A Rainha Branca – Philippa Gregory

  •     Autor: Philippa Gregory
  •    Editora: Record
  •    Nº de Páginas: 433
  •    Edição: 1
  •    Ano: 2012
  •    Título Original: The White Queen
  •    Tradutor: Ana Luiza Borges

   Avaliação: 9,0

Irmãos e primos lutam entre si para conquistar o trono da Inglaterra neste fascinante relato da Guerra das Duas Rosas, o conflito que opôs a Casa de Lancaster, cujo símbolo é uma rosa vermelha, à Casa de York, representada pela rosa branca. Em meio à guerra, a viúva Elizabeth Woodville desperta a atenção do jovem rei Eduardo IV, e os dois se casam em segredo.

Rainha em um país instável, Elizabeth se vê enredada nas intrigas da corte, ao mesmo tempo em que luta pelo êxito de sua família e precisa enfrentar inimigos poderosos, como os irmãos do rei.

A Rainha Branca é o primeiro volume da série A Guerra dos Primos, que relata a ascensão da dinastia Tudor ao poder.

————————————————————————————————————————————————————————————————–

É extremamente difícil ler um livro quando já se sabe o final, principalmente um final tão trágico quanto o desse episódio na história. Uma vez mais Philippa Gregory mostra a importância da maneira como as coisas são contadas, às vezes mais influentes do que os próprios fatos em si.

Digo isso porque não há como não torcer por essa Elizabeth Woodville, admirar toda a dose de coragem e astúcia que ela empregou para manter a si e aos seus com a cabeça à tona numa época em que absolutamente nada era garantido. Independente da verdade documentada ser ainda mais amarga do que a visão de Gregory, desafio qualquer um a não se compadecer dessa viúva que domou um rei e querer que seus inimigos, os milhares deles, queimem em praça pública.

“Bitch, Elizabeth Woodville is fabulous”

Não é segredo que sou completamente fascinada pelos períodos dos governos Plantageneta e Tudor na Inglaterra medieval, e que posso passar várias horas reunindo informações das diversas figuras que jogaram os jogos da corte e acenderam ou morreram por isso. Então quando um livro desse tipo aparece na minha reta, é meio que impossível não ler!

Ok, ok, Philippa Gregory romantiza E MUITO os fatos históricos, mas faz isso de acordo com a sua visão e através de muita pesquisa. Numa nota final ela explica onde tomou mais liberdades e onde ateve-se à história, mas a leitura livre é tão boa que te leva a maquinar e pensar junto com os personagens a ponto de criar sua própria teoria para o desfecho.

Nesse livro a acusação de bruxaria que a mãe da rainha sofreu foi levada ao nível do e se? E se essas mulheres de poder fossem mesmo pagãs disfarçadas? Sério gente, bruxaria em 1460! Como não amar??

Outro ponto interessante é saber que o rei de fato casou-se por amor com uma viúva plebeia e contrariou planos extremamente beneficentes para a seu trono tão novo e incerto ao coroá-la rainha. Eduardo fez de Elizabeth uma figura de adoração pública, inatingível a todos menos ele e fez sempre questão de assegurar que a sua louvada rainha era quem tinha seu coração. Se não por amor a ela, ao menos para dar a sensação de estabilidade ao reino. Porém não poderia ser deixado de fora, por exemplo, a quantidade absurda de amantes que ele teve ao longo dos anos. A autora converteu isso a uma noção de “Eu as desejo e as tenho, mas é para você que sempre volto, minha rainha.”

Sendo bem sincera, na época isso era bem mais do que uma mulher, principalmente na posição de Elizabeth, poderiam esperar. Era comum reis exibirem suas amantes e as deixarem ganhar influência até mesmo sobre a rainha. Vide Henrique III. Então Eduardo favorecer Elizabeth e jamais pavonear suas prostitutas na sua presença era considerado um ato de amor.

Dane-se, eu ainda queria poder estrangular o @#%!@#!

Tá, ok, talvez eu não o estrangularia, tenho que admitir que os dois juntos foram capazes de me fazer chorar de emoção mais de uma vez, bem mais de uma vez.

De qualquer forma, esse não é um livro de romance. Nossa heroína aguenta tudo com dignidade. Não será um bando de amantes menores que tirarão seu foco do que realmente importa, manter sua família toda a salvo dos trocentos inimigos que teimam em voltar e voltar para tirar a coroa de seu marido, de preferência com a sua cabeça junto.

Romance histórico com paixões tórridas, promessas, traições, surpresas e MUITA intriga, acima de tudo A Rainha Branca ensina que, quando se deseja algo de todo coração, o desejo se torna realidade. E o resultado é catastrófico.

xoxo e boa semana!

P.S.: As capas originais são bem mais bonitas, só dizendo…

Paperbacks ❤

Anúncios
Comments
4 Responses to “A Rainha Branca – Philippa Gregory”
  1. Olá, Dée!!
    Adorei a sua resenha e realmente as capas originais são de longe as melhores!! Apesar de se tratar de personagens que já fazem parte da História mundial, é impossível não se envolver na trama e consequentemente nos elementos fictícios inseridos no romance. Espero ter a oportunidade de ler alguma dia, ainda mais por se tratar da DIVA do Romance Histórico!! Queria que os livros do gênero custassem mais barato, é difícil ver algum desconto nas livrarias online infelizmente. =/
    Bjos.

    Mariana Ribeiro
    Confissões Literárias.

  2. danendy disse:

    Adoro histórias sobre a monarquia (principalmente a inglesa) e os livros da Phillipa são meus sonhos de consumo. Gosto bastante desse período histórico em que se passa a narrativa, lembro de ter estudado na sétima série e ter ficado intrigada com quanto tempo um conflito pode durar.
    E embora você tenha afirmado o quão trágica a narrativa é, o preço dos livros consegue ser pior. Espero que a edição seja de qualidade, mas nem sei quando vou adquirir um.
    P.S. Esses três livros deram origem a série de TV The Tudors, certo?

  3. Td vez q vejo suas resenhas da Philipa lembro do Bernard Cornwell com As cronicas SAxonicas. Da p estudar historia inglesa assim? Eu me formaria numa boa.
    Materia: Unificação inglesa, livro texto: As cronicas saxonicas
    Materia: Inglaterra Medieval: livro texto:Philippa Gregory
    e por ai vai… Seria bom uma facul assim hein? Vamos mandar a proposta para o MEC? rsrsrs

  4. Oi De!
    Eu estava louca para começar a ler a série dos Tudors, mas como essa é de um momento histórico anterior, vou começar por ela…
    Gosto das coisas na ordem dos acontecimentos… hahaha
    Beijocas

Mostre que está acordado:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • Plágio? Não aqui!

    MyFreeCopyright.com Registered & Protectedcopyright video
  • Agora você já pode ir dormir :)

%d blogueiros gostam disto: