Puros – Julianna Baggott

  •     Autor: Julianna Baggott
  •    Editora: Intrínseca
  •    Nº de Páginas: 368
  •    Edição: 1
  •    Ano: 2012
  •    Título Original: Pure
  •    Tradutor: Flávia Souto Maior

   Avaliação: 6,5

 

Pressia pouco se lembra das Explosões ou de sua vida no Antes. Deitada no armário de dormir, nos fundos de uma antiga barbearia em ruínas onde se esconde com o avô, ela pensa em tudo o que foi perdido — como um mundo com parques incríveis, cinemas, festas de aniversário, pais e mães foi reduzido a somente cinzas e poeira, cicatrizes, queimaduras, corpos mutilados e fundidos. Agora, em uma época em que todos os jovens são obrigados a se entregar às milícias para, com sorte, serem treinados ou, se tiverem azar, abatidos, Pressia não pode mais fingir que ainda é uma criança. Sua única saída é fugir.

Houve, porém, quem escapasse ileso do Apocalipse.

Esses são os Puros, mantidos a salvo das cinzas pelo Domo, que protege seus corpos saudáveis e superiores. Partridge é um desses privilegiados, mas não se sente assim. Filho de um dos homens mais influentes do Domo, ele, assim como Pressia, pensa nas perdas. Talvez porque sua própria família se desfez: o pai é emocionalmente distante, o irmão cometeu o suicídio e a mãe não conseguiu chegar ao abrigo do Domo. Ou talvez seja a claustrofobia, a sensação de que o Domo se transformou em uma prisão de regras extremamente rígidas. Quando uma frase dita sem querer dá a entender que sua mãe pode estar viva, ele arrisca tudo e sai à sua procura.

Dois universos opostos se chocam quando Pressia e Partridge se encontram. Porém, eles logo percebem que para alcançarem o que desejam — e continuar vivos — precisarão unir suas forças.

————————————————————————————————————————————————————————————————–
 (A Maniaca dos Distópicos ataca novamente)

Ok, então Puros é chocante como deveria ser.

Instigante como era de se esperar.

E tem uma ideia bem interessante para ajudar.

Mas ele ainda não chega lá.

Acho que o que torna esse um livro perturbador é a relativa proximidade com a nossa realidade. Relativa por se tratar de uma sociedade tecnologicamente evoluída o suficiente para projetar esferas autossustentáveis e seguras até mesmo de ataques de bombas capazes de aniquilar e reprogramar moléculas simultaneamente. Mas, ainda assim, próxima de nós por tratar do ‘antes’.

A maioria dos livros distópicos que conheço se baseia num evento ‘divisor de águas’, mais especificamente, no que aconteceu depois. Muitas vezes a humanidade pré-evento é citada de forma maldosa ou nem sequer aparece, mas em Puros o ‘antes’ tem papel crucial para entendermos o que está acontecendo com as pessoas dentro e fora do Domo. Afinal, a estória se passa apenas nove anos depois das Explosões.

O livro é claramente dividido em três partes, apesar de eu acreditar que isso não seja intencional. Cada uma dessas partes vem carregada de conveniência, o que, pra ser bem sincera, matou o brilho da estória para mim.

SHAME

A primeira reforça a visão da miséria, caos e bizarrice do mundo Depois das Explosões. Somos imersos nas dificuldades que os miseráveis, povo fora do Domo, enfrentam, aquilo tudo que a gente já sabe, falta de recursos, doenças, anarquia, violência… mas coisas básicas, detalhes mesmo, são deixadas de lado, sem resposta! Não se sabe de onde aquele povo tira água, porque até a neve, quando cai, é escura. Não se sabe como aquele povo sobreviveu nove anos, porque o ar é pura fuligem e cinzas.

No segundo terço, a autora se esforça DEMAIS para mostrar o máximo possível de anomalias, mutilações, fusões horríveis e o escambau. É como se a Julianna tivesse ficado tão preocupada em chocar o leitor com o que viria a ser a humanidade, que se esqueceu tomar conta da sua estória. O resultado foi uma coisa forçada e cheia de pequenos buracos… Por exemplo: as pessoas durante as Explosões se fundiram com tudo: pedaços de vidro, plástico derretido, metais variados, cachorros, pássaros, amigos, irmãos, filhos… até com o chão! Mas não com as próprias roupas, e, se algumas acabaram se fundindo com o chão, por que todo mundo não ficou grudado onde estava?

“Mas blogueira, numa ficção o autor não pode criar o que quiser? Pra quê implicar com isso??” Você me pergunta.

“Elementar, meu caro leitor. O autor pode escrever o que bem entender no livro dele, de trás pra frente, pulando sílabas tônicas e tudo, mas não quer dizer que eu tenha que engolir.” Eu delicadamente respondo.

Não acho justo com o leitor o autor fazer só meia viagem. Toda ação tem uma reação, é fato, e escolher não enxergar os buracos sem sentido, as reações óbvias, me cheira a preguiça… é esse o tipo de conveniência que tira meu respeito pela estória.

Quase cheguei a isso! Quase!

Enfim, a última parte é onde as coisas importantes de verdade acontecem e essa é a melhor parte do livro, ele finalmente amadurece e mostra a que veio!  Pressia, Partridge, Bradwell, El Capitán, Lyda… são eles que deixam a narrativa de pé, correndo, e são realmente bem escritos. Mesmo em 3ª pessoa conseguimos perceber o quão complexos eles são para si mesmos, o quanto a situação em que se meteram muda completamente suas visões do mundo.

El Capitán é o meu preferido, por fora ele é todo:

e

Mas lá dentro ele é todo:

“Me ame, sim?”

Ele pode não ter tido tanto destaque quanto Pressia ou Patridge, mas ainda prevejo um bom caminho para ele no próximo volume.

Então, apesar de suas falhas, Puros é um livro intenso. A sensação que tenho agora que acabei de lê-lo é de que os outros YAs distópicos ficaram esmaecidos, em tons pastéis, perto dele. Puros não romantiza a bela barbárie, deixa que ela tome conta de si mesma, se limitando a acompanhar seus passos sangrentos. Nada ali é bonitinho por conta própria, precisa-se aprender a encontrar a beleza nos próprios olhos antes ou simplesmente viver sem.

Não espere um livro que vá baixar a guarda para você, nesse novo mundo esse tipo de coisa não existe.

xoxo e bom meio de semana!

P.S.:A editora Intrínseca aceitou minhas reclamações sobre os vários erros de revisão e tradução que encontrei e disse que irá estudá-los. Tomara que a 2ª edição venha zeradinha!

Anúncios

A Corrida de Escorpião – Maggie Stiefvater

  •     Autor: Maggie Stiefvater
  •    Editora: Verus
  •    Nº de Páginas: 378
  •    Edição: 1
  •    Ano: 2012
  •    Título Original: The Scorpio Races
  •    Tradutor: Fal Azevedo

   Avaliação: 9,5

A cada novembro, os cavalos d’água emergem do oceano e galopam na areia sob os penhascos de Thisby. E, a cada novembro, os homens capturam esses cavalos para uma corrida eletrizante e mortal. Alguns cavaleiros sobrevivem. Outros, não. Aos 19 anos, Sean Kendrick já foi quatro vezes campeão. Ele é um jovem de poucas palavras e, se tem medos, guarda-os bem escondidos, onde ninguém possa vê-los. Puck Connolly é uma novata nas Corridas de Escorpião. Ela nunca quis participar da competição, mas o destino não lhe deu muita escolha. Sean e Puck vão competir neste ano, e ambos têm mais a ganhar – ou a perder – do que jamais pensaram. Mas apenas um deles pode vencer.

————————————————————————————————————————————————————————————————–

Prevejo DPL profunda, prevejo incapacidade de formular pensamentos coerentes sem cavalos assassinos, prevejo uma saudade infernal do clima infernal de Thisby. Prevejo que vou levar um tempo até achar outro livro que me encante tanto quanto esse.

Obviamente, o número de coisas que já li é uma parcela obscenamente minúscula perto da quantidade de livros existentes, mas tenho consciência de que, para uma pessoa de 20 anos, já li pra caramba! Com essa bagagem literária nas costas não pude deixar de reparar que o plot, o enredo, de A Corrida de Escorpião era tão original quanto todos aqueles jornais gritavam/afirmavam na aba/orelha.

Original de um jeito meio paradoxal. Calma, eu não faço uso de entorpecentes de qualquer tipo, só tenho um ponto meio difícil de ser colocado e compreendido. Ou talvez ele não seja difícil de ser compreendido e eu só ache isso porque levei um tempo até achar o que estava procurando.

A Corrida de Escorpião é um livro original construído por clichês.

Não, não, não! Clichê é uma palavra forte e provavelmente você leu isso com um tom pejorativo, como se eu, a doida do blog, afirmasse que falta criatividade pra dona Maggie. Dificilmente vamos encontrar algo mais longe da verdade para dizer sobre a autora e seu livro do que isso e não me surpreenderia se ela se ofendesse profundamente e iscasse cavalos d’água em todo mundo.

Anyway! Conforme avançava na leitura de A Corrida de Escorpião, devidamente me impressionei com o que estava ali para me impressionar e me acostumei com as verdades universais de Thisby. Porém alguma outra coisa se esgueirava na minha cabeça, dando a aquela leitura um tom de familiaridade.

A princípio achei que fosse o modo como os costumes estranhos e a realidade daquela pequena sociedade me eram apresentados. Vejamos, a Maggie não para e explica a situação, ela apenas dá a entender e confia na inteligência do leitor. Pegamos o bonde andando e sério, é muito mais legal assim! Não obrigar o bonde a parar pra você subir e ainda sentar na janelinha, porque é isso que nós leitores fazemos, e simplesmente embarcar enquanto ele passa não pausa nada, a vida continua e você tem a opção de saltar e deixar tudo para trás ou se mesclar naquela continuidade. Fazer parte dela.

“Oh, I see”

Funciona, mas essa ainda não era a familiaridade que estava me encucando.

Só me toquei mesmo quando estava dando os parabéns pra Puck, a mocinha, por ela ser uma pessoa tão forte e capaz de arriscar tudo para ajudar a família e tão valente apesar dos preconceitos todos e… e… epa. Já vi isso antes, certo? A mocinha que toma conta do próprio nariz apesar de às vezes ser teimosa demais. Daí percebi que o Sean também tinha culpa, sabe o mocinho durão, calado, super introspectivo que, por baixo do rosto inescrutável, guarda um carinha muito doce e gente fina? Uma prova que libertará o vencedor não só de algum problema material como lhe trará paz interior? A sociedade hipócrita que não suporta mudar suas preciosas tradições estava lá também, assim como o vilão que tem todos em suas terríveis mãos por dívidas, promessas e dinheiro. Até os cavalos d’água podem ser considerados lugar-comum se você vive na Escócia/Irlanda/País de Gales, mas enfim, Maggie deu sua própria roupagem para essa lenda céltica com gosto de água do mar e o crédito disso é todo dela.

Apesar do que pode parecer agora que eu disse isso, é um livro autêntico.

… em outras palavras.

Umas das coisas interessantes a respeito dele é que é produto de várias tentativas e erros. Maggie admite que a lenda em que se baseou é confusa, complicada e, como toda lenda que se preze, tem muitas variações. Por isso demorou a achar o tom certo e encontrar a confiança para deixar a imaginação fluir.

Deus é mais! Ela achou a tal confiança e criou um mundo de encanto dentro desse, cético, onde todos reconhecem que os cavalos d’água de Thisby são fenômenos de pura magia e plenamente aceitáveis. Parece confuso num primeiro momento, quando você não consegue saber se aquilo tudo se passa na Terra ou algum outro lugar qualquer, mas vale a pena.

Se você é fã dos Lobos de Mercy Falls vai concordar quando digo que a autora tem um meio de não apenas narrar os acontecimentos, ela expõem a estória e também as nuances de seus personagens de forma certeira. Como já comentei na resenha de Travessia, as palavras de livros assim não estão simplesmente ali sendo usadas pra escorar a estória, elas foram colocadas e ordenadas de forma a tirar o melhor daquilo. O resultado sempre é um livro que é mais que os outros.

A Corrida de Escorpião tornou-se um dos meus livros favoritos e recomendo para… bem, para todo mundo!

xoxo e bom final de semana!

P.S.: Gosto dessa música para a Puck e Dove, seu pônei, er, cavalo!

Cinquenta Tons de Cinza – E. L. James

  •     Autor: E. L. James
  •    Editora: Intrínseca
  •    Nº de Páginas: 480
  •    Edição: 1
  •    Ano: 2012
  •    Título Original: Fifty Shades of Grey
  •    Tradutor: Adalgisa Campos da Silva

   Avaliação: 6,0 + 1,0

Atenção: Se você é verde como o verão (menor de idade) clique aqui e não volte até o próximo post, por favor! O conteúdo é inadequado, seus pais vão ficar bravos comigo e eu vou ser obrigada a pedir aos Outros que te levem pra lá da Muralha. Ninguém quer isso.

Quando Anastasia Steele entrevista o jovem empresário Christian Grey, descobre nele um homem atraente, brilhante e profundamente dominador. Ingênua e inocente, Ana se surpreende ao perceber que, a despeito da enigmática reserva de Grey, está desesperadamente atraída por ele. Incapaz de resistir à beleza discreta, à timidez e ao espírito independente de Ana, Grey admite que também a deseja – mas em seu próprios termos…

————————————————————————————————————————————————————————————————–

“Seus lábios se contraem num sorrisinho.

-Ah, Anastasia Steele, o que eu vou fazer com você?” pág.74

Sabem, eu me perguntei a mesma coisa várias vezes, mas posso garantir que a resposta passa longe do que o Mr. Grey tinha em mente quando dizia isso. Ou não.

Eu tive um professor de Filosofia que gostava de dar pontos extras em suas provas por coisas que não estavam na grade de exigências, porém se sobressaiam no exame. Por exemplo, qualidade textual, boa construção de ponto de vista, originalidade de linha de pensamento, etc. Vou deixar de lado o fato de que, sem esses pontos extras aparentemente aleatórios sóquenão, provavelmente ninguém conseguiria passar na matéria do cara. O livro de E. L. James não tem nada do que meu professor acharia digno de pontuação extra, mas eu ainda penso que dá pra encaixar alguma coisa ali.

Primeiro, quero deixar bem claro meu ponto de vista, e lembrar que blogs são as expressões pessoais de seus autores. Cinquenta Tons de Cinza é um livro extremamente mal escrito. Não digo pela estória, já vamos chegar lá, me refiro literalmente à narrativa da autora. A visão em 1ª pessoa mata o ritmo da leitura muitas vezes e o Império da Pontuação amplia seus domínios como se não houvesse amanhã. Sinceramente, se vivêssemos num mundo utópico, onde todos conhecessem e reconhecessem sua sexualidade de forma aberta e saudável, Cinquenta Tons de Cinza dificilmente sairia da condição de fanfic para se tornar esse sucesso todo.

Mas, obviamente, não vivemos nesse mundo utópico. E é aí que entra o ponto extra para o livro de E. L. James.

O movimento Fifty Shades, a comoção do livro erótico, serviu para uma coisa boa e em larga escala! Sério, só quero dedicar um minuto a mais de pensamento na questão do puritanismo hipócrita da maioria das sociedades e principalmente no Brasil. Aqui nós temos peitos e bundas na TV o dia inteiro, mas não podemos ser vistos saindo de um Sex Shop, muito menos falar de sexo em público sem receber olhares de reprovação e criar aquele climão de constrangimento.

Gente cheia-das-moral assistindo o boneco Marcelinho pela 1ª vez.

Pretties, não estou dizendo pra liberar geral, botar o ninguém-é-de-ninguém, ou coisa assim. Até porque há uma estrada enorme entre sexualidade saudável e promiscuidade e eu não sou nenhuma sexóloga pra me aprofundar no assunto. Porém toda essa ojeriza ao ‘vamos falar de sexo’ tem que acabar e, por acaso, Cinquenta Tons de Cinza ajuda muito virando moda.

Ou ninguém viu a quantidade de gente lendo esse livro em praça pública? A mulherada (a grande massa historicamente oprimida, ou GMHO) se rasgando toda pelo Mr (e que Mr!) Grey? As mídias orgulhosamente se desdobrando pelo livro? Ninguém? Só eu?!

Enfim, vou parar por aqui e retomar a resenha. É, aquela coisa que eu me comprometi a fazer!

O primeiro quarto do livro lembra assustadoramente Crepúsculo. Eu sei,  EU SEI que a origem de tudo foi a estória da Meyer, só estou comentando! Ok, não estou só comentando. Esse primeiro quarto do livro é irreal demais, forçado demais, Anastasia Steele demais!

Faz cinco anos desde que li Crepúsculo, na época ainda não lançado aqui, e sinceramente não me lembro de ter me irritado nem um milésimo com a Bella o tanto que me irritei com Ana. Lógico que minha cabeça era outra, muita água passa debaixo da ponte em cinco anos, mas recordo claramente que a Bella era, de fato, minha personagem preferida da saga.

Já a Ana eu tacaria de bom grado da ponte citada acima.

Na primeira parte do livro a moça não passa de uma personagem de personalidade fraca, praticamente inexistente, perfeitamente dentro do papel de A Submissa. Porque Christian Grey não gosta de só mandar entre quatros paredes, ele faz disso um esporte. E a Ana vai na dele! Meu estomago doía toda vez que ele ordenava coisas do tipo ‘coma toda a sua comida’ ‘venha comigo, agora’ e etc. Exatamente por isso eu tinha patéticos pontos luminosos de orgulho nas raras vezes em que ela o questionava. Patéticos mesmo.

Vou guardar numa gaveta a progressão pessoal de Ana porque, de alguma forma, isso tem total importância no decorrer da estória e seria um spoiler mau, muito mau.

Enfim, toda a qualidade que E. L. economizou durante o começo do livro, ela despejou nas cenas pra lá de quentes entre o casal protagonista e o próprio Grey. Sexo explícito e bem detalhado, em contextos que praticamente faziam as páginas suarem, deram o tom (tá, os tons). E o Chistian, ui Christian!, tem uma característica muito atraente. Ele não é original, tirando suas taras masoquistas, e até um pouco previsível. Sabe o mocinho problemático que tem mais camadas que uma lasanha (ahá, aqui estão os tons!) e completamente irritante de um jeito fofo? Pois bem, ele é delicioso quando bem feito e sempre será.

A autora claramente começa a estória com uma ideia na cabeça e no meio da viagem decide pegar outro caminho, um melhor, ainda bem! Pude dar boas risadas com a imagem da deusa interior e do inconsciente da Ana, verdadeiras entidades que moram na cabeça daquela criatura e que deixam claro para o leitor quem é Anastasia Steele por baixo de toda a lerdeza e inexperiência cômica.

Já li tanto coisa pior quanto melhor, o livro alcança o objetivo de entreter. Ponto. Recomendo para quem está curioso (eu sei que você está!) e quer ficar por dentro dos assuntos dos amigos.

Status final: Se um livro de romance e um filme pornô tivessem um filho, Cinquenta Tons seria o gêmeo malvado que se só aparece no meio da novela.

Boa semana!

xoxo

P.S.: Pra ninguém dizer que não entrei no clima!

#fail

Promoção Tire Férias das Férias!

Que tal ganhar…

  • Tudo o Que Ela Sempre Quis – Barbara Freety
  • Dizem Por Aí… – Jill Mansell
  • Branca de Neve e o Caçador – Evan Daugherty, John Lee Hancock, John Lee Hancock, Hossein Amini
  • Estou Com Sorte – Douglas Edwards

… e seus respectivos kits para, sabe, dar aquela relaxada depois de um mês inteiro de exaustivas… férias?!

Muito fácil! Corre lá na fanpage do blog no Facebook e participe! A promoção vai até dia 25 de Setembro.

 

xoxo

IYRDIW na Bienal de São Paulo, 2012

Morri, fui pro céu e ele parece muito com o pavilhão Anhembi lotado!

Sábado, dia 11 de Agosto, fui conferir de perto a Bienal de São Paulo. Adivinhem quem foi comigo?? Ela mesma, minha tia! Acontece que eu não sou a única empolgadona com o evento aqui em casa, então, lá estava ela, firme e forte acordando 5:30 da manhã, pronta pra pegarmos o ônibus pra São Paulo!

Desnecessário dizer que ela me deu um MONTE de livros bacanas, né?

“Ela merece uma estátua no centro da cidade, sim ou claro?”

Bem, como não podia deixar de compartilhar com vocês o que encontrei por lá, achei melhor gravar um vídeo de uma vez:

Tomara que tenham gostado e que a gente se encontre no dia 18!

xoxo

Insonia is Coming 6#

Insonia Is Coming é uma coluna fixa do blog IYRDIW onde falo dos principais lançamentos. 

Eu sei que isso é da época da Comic Con e que não é mais novidade para ninguém, mas eu não poderia deixar de colocar o vídeo aqui, poderia? Logo eu?!

Só em Outubro, infelizmente, mas já estou animada!

É uma metáfora a respeito da Premiere da 3ª temporada, é… é… bem. É uma metáfora.

Vou poupar todos de acessos fangirl por um seriado de zumbis e partir para o interesse geral: algumas novidades literárias!

Gerry e Holly eram namorados de infância e ficariam juntos para sempre, até que o inimaginável acontece e Gerry morre, deixando-a devastada. Conforme seu aniversário de 30 anos se aproxima, Holly descobre um pacote de cartas nas quais Gerry, gentilmente, a guia em sua nova vida sem ele. Com ajuda de seus amigos e de sua família barulhenta e carinhosa, Holly consegue rir, chorar, cantar, dançar e ser mais corajosa que nunca!

Eu sou uma pessoa que chora só com essa sinopse, então imaginem com o livro?! Nunca assisti o filme e pretendo aproveitar a leitura antes de vê-lo. (Lançamento na Bienal de São Paulo)

‘Inverno do mundo’ retoma a história do ponto exato em que termina o primeiro livro. As cinco famílias – americana, alemã, russa, inglesa e galesa – que tiveram seus destinos entrelaçados no alvorecer do século XX embarcam agora no turbilhão social, político e econômico que começa com a ascensão do Terceiro Reich. A nova geração terá de enfrentar o drama da Guerra Civil Espanhola e da Segunda Guerra Mundial, culminando com a explosão das bombas atômicas. A vida de Carla von Ulrich, filha de pai alemão e mãe inglesa, sofre uma reviravolta com a subida dos nazistas ao poder, o que a leva a cometer um ato de extrema coragem. Woody e Chuck Dewar, dois irmãos americanos cada qual com seu segredo, seguem caminhos distintos que levam a eventos decisivos – um em Washington, o outro nas selvas sangrentas do Pacífico. Em meio ao horror da Guerra Civil Espanhola, o universitário inglês Lloyd Williams descobre que tanto o comunismo quanto o fascismo têm de ser combatidos com o mesmo fervor. A jovem e ambiciosa americana Daisy Peshkov só se preocupa com status e popularidade até a guerra transformar sua vida mais de uma vez. Enquanto isso, na URSS, seu primo Volodya consegue um cargo na inteligência do Exército Vermelho que irá afetar não apenas o conflito em curso, como também o que está por vir.

Sei que todo mundo já falou do quanto o Ken Follett escreve bem, de como os livros dele são profundos e clássicos e bem feitos e profundos, sei que falam que o cara é um puta de um autor e etc. Então vou dizer outra coisa, extremamente importante e perspicaz: os livros dele ficam lindos na estante! Fim. (Lançamento em 25/09/12)

Desde que lhe implorou para deixá-la em paz no ano anterior, Laurel não teve mais contato com Tamani. Embora seu coração ainda esteja ferido, a protagonista tem certeza de que David foi a escolha certa. Porém, quando a vida começa a voltar ao normal, ela descobre que há um novo inimigo à espreita. Uma vez mais, Laurel deverá contar com Tamani para protegê-la e guiá-la, pois o perigo que agora ameaça Avalon é algo que o mundo das fadas jamais imaginou que fosse possível. Pela primeira vez, o leitor verá a história não só pelos olhos de Laurel, como também, do elfo Tamani.

Já tive a oportunidade de ler e resenhar Asas e Encantos e sinceramente, quero muito ler Ilusões! Mais sinceramente ainda? Queria que escolhessem outra capa… (Lançamento em 28/08/12)

Pressia pouco se lembra das Explosões ou de sua vida no Antes. Deitada no armário de dormir, nos fundos de uma antiga barbearia em ruínas onde se esconde com o avô, ela pensa em tudo o que foi perdido — como um mundo com parques incríveis, cinemas, festas de aniversário, pais e mães foi reduzido a somente cinzas e poeira, cicatrizes, queimaduras, corpos mutilados e fundidos. Agora, em uma época em que todos os jovens são obrigados a se entregar às milícias para, com sorte, serem treinados ou, se tiverem azar, abatidos, Pressia não pode mais fingir que ainda é uma criança. Sua única saída é fugir.   Houve, porém, quem escapasse ileso do Apocalipse.  Esses são os Puros, mantidos a salvo das cinzas pelo Domo, que protege seus corpos saudáveis e superiores. Partridge é um desses privilegiados, mas não se sente assim. Filho de um dos homens mais influentes do Domo, ele, assim como Pressia, pensa nas perdas. Talvez porque sua própria família se desfez: o pai é emocionalmente distante, o irmão cometeu o suicídio e a mãe não conseguiu chegar ao abrigo do Domo. Ou talvez seja a claustrofobia, a sensação de que o Domo se transformou em uma prisão de regras extremamente rígidas. Quando uma frase dita sem querer dá a entender que sua mãe pode estar viva, ele arrisca tudo e sai à sua procura. Dois universos opostos se chocam quando Pressia e Partridge se encontram. Porém, eles logo percebem que para alcançarem o que desejam — e continuar vivos — precisarão unir suas forças.

A maníaca dos distópicos ataca novamente! Quero muito ler Puros, muito mesmo, achei essa parte de mostrar o durante do Apocalipse extremamente importante. Já repararam que a maioria dos livros distópicos se passa vários anos depois do acontecimento cataclísmico?

Ela é Nora Dearly, uma garota neovitoriana de 17 anos que sofre com a morte dos pais e vive infeliz aos cuidados da tia interesseira. Ele é Bram Griswold, um jovem soldado punk, corajoso, lindo nobre…e morto! No ano de 2187, em meio a uma violenta guerra entre vitorianos e punks, surge um perigoso vírus, capaz de matar e trazer novamente à vida. As pessoas tornam-se zumbis, mas nem todos são assassinos e devoradores de carne. Há os que lutam para que o vírus não se espalhe… Apenas Nora tem o poder da cura em suas mãos, ou melhor, em, seu sangue. Ela não sabe disso, e corre perigo. É papel de Bram protegê-la…

Então, é necessário explicar por que esse livro está na minha lista? (Lançamento Agosto/Setembro 2012)

E pra finalizar, o fim do segundo arco da História Sem Fi… digo, da série Pretty Little Liars:

A vida de Spencer, Aria, Hanna e Emily está prestes a virar de cabeça para baixo. Elas estavam certas: a polícia, a família DiLaurentis e a família de Spencer escondiam segredos aterrorizantes. Agora, a verdade vem à tona de uma só vez, acrescentando à equação já confusa dos mistérios de Rosewood uma personagem que transformará suas vidas, a escola e seus lares para sempre. Este será um novo e surpreendente capítulo na vida de cada uma delas. Em “Perigosas”, todos os planos e as escolhas de nossas Belas Mentirosas serão influenciados por uma quinta pessoa. Mas, desta vez, não são as mensagens de A. Neste eletrizante fechamento de um ciclo, os segredos serão revelados do início ao fim.

Essa é uma das poucas séries de livros que virou seriado de TV e que eu gosto, na verdade, das duas versões! Quero dizer, e vamos todos ser francos, o seriado só tem os personagens principais em comum com os livros, e nem as descrições batem! Mas enfim, encaro PLL como algo completamente separado dos livros da Sara Shepard e sou feliz aproveitando o melhor dos dois mundos! Só não custa lembrar o quanto eu recomendo esses livros que não acabam nunca! (Lançamento 17/08/12)

Ah, ah, não vão embora ainda! Vocês já devem ter percebido que sou Team Herdeira e que apoio a publicação do 1º romance da Mariana Ribeiro (hey, Mah!) Mas o que bastante gente não sabe é que o SESC está com um projeto super do amor, o Escritores in Progress. Já sabe o que é? Ótimo, entre no link do vídeo e vote! Ainda não sabe o que é? Então entra no link do vídeo e descubra!

Um bom restinho de semana para todos

xoxo

O Beijo da Meia-Noite – Lara Adrian

  •     Autor: Lara Adrian
  •    Editora: Universo dos Livros
  •    Nº de Páginas: 400
  •    Edição: 1
  •    Ano: 2011
  •    Título Original: Kiss of Midnight
  •    Tradutor: Adriana Fernandes Machado de Oliveira

   Avaliação: 7,0

Atenção: Se você é verde como o verão (menor de idade) clique aqui e não volte até o próximo post, por favor! O conteúdo é inadequado, seus pais vão ficar bravos comigo e eu vou ser obrigada a pedir aos Outros que te levem pra lá da Muralha. Ninguém quer isso.

Um estranho moreno e sensual a observava do outro lado da boate, e foi capaz de despertar as mais profundas fantasias em Gabrielle Maxwell. Mas nada a respeito desta noite – ou deste homem – é o que parece. Pois, quando Gabrielle presencia um assassinato nos arredores da boate, a realidade se transforma em algo obcuro e mortal. Nesse instante devastador, Gabrielle é lançada em um mundo que jamais imaginou existir – um mundo onde vampiros espreitam nas sombras e uma guerra de sangue está para começar. Lucan Thorne despreza a violência de seus irmãos sem lei. Ele próprio um vampiro, é um guerreiro de Raça, e jurou proteger sua espécie – e os humanos imprudentes com quem convivem – da ameaça crescente dos Renegados. Lucan não pode arriscar um relacionamento com uma mulher mortal, mas, quando seus inimigos escolhem Gabrielle como vítima, sua única escolha é trazê-la para o escuro submundo que comanda. Aqui, nos braços do intimidante líder da Raça, Gabrielle enfrentará um destino extraordinário, repleto de perigos, sedução, e dos mais sombrios prazeres… 
————————————————————————————————————————————————————————————————–

Desculpa sociedade, mas reler O Beijo da Meia-Noite me faz desfrutar uma nostalgia das fortes. Lembram lá em 2009/2010 quando os romances-hot-com-vampiros marcaram suas posições nas prateleiras? Eu lembro direitinho, principalmente porque nem sabia que existiam! IAN poderia muito bem ser uma boyband da vida ou alguém escrevendo o nome de algum moço com a caps lock ativada.

Porém, como na época eu trabalhava toda serelepe e contente numa livraria gigante ficou difícil ignorar o número absurdamente grande de mães que se livravam dos filhos e maridos e vinham me pedir, sussurrando com o canto da boca pra ninguém perceber, aqueles livros de vampiro.

A atendente lenta demorou certo tempo para pescar que aqueles livros de vampiro não tinham praticamente nada a ver com Crepúsculo e seus afiliados. Depois de alguns episódios tragicômicos, situações epicamente constrangedoras e filhos e maridos danificados no processo, cedi à curiosidade e fui fuçar os livros daqueles vampiros.

Sendo bem sincera, e contradizendo os rumores da oposição, nunca li um romance de banca. Mesmo assim decidi acreditar em leitoras assíduas que me disseram que livros como IAN e Midnight Breed são muito semelhantes (à sua forma) às estórias da Sabrina, Bianca e companhia. Dizendo mais (e sem ninguém pedir) acho indigno o preconceito com esses livros quaisquer que sejam os motivos. Se quiserem, ainda posso começar uma dissertação a respeito do por que dos romances de banca serem tão culturalmente discriminados pelas pessoas que não são do meio, indo do patriarcalismo ao feminismo! Querem?! Querem?!

Achei que não, mesmo.

Ok, a resenha!

Tivemos o’ Beijo da Meia-Noite de antes da metade do livro e o’ Beijo da Meia-Noite de depois da metade do livro. Por quê? Porque a Gabrielle foi uma mocinha muito difícil para mim e quase fez com que eu desistisse. Não que Lucan colaborasse com a pessoa, mas já vamos chegar lá! O que quero dizer é que Gabby não é muito boa da cabeça.

Sério.

Na primeira parte do livro, a mulher parecia ter três estágios!

Ou ela estava suspeitando do mundo.

Ou ela estava sono(lenta).

Ou ela estava taradona.

Gab, por favor!

É como se ela não assimilasse direito o mundo a sua volta, ou estivesse ‘a passeio’ demais para o meu gosto. Entendo que esse talvez seja um traço da personalidade da personagem, mas é o tipo de comportamento que me cansa tanto na vida real quanto num livro e ter Lucan, moção (mocinho não faz jus) ótimo, colaborando para as confusões mentais dela resultou numa receita perigosa para mim, leitora.

Porém, nada como uma página após a outra.

Do meio para frente a relação Gabrielle-Mundo dos Vampiros melhora muito (ou não, depende do ponto de vista) e as coisas ficam menos confusas, menos vagas. É como se finalmente entrássemos na estória.

O equilíbrio de cenas de ação e sequências hot é surpreendentemente bom, principalmente para uma pessoa que achava que livros assim seriam SEXO, SEXO-SEXO-SEXO, SEXO SELVAGEM & SEXO! Enfim, só para deixar claro, eu gosto de ação, aventura e sangue.

Lucan constantemente me fazia lembrar de dois personagens distintos: Maddox, da série Senhores do Mundo Subterrâneo, e Edward. Sim, Edward! A coisa te-quiero-mucho-mas-provavelmente-vou-acabar-te-matando sempre me lembrará o vampiro disco globe e, nesse livro, a lembrança foi até fofa. Talvez tenha a ver com a preocupação vir de uma parede de músculos insanamente bem definidos com dois metros de altura. Talvez.

A consideração final: foi bom eu sair da minha zona de conforto, os YAs e Históricos. Consegui aproveitar a leitura fácil de O Beijo da Meia-Noite e pretendo reencontrar a Raça muito em breve com O Beijo Escarlate!

xoxo e boa semana!

P.S.: Numa rápida pesquisa descobri que essa série estava sendo previamente editada aqui no Brasil através da Nova Cultural, em formato adivinhem-de-que?? Romance de banca! Viram como tenho fontes confiáveis?

Imagem Meramente Ilustrativa