração, depois de tantas emoções fortíssimas (gente, tem coisas que acontecem no final que me fizeram chorar e gritar com o livro), fica meio triste em dizer adeus. Quero mais, vou querer sempre mais de Prythian.

Anúncios

Uma Tocha na Escuridão – Sabaa Tahir

91Q+rspGo8L

  •    Autor: Sabaa Tahit
  •    Editora: Verus
  •    Nº de Páginas: 434
  •    Edição: 1
  •    Ano: 2017
  •    Título Original: A Torch Against the Night
  •    Tradutor: Jorge Ritter

   Avaliação: 8,5

Preciso mesmo dizer que qualquer novilho que se atreva a ler essa resenha antes de ler Uma Chama Entre as Cinzas será açoitado? Acho que não.

O segundo livro da história épica e eletrizante sobre liberdade, coragem e esperança. Ambientado em um mundo brutal inspirado na Roma Antiga, “Uma Chama Entre as Cinzas” contou a história de Laia, uma escrava lutando por sua família, e Elias, um soldado lutando pela liberdade. Agora, em “Uma Tocha Na Escuridão”, ambos estão em fuga, lutando pela vida. Após os eventos da quarta Eliminatória, os soldados marciais saem à caça de Laia e Elias enquanto eles escapam de Serra e partem numa arriscada jornada pelo coração do Império. Laia está determinada a invadir Kauf, a prisão mais segura e perigosa do Império, para salvar seu irmão, cujo conhecimento do aço sérrico é a chave para o futuro dos Eruditos. E Elias está determinado a ficar ao lado dela – mesmo que isso signifique abrir mão da própria liberdade. Mas forças sombrias, tanto humanas quanto sobrenaturais, estão trabalhando contra eles. Elias e Laia terão de lutar a cada passo do caminho se quiserem derrotar seus inimigos: o sanguinário imperador Marcus, a cruel comandante, o sádico diretor de Kauf e, o mais doloroso de todos, Helene – a ex-melhor amiga de Elias e nova Águia de Sangue do Império. A missão de Helene é terrível, porém clara: encontrar o traidor Elias Veturius e a escrava erudita que o ajudou a escapar… e acabar com os dois. Mas como matar alguém que você ama desesperadamente?

————————————————————————————————————————————————

Sabe aquele livro que deixa um vazio depois que acaba? Aquela história que fica te atormentando dias depois de ter sido virada a ultima página? Pois é, esse é o mundo pós-Uma Tocha na Escuridão. Adiei começar a leitura de A Court of Wings and Ruin só pra não arriscar perder alguma coisa na hora de escrever essa resenha.

Acho que a nota seria maior se o meio não tivesse sido tão parado, fiquei entediada e a leitura demorou a fluir. Mas há muita coisa digna de nota, ou melhor, muitos personagens:

O Imperador Marcus, por exemplo, está se metamorfoseando em Joffrey Baratheon não tão lentamente assim e Cersei, digo, a Comandante atingiu novos níveis de maldade. Sim, é possível.

i-choose-violence

Sei que devo ter pegado implicância com a Laia no primeiro livro, mas não consigo acabar com a sensação de que os outros personagens fazem mais por ela do que ela faz por eles. Pedir para todo mundo arriscar o pescoço não conta! Desculpa pessoal que ama ela, mas eu simplesmente revirava os olhos quando ela fazia alguma coisa legalzinha, enquanto todo o resto estava sendo extraordinário.

Por falar nisso, Elias é confrontado com uma verdade que muitas pessoas não conseguem enxergar. Ele não é responsável por todo mundo, e ele precisa libertar as pessoas a sua volta de seu cuidado. É, parece complexo né? Como cuidado pode ser algo ruim? Bem, por exemplo, quando você não deixa sequer a pessoa sentir a própria culpa e lidar com a própria tristeza. Você tira as escolhas dela ao tentar absorver tudo para si. Ninguém sai ganhando com isso…

Helene segue sendo a personagem mais interessante. Enquanto Elias e Laia tem objetivos bem definidos, não há como saber o que Hel fará. Quero dizer, a vida dela não está nenhum piquenique no parque, mesmo sendo a Águia de Sangue. De uma ponta temos Elias, seu melhor amigo, amor da sua vida, aquele com quem partilhou o melhor e pior de Blackcliff e esteve ao seu lado nas primeiras mortes. Do outro extremo da balança há o Império, aquela entidade que requer lealdade a todo custo para continuar a existir e também sua família, sua gens.

Eu sei qual escolheria. E vocês?

Aliás, sabe aquele quadrado amoroso que mencionei na primeira resenha? Ele mudou um pouco de configuração, pode até ter virado um pentágono [!!!], mas continuo sem saber quem vai ficar com quem e pior, quem EU QUERO que fique junto! Sério, até agora eu não consegui me decidir, a unica coisa que exijo é um final decente para a Helene e o Elias, que eles sejam felizes de um jeito ou de outro!

arwen-hope

Finalmente temos respostas para o que realmente está rolando nessa história toda, perguntas feitas em Uma Chama Entre as Cinzas respondidas somente agora. Valeu a pena a espera, gosto de tramas cruéis e cheias de maquinações, não me decepcionei.

Se você gostou um pouquinho, tolerou, adorou ou amou com todas as suas forças de aspirante a Máscara Uma Chama Entre as Cinzas, você PRECISA desse livro na sua vida! Terminei ele com aquela ponta de desespero que me assolou no primeiro livro, por saber que vai demorar pra ter o terceiro em mãos! #socorro #sofro

18catidb7dgr1gif

xoxo e bom fim de semana!

P.S.: Depois fui descobrir que há mapas dos domínios e até de Blackcliff na edição americana. Fiquei muito frustrada, pra dizer o mínimo, eu tinha imaginado tudo ao contrário… valeu Verus, por achar que mapas são opcionais.

61

Foto retirada da internet.

Almanova – Jodi Meadows

AlmaNova

  •    Autor: Jodi Meadows
  •    Editora: Valentina
  •    Nº de Páginas: 288
  •    Edição: 1
  •    Ano: 2013
  •    Título Original: Incarnate
  •    Tradutor: Ana Resende

   Avaliação: 7,5

Ana é nova. Por milhares de anos, no Range, milhares de almas vêm reencarnando, num ciclo infinito, para preservar memórias e experiências de vidas passadas. Entretanto, quando Ana nasceu, outra alma simplesmente desapareceu… e ninguém sabe por quê.
SEM-ALMA 
A própria mãe de Ana pensa que a filha é uma sem-alma, um aviso de que o pior está a caminho, por isso decidiu afastá-la da sociedade. Para fugir deste terrível isolamento e descobrir se ela mesma reencarnará, Ana viaja para a cidade de Heart, mas os cidadãos de lá temem sua presença. Então, quando dragões e sílfides resolvem atacar a cidade, a culpa deverá recair sobre Ana? 
HEART
Sam acredita que a alma nova de Ana é boa e valiosa. Ele, então, decide defendê-la, e um sentimento parece que vai explodir. Mas será que poderá amar alguém que viverá apenas uma vez? E será também que os inimigos – humanos ou nem tanto — de Ana os deixarão viver essa paixão em paz?
Ana precisa desvendar grandes segredos: O que provocou tal erro? Por que ela recebeu a alma de outra pessoa? Poderá essa busca abalar a paz em Heart e acabar por destruir a certeza da reencarnação para todos?

————————————————————————————————————————————————

Quero começar dizendo que achei essa história super original, não me lembro de ter lido nada parecido com essa premissa de almas em “looping”, ainda por cima, almas que levam as lembranças de uma vida a outra! Fiquei realmente intrigada com o que poderia causar isso e esse mistério me levou por toda a narrativa.

Ana com certeza é especial, um caso a ser estudado, como a única nova alma a encarnar em mais de 3 mil anos, só que ela não é muito popular. Ela saiu/foi expulsa de casa, logo que completou 18 anos, com um objetivo: descobrir por que era uma Almanova. Ou uma Semalma, como a mamãe megera carinhosamente a apelidou. Ela acaba na cidade das almas, Heart, um lugar muito antigo e com uma história com muitas versões, mas ainda assim incompleta. E mais, a cidade é viva.

As paredes brancas originais de suas construções, os muros de fortaleza que a cercam e uma grande torre central sem portas ou janelas, tudo isso literalmente pulsa com uma energia sinistra que parece incomodar só a Ana e ninguém mais. Vai me dizer que isso não é assustador? Essa parte já seria suficiente pra ganhar meu amor pela história, sem contar as criaturas mitológicas um pouco diferentes do que estamos acostumados…

… mas não pude lidar com os personagens.

post-10504-cant-deal-with-it-gif-imgur-vypg

Por mais que todo o mundo esquisito, sílfides de FOGO, dragões (sim, dragões!) e rocas (que vim a descobrir serem pássaros gigantes da mitologia persa) terem me fascinado, eu não consegui engolir Ana, a mocinha e Sam, o ancião.

Sam me lembrou um pouco Wanda, de The Host. Alguém que teve a oportunidade de experimentar a vida de várias formas diferentes e prestou atenção a isso, absorveu as mudanças. Super legal e talz.

Ana, por outro lado, é a vitima. Ok, eu sei que ela é nova e deve ser bem difícil ter 18 anos quando todo mundo tem três milênios, mas ela reclama DEMAIS! Como essa menina gosta de uma sofrência! E se lembram que eu falei que ela saiu de casa pra descobrir a verdade sobre si mesma? Pois é, ela meio que faz tudo, menos isso. Ana se pendura em outras almas gentis, amigas de Sam, e resolve aprender suas habilidades com eles. Mas, principalmente, ela desenvolve uma relação bizarra de aprendiz com seu compositor favorito (sim, ele mesmo, o Sam).

200

Diferente de muitos romances onde o cara tem centenas de anos, mas age como qualquer outro adolescente, a relação de Ana e Sam não demonstra isso. Ele fala como alguém que viveu muitas vidas (pelo menos como eu acho que alguém assim falaria), e ela demonstra a falta de experiência tanto em atos quanto em pensamentos.

Eu odiei esse par romântico. É esquisito. Pronto,  falei.

giphy1

Eu sei que ela tem 18, é maior de idade em muitos países, mas ele tem 3000 (três freaking mil!) e ‘adotou’ ela, por assim dizer, prometendo cuidar dela e ajudá-la a se tornar uma cidadã efetiva de Heart. É o professor com a aluna! Ninguém mais vê algo errado nisso?

Imagino que essa minha opinião não é muito popular, e a maioria das pessoas fica feliz por engolir qualquer par romântico que os autores queiram empurrar pra gente, inclusive eu super AMEI Crepúsculo quando eu li pela primeira vez ( *** anos atrás). Mas eu não comprei essa.

Gostaria de mais foco no verdadeiro mistério, mais enfase nos dragões (repito, dragões!) e menos estardalhaço em volta de um casal no mínimo anti-ético. Sei que cheguei atrasada nesse livro, mas se algum de vocês ainda não teve essa experiência, pense duas vezes.

xoxo

A Espada do Verão – Rick Riordan

91S4+tlnzjL

  •    Autor: Rick Riordan
  •    Editora: Intrínseca
  •    Nº de Páginas: 448
  •    Edição: 1
  •    Ano: 2015
  •    Título Original: The Sword of Summer
  •    Tradutor: Regiane Winarski

   Avaliação: 8,5

Em A Espada do Verão, primeiro livro da série, os leitores são apresentados a Magnus Chase, um herói boa-pinta que é a cara do astro de rock Kurt Cobain. Morador de rua, sua vida muda completamente quando ele é morto por um gigante do fogo. Por sorte, na mitologia nórdica os heróis mortos vão parar em Valhala, o paraíso pós-vida dos guerreiros vikings. Lá, Magnus descobre que é filho de Frey, o deus do verão, da fertilidade e da medicina.
Desde então, seis semanas se passaram, e nesse meio-tempo o garoto começou a se acostumar ao dia a dia no Hotel Valhala. Quer dizer, pelo menos o máximo que um ex-morador de rua e ex-mortal poderia se acostumar. Magnus não é tão popular quanto os filhos dos deuses da guerra, como Thor e Tyr, mas fez bons amigos e está treinando para o dia do Juízo Final com os soldados de Odin — tudo segue na mais completa paz sanguinolenta do mundo viking.
Mas Magnus deveria imaginar que não seria assim por muito tempo. O martelo de Thor ainda está desaparecido. E os inimigos do deus do trovão farão de tudo para aproveitar esse momento de fraqueza e invadir o mundo humano.

————————————————————————————————————————————————

Sabe aquela música, Hotel California? Ela te dá uma leve introdução a Valhala…

Ok, confesso que levei um tempo para me habituar a ideia de meu herói ser um morto. O Magnus também demorou a aceitar, pra falar a verdade, e o começo dessa história foi tão rápido e bizarro que estou surpresa por não me perder no caminho pro pós vida dele. Afinal é uma criação do Rick Riordan e, depois de 14 livros, eu já deveria ter me acostumado.

Porém eu não estava preparada para isso.

giphy

Tirando o fato do mocinho estar morto e não ter como desmorrer ele (você, caro leitor, pode reparar que fiquei perturbada com isso) eu já estava no clima do Acampamento Meio Sangue, imaginando um treinamento super legal e aquelas provas “inofensivas” pelas quais os adolescentes passavam.  Mas Magnus não faz mais parte desse plano espiritual e nem os colegas de corredor dele. Ou qualquer outro hóspede/residente/prisioneiro do Hotel Valhala (leia VAL-RRA-LA), tirando as Valquírias. O nosso personagem principal estava fadado a passar a ETERNIDADE jogando passatempos e recriando batalhas todos os dias… até a morte. Sim! Até a morte, pois aparentemente se você é esviscerado em Valhala no dia seguinte está novinho em folha e pronto para morrer de forma criativa mais uma vez!

Entendem meu estranhamento?

Até então meu conhecimento de mitologia nórdica provinha do livro Runas, da Joanne Harris, os filmes do Thor e horas e mais horas jogando Age of Mythology. (Ai cara, que saudade)

Runas

Só que o Riordan gosta de dar uma repaginada nos deuses e deixá-los um pouquinho mais… humanos. Como sempre seus deuses são vaidosos, frequentemente esquecem que deveriam cuidar dos humanos e se deixam levar pelo menor desentendimento. Thor, por exemplo é um deus preguiçoso, flatulento e viciado em séries de TV. E beeeeeeeeem diferente do Chris Hemsworth. 😦

E é claro que Loki é ambíguo, sem deixar você saber se simpatizar com ele será uma grande burrada ou não até lá pro fim do livro.

tenor

Mas você pode ter uma visão geral de como as coisas são em volta da Árvore da Vida (que, por acaso é guardada por um esquilo gigantes psicótico) e conhecer anões, elfos e todo tipo de criatura e lenda que a mitologia nórdica tem a oferecer.

Os capítulos desse livro foram nomeados da forma mais engraçada possível! E nem me deixe começar a falar sobre as aparições de Annabeth! Apesar de não haver spoilers propriamente ditos, Tio Rick deve ter uma pessoa encarregada disso, eu aconselho fortemente a leitura de Percy Jackson e os Olimpianos e também Os Heróis do Olimpo. Até As Provações de Apolo tem uma menção de leve a uma crise familiar que Annabeth está enfrentando longe de Nova York.

Tio Rick parece ter um prazer diabólico em misturar elementos de todas as suas séries umas nas outras, e consequentemente assistir seus fãs morrerem um pouquinho cada vez que faz isso. É inexplicável a sensação que sinto quando leio “Percy” nas Crônicas dos Kane, ou em Magnus Chase. Só posso esperar que você que já leu sinta o mesmo e saiba do que estou falando.

tumblr_m95gxjo4p81qb55w9o2_400

“E por que não 10,0 de uma vez, blogueira?”

Pergunta justa. Eu acho que Magnus poderia ser mais trabalhado. Me acostumei com as palhaçadas dele, mas isso é coisa de todos os personagens principais do Rick. Percy, Apolo, Carter & Sadie são mais distintos, com diferentes “camadas” de personalidade e acho que uma caprichada nesse sentido faria bem ao Magnus.

Também posso ter ficado um pouco entediada no caminho pro final, esperando batalhas épicas e de tirar o folego. Mas ok, é o começo de uma nova série e pensando em como as outras sequencias evoluíram, posso me preparar para toda a ação (e desmembramento e aniquilação de monstros) que eu quero.

Então sim, fiquei obcecada com Magnus quando acabei, e sim, agradeci aos deuses da literatura por já ter a continuação em mãos! Recomendo pra quem goste de coisas esquisitas, mitologia nórdica e obviamente Percy Jackson.

Alias, sinceramente, ainda não me decidi se quero ir pra Valhala quando morrer…

xoxo e bom finalzinho de semana!