Sangue Quente – Isaac Marion

  •    Autor: Isaac Marion
  •    Editora: Leya Brasil
  •    Nº de Páginas: 252
  •    Edição: 1
  •    Ano: 2011
  •    Título Original: Warm Bodies
  •    Tradutor: Cassius Medauar

   Avaliação: 8,0

R é um jovem vivendo uma crise existencial – ele é um zumbi. Perambula por uma América destruída pela guerra, colapso social e a fome voraz de seus companheiros mortos-vivos, mas ele busca mais do que sangue e cérebros. Ele consegue pronunciar apenas algumas sílabas, mas ele é profundo, cheio de pensamentos e saudade. Não tem recordações, nem identidade, nem pulso, mas ele tem sonhos. Após vivenciar as memórias de um adolescente enquanto devorava seu cérebro, R faz uma escolha inesperada, que começa com uma relação tensa, desajeitada e estranhamente doce com a namorada de sua vítima. Julie é uma explosão de cores na paisagem triste e cinzenta que envolve a “vida” de R e sua decisão de protegê-la irá transformar não só ele, mas também seus companheiros mortos-vivos, e talvez o mundo inteiro. Assustador, engraçado e surpreendentemente comovente, Sangue Quente fala sobre estar vivo, estando morto, e a tênue linha que os separa. 

————————————————————————————————————————————————————————————————–

VOCÊ ESTÁ PRESTES A LER A RESENHA DE UM LIVRO QUE NÃO TEM CONTINUAÇÃO, AQUI, SEGURE MINHAS MÃOS, OLHE NOS MEUS OLHOS, EU JURO QUE É VERDADE.

Então, eu enrolei um bocado pra escrever essa resenha e foi por um motivo um tanto quanto estranho, admito. Eu estava esperando gostar menos do livro. Tipo, literalmente! Eu estava deixando o tempo passar pra ver se a empolgação diminuía, se o namoro acabava, se os defeitos apareciam, ou coisa assim. Deu e não deu certo.

Enxerguei aspectos negativos tanto na estória quanto na narrativa, mas continuo amando Sangue Quente. C’est la vie!

Vamos começar com um ponto talvez espinhoso pra muita gente: amor… zumbi. Pois é, então o cara está lá, todo cinza e coagulado e, sabe, podre, mas de repente ele começa a ter esses sentimentos! Logo que comecei a ler pensei seriamente a respeito: “Ok, vamos deixar bem claro. O livro tem essa óbvia pegada ‘sarcasticômica’, o que, só pra constar, eu amo de paixão, então talvez eu não deva levar isso muito em conta, mas também li Dearly, Departed e totalmente shippei o Bram e a Nora e aquilo totalmente deu certo… what the hell? Dane-se! Vamos lá ver no que vai dar!”

Então eu fui.

Conheça R, meu mais novo amigo-filósofo-zumbi, não necessariamente nessa ordem. Ele gosta de passear em escadas rolantes, tem um fraco por zumbis louras e talvez conserve o hábito pouco saudável de afanar pertences alheios entre um canibalismo e outro, mas até que é um cara decente. Pelo menos ele guarda um pouco de cérebro para dividir com seu melhor amigo, M.

Conheça Julie. Ok, Julie não é flor que se cheire. Mas e daí? Seu mais novo pretendente provavelmente cheira a geladeira quebrada por três dias, então tudo bem, decidi dar uma chance pra ela também. Com um pouco de paciência para as reais crises de aborrescência (nada daquela porcaria de adolescentes bizarramente maduros que temos no mercado hoje em dia, estou falando de adolescentes de verdade, com espinhas e ideias bem estupidas na cabeça) acho que você também vai gostar dela.

Talvez eu esteja sendo um pouco injusta com Julie e até meio superficial, mas mais que isso resultaria num spoiler mal, muito mal.

A razão para R ter sentimentos por Julie, especificamente, é facilmente explicada pelo fato de ele ter comido o cérebro do namorado dela e com isso ter flashs do que se passava na cabeça dele. Porém R é um zumbi inconformado, a natureza dos filósofos, e acredito que foi esse seu primeiro passo para uma nova existência, não se conformar por sequer lembrar o próprio nome.

O ponto de vista é extremamente limitado. Fica difícil saber o que aconteceu e o que está acontecendo nesse mundo pós-apocalipse zumbi porque a estória é toda contada por R. Isso é meio frustrante, as coisas relacionadas à causa da praga, a outros lugares além do cenário principal e até o que pode vir depois, tudo fica suspenso, com explicações vagas ou às vezes nem isso. Acredito que o autor poderia ter se esforçado um pouquinho mais e encaixado explicações ali no meio, ele menciona tantas outras coisas acontecendo paralelamente e depois não dá nem mais uma dica a respeito!

“Cadáveres adiados que procriam” Não sei se Isaac Marion conhece Ricardo Reis (aka Fernando Pessoa), mas não posso pensar em melhor estória para ilustrar essa frase e não me refiro exatamente a R e sua turma!

De amor puro e concreto a idealismos e surrealismos, Sangue Quente não é um livro para ser levado a sério pelos motivos convencionais. É a mensagem que ele passa, embrulhada em bom humor e ironias -de fazer qualquer um pensar a respeito- que deve ser absorvida e refletida. Mesmo uma tão simples.

Vou dar 8,0 porque, agora que enxerguei as falhas, se eu não as levasse em consideração na hora da nota elas ficariam bravas e viriam me assombrar a noite. Mas, só para o caso de você, leitor, estar imaginando, Sangue Quente é um dos meus livros favoritos.

P.S.: Que venha a modinha dos zumbis charmosos e suas fãs alucicrazys, nem ligo. Mentira, ligo sim, droga.

P.S.2: Vou dar uma pedrada no monitor do próximo que vier me dizer que Sangue Quente é Crepúsculo de zumbi. É sério.

P.S.3: Vocês deviam checar o trailer do filme que será lançado em 2013. R não é exatamente como o descrito no livro, mas é difícil ficar brava com esse grau de boniteza do Nicholas Hoult.

[edit] Fuck this shit. O autor confirmou que está trabalhando numa sequência, ainda sem título definido para Sangue Quente. Não sei se choro ou solto fogos de artifício!

xoxo e boa semana!

Anúncios
Comments
8 Responses to “Sangue Quente – Isaac Marion”
  1. Olá, Dée!!
    É a primeira resenha que leio a respeito deste livro e confesso que nunca dei bola para histórias sobre zumbis. Dearly Departed tem uma capa linda e não imaginava que trata-se do mesmo tema. Espero poder ler algum dia e tentar relevar os detalhes sórdidos que citou! hahahahaha
    Não é possível que alguém se atreva a compará-lo com Crepúsculo! ¬¬’
    Espero gostar da experiência.
    Adorei a sua resenha!!
    Bjos.

  2. arthurnumeriano disse:

    Eu sempre achei que Warm Bodies era um livro sério. Ou que pelo menos que se levava a sério demais. E isso foi o que me afastou da leitura do livro. Mesmo com todo mundo falando que é um bom livro – ou um bom livro se se considerar os seus reais objetivos.

    Do trailer da adaptação, eu esperava bem menos. Gostei. Também não me deixou morto – ba dum tss – de ansiedade para ver o filme logo na primeira oportunidade, mas com certeza o verei. Algum dia. Quem sabe…

    O livro é pequeno, 250 páginas. Não tem continuação, não faz parte de série alguma (uau!). Vou ler. Caso eu não goste do livro, pelo menos não terá sido um desperdício grande.

  3. Jheyscilane disse:

    Estou tão atolada de livros para ler que não me animo muito com Sangue Quente, não que eu seja preconceituosa e tal rsrs mas eu confesso minha curiosidade para ler ele um dia 🙂
    Gosto de coisas estranhas \o/ ahahahaha e ainda por cima o livro é único (sem continuações – amém irmãos!!! Kkkkkk)

    Beijos

  4. Ainda naum dah, ainda n consigo engolir e querer ler esse livro. Quer dizer, eu quero ler pq falar mal de algo q n se conhece é sacanagem, mas n consigo ver como isso pode funcionar, ate pq eu vi o trailer e fiquei ‘isso é serio?” o Dearly parece ser beeeemmmm diferente.

  5. Gleice Couto disse:

    AMO, AMO, AMO esse livro. Acho genial. O R filósofo e as reflexões de vida foram o que mais me prendeu no livro. Concordo com vc sobre os pontos negativos que citou. Uma outra coisinha que me incomodou foi no final, eles só fugirem da situação, não encararam de frente. Mas assim como vc, favoritei o livro. ❤ A comparação com Crepúsculo é completamente descabida e fiquei com medo do ar 'comédia' que o livro ganhou no filme, pelo trailer que vi. D:

    Beijoooooooooooos

  6. Oi!
    Amei sua resenha! Mas ainda fico meio tensa com esse livro.
    Acho meio estranho um zumbi se apaixonar. rsrsrsrs…
    Vou ver o filme, isso eu já decidi. Achei o traller uma graça!
    Quanto ao livro ainda não me sinto tão a vontade. Bom, vou esperar para ler.
    Bjus…

  7. Ana disse:

    Amei sua resenha demais! Faz um tempo que não comento por aqui, mas vejo todos os posts viu! Tinha um pouco de receio de ler esse livro, mas você me convenceu! Vou acabar comprando XD

    Beijão

  8. Jackie disse:

    OMG Morri com os ps! UHSAUSHAUSHAUSHAUSHAUSHAUSHA
    O Hoult é uma boniteza mesmo! E essa resenha realmente muda opiniões, se vc gostou tanto assim eh pq a coisa não é boa… eh ótima!! =D

    Bjos

Mostre que está acordado:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • Plágio? Não aqui!

    MyFreeCopyright.com Registered & Protectedcopyright video
  • Agora você já pode ir dormir :)

%d blogueiros gostam disto: