Receitinhas – Biscoitos de Limão Siciliano

Hey pretties! É, eu sei, sete dias sem dar as caras e tudo… mas, vocês se lembram do Tambor, amiguinho, amigo,sei,do Bambi? O pai dele disse a frase universal do século: “Se você não tem nada de bom para dizer, então não diga nada.” Claro que soou muito mais bonitinho na minha cabeça, mas whatever! O que quero dizer é que estou realmente atarefada e não vejo sentido em postar coisas só pra fazer volume e dizer ‘Olha, eu atualizo o blog sempre, engula isso aí!’

Agora, ganhei alguns cutters natalinos e resolvi estrear com bons biscoitos de limão! Agora, parte 2, minha câmera fotográfica não está realmente colaborando, então não consegui nada que valesse a pena. Logo, a foto no fim é meramente ilustrativa, e está REALMENTE muito parecida com o resultado final da minha receita.

Vamos ao bloquinho?

Faz mais ou menos 5 duzias

Tempo de preparo: 20min + 1hora Refrigerando

Tempo de cozimento: 13min

Dificuldade:  Ø Ø O

 -3/4 de xícara de manteiga s/ sal

-1 xícara de açúcar de confeiteiro

-2 col de sopa de suco de limão siciliano recém espremido (se for usar limões normais, meça 3 colheres)

-Raspas da casca de 2 limões sicilianos, ou 3 dos normais.

-1 col de sopa de essência de baunilha

-1 ¾ xícaras mais 2 col de sopa de farinha de trigo

-2 col de sopa de amido de milho (le maisena)

-1 pitadinha de sal (uma beliscadinha no saleiro, rs)

Preparo:

Coloque a manteiga e o açúcar de confeiteiro na batedeira com o paddle attachment e bata em velocidade média até ficar branquinho e fofo (literalmente).  Acrescente a baunilha, o suco e as raspas e continue batendo até ficar fofo de novo.

Em uma vasilha, misture a farinha, o amido e o sal. Adicione à misture de manteiga e bata em velocidade baixa, até tudo estar bem combinado.

Forme uma bola com a massa, se ela estiver muito pegajosa adicione um pouco mais de farinha. Enrole-a em filme plástico, aquele negócio que gruda nas bordas das coisas, e deixe na geladeira por, pelo menos, 1 hora. Se você quiser assar só no dia seguinte, terá que deixar a massa 30min fora da geladeira para poder trabalhar com ela.

Pré-aqueça o forno em 200 Cº. Coloque papel-manteiga no fundo das assadeiras, ou unte bem com margarina e farinha. O papel-manteiga garante que eles fiquem bonitos e sem manchas de farinha queimada. Em uma superfície lisa e levemente enfarinhada abra a massa com a ajuda de um rolo de macarrão. Um espessura boa para esses biscoitos é 3 milimetros. Agora é só usar cortadores de biscoito, ou, se você não tiver nenhum, use a boca de um copo como molde e corte com uma faca bem afiada.

Arrume-os na assadeira, com 1 cm de espaçamento entre cada um. Asse por 13 min, ou até começarem a ficar douradinhos em cima. É importante tirar antes que eles fiquem mesmo dourados porque os biscoitos continuam assando mesmo fora do forno. Se eles ficarem tempo demais vão ficar duros e quebradiços. Espere uns 10 min e retire-os da assadeira, de preferencia para uma grade dessas. Quando estiverem frios é só decorar com Royal Icing.

Royal Icing:

– 1 clara de ovo bem grande

-250g de açúcar de confeiteiro

-1 col de sopa de suco de limão

Preparo:

Coloque tudo na batedeira e bata por 5min até que a mistura esteja bem branca e formando picos. Se ficar dura demais, use algumas gotas de suco de limão. Antes de usar, adicione o corante que desejar e bata mais um pouco até alcançar a cor desejada. Essa cobertura, quando seca, fica MUITO dura, então é bom se apressar!

Esses biscoitos sobrevivem muito bem por até 2 semanas em um lugar seco, ao abrigo da luz, hermeticamente fechados e blá, blá, blá…

Provavelmente esse é o último post até o Natal (se não for eu edito isso aqui e nego se alguém perguntar) então…

FELIZ NATAL!!!  QUE ELE SEJA MÁGICO, CHEIO DE PRESENTES, BOAS VIBRAÇÕES E MUITA UNIÃO!!

xo

Anúncios

Chantilly – Mare Soares

Tenho desejos sempre que olho pra essa capa =P

  •  Autor: Mare Soares
  •    Editora: N/T
  •    Nº de Páginas: 147
  •    Edição: 1
  •    Ano: 2010
  •    Título Original: Nacional
  •    Tradutor:  Nacional
  •    Avaliação: 3,0

Um diário foi escrito. Catherine Aragon, numa atitude desesperada, escreve suas recordações em busca de socorro. Somente dez anos depois suas palavras foram ouvidas por um renomado cientista. Ethan Stuart, um homem com pouco carisma, toma as rédeas da situação para tentar ajudá-la. Ele contará com a ajuda de personagens suspeitos: o exótico Leon Saiter, um alcoólatra sem muita perspectiva, que arriscará a própria vida para obter êxito na resolução do caso, e a interessante Anabelle, que vive um dilema dentro de si onde questionará suas verdades e seus valores. A tríade investigadora conclui a soma dos catetos, tornando Chantilly um dos desafios mais intrigantes do seu viver. Mergulhe nesta aventura, em um ambiente noir, repleta de mistérios a serem desvendados numa cidade onde as pessoas perderam as lembranças.

P.S. de antes: Antes de qualquer, a revisão do livro ficou mara, melhor do que a revisão de muita editora famosa por ai…

Bem, quando a Mare me pediu para fazer essa resenha, deixou claro que gostaria que ela fosse o mais sincera possível. Não seria justo com ela, com vocês ou comigo se não me esforçasse para isso.

Tive grandes expectativas em relação à essa obra, mas, infelizmente, quase nenhuma delas escapou de ser frustrada.

A sinopse de Chantilly promete nos levar através de um emocionante mistério, através França, junto dos três ‘investigadores’. A parte mais promissora do livro é justamente essa. Não me levem a mal! A história começa com uma boa troca de cartas entre Catherine e Ethan, ele doido para conhece-la pessoalmente e entrevista-la a respeito do problema de memória, mas ela se recusa. Daí Ethan conhece Leon, outro cara de Chantilly (a cidade), que diz, dez anos depois, estar perdendo suas memórias. (Não, Leon não é velho, pensem nele como Johnny Depp). Ethan despreza Leon, porém o mantém por perto, para investigar.

Então você pensa, humm, interessante, o que eles vão descobrir agora? A resposta: nada. O livro todo repete o quanto Ethan foi atrás de informações, o quanto Ethan pesquisou, o quanto Ethan rodou… é tudo tão vago e impessoal que me desanimou. O mesmo aconteceu com os personagens e suas relações, nenhum deles recebeu um aprofundamento digno! Não adianta o narrador dizer ‘essa é Anabelle, ela é uma mulher misteriosa, ela é exótica’ e não me dizer o por quê! Exótico pra mim é lêmure! Ethan e Leon também não ajudam, o primeiro acaba sendo uma nulidade e o segundo, mesmo ‘usando’ mais páginas, é totalmente confuso, o que não te leva para trás. Mas com certeza não caminha para frente. Não há espaço para uma possível identificação com os personagens, e isso é fundamental para a construção de uma empatia pela estória. O cenário é tremendamente ignorado, em nenhum momento ( que não dissesse especificadamente ‘fulano está em tal lugar’) me lembrei de que eles estavam na França, simplesmente não conseguia visualizar nada!

Os diálogos, para combinar com a falta de informação, foram forçados a estar ali. Esqueça qualquer discussão inteligente, cômica, acalorada ou suspirante, o que seja!  Não estão lá.

Well, o livro não me cativou, e não foi porque o li em uma má hora ou sem vontade (muito pelo contrário !), mas a falta de sentimento, de profundidade, me fez passar pela leitura inabalada. Não estou dizendo que para um livro ser bom tem que te fazer chorar aos cântaros, rir histericamente, chamar pela mamãe de medo ou infligir qualquer emoção exagerada, porém o mínimo de comoção é básico. Foi como se eu estivesse lendo o esqueleto da obra, ainda sem carne, sangue e nervos. A melhor analogia possível é o clássico: sem sal, nem açúcar. O que era pra ser noir, não foi nem grise e, com a previsibilidade piorando conforme fui chegando ao fim, só fiquei ainda mais desmotivada…

Nas últimas páginas, Mare compartilha conosco algumas curiosidades sobre a criação de Chantilly. Foi lendo aquilo que me dei conta do motivo de tanta apatia. Originalmente a Mare queria um roteiro de filme, mas então decidiu fazer um livro! Daí pensei com os meus botões, humm, e se fosse um filme? Acho que ficaria bem bacana até… Logo, se Chantilly fosse um longa metragem, todas as imagens que não pude formular em minha mente estariam ali, provavelmente eu até torceria por um personagem ou outro, me envolveria de fato com a trama.

Balanço final: uma pena. A autora teve uma sacada genial, porém não soube aproveitá-la da melhor forma. Apenas me resta torcer para que Copenhague, continuação de Chantilly, tenha tudo o que me fez tanta falta em seu predecessor.

Xo, boa quinta for everyone!

P.S. de depois(pleonasmo-mo): Gente, eu gostaria de deixar muito claro que não tive a intenção de ser cruel, rude ou implicante com o livro nessa resenha e, principalmente, que não tenho absolutamente NADA contra Mare Soares! Pelo contrário, a admiro por dar a cara a tapa e batalhar para ser escritora nesse país que pouco estimula a literatura.

New on My Bookshelf… Vol 4

Que fim de ano é frenético, todo mundo já sabe, só que tem vezes que a situação fica exagerada!Não me levem a mal, I love it!! Começo meu dia nesse tom:

Fazer todas as coisas!!

Organizar os Jogos Natalinos, junto com a Naty, está sendo uma das coisas mais legais de fazer, mas dá um trabalhão! Preparar os livros, os pacotes, fazer os marcadores exclusivos, cuidar pra criançada vocês não ficarem desamparados… enfim! Mal chega a tarde e já estou assim:

'Só mais algumas horas...'

E ainda tenho todas as outras coisa OFF-Blogs pra organizar, cardápios pra planejar e o grande projeto de 2012 pra tocar! Sim, teremos uma ENORME novidade ano que vem! Preparem-se! Logo, no fim de tudo é uma beleza, tá nesse naype:

Aliado a isso, temos os atrasos nas companhias de entrega, coisa de praxe em Dezembro. Sooo, só agora vou conseguir fazer meu NoMB4! Até a Mimo tinha esquecido dessa sessão, coitada!

E olha que são livros muito bacanas:

Começando com o Ergue-se A Noite, de Colleen Gleason, que foi minha última resenha:

Mini-Becky Bloom – Tal Mãe, Tal Filha, da hilária Sophie Kinsella. Não vejo a hora de terminar essa série, e ao mesmo tempo já tenho saudades!

Dois contos de fadas diferentes, Ella Enfeitiçada, de Gail Carson Levine e Penelope, da Marilyn Kaye:

Graças aos céus não botaram o poster do filme como capa!! Ainda

Me lembra as capas da Juliet Marilier, tipo Dança na Floresta!

Seguidos por Filhos do Éden, do brasuca Eduardo Spohr, O Poder dos Seis (Pittacus Lore) que é a continuação de Eu Sou o Número Quatro e Chantilly, cortesia da fofa Mare Soares

Caprichado

Primeira vez que eu gostaria que o livro tivesse a capa igual o poster do filme...

Primeira edição independente que vejo!

A surpresa foi o livrão Cozinha Italiana Passo-a-Passo, que eu já havia mencionado neste post e, como vocês podem ver, rendeu!  quemnãochoranãomama! Ganhei o dito cujo da minha querida tia! Vamos fazer um coro, bem alto: Tia Dê, we love you!

Novidades culinárias em breve...

E por último, o tão aguardado O Temor do Sábio, by Patrick Rothfuss, o ruivo.

Já falei que quanto maior o livro, melhor? Não? Pois,é, adoro livros com números de páginas absurdos, e esse tem 960 de pura nerdice fantástica! Nem o Rodrigão consegue abraçar esse livro!

huuuuug me!

Agora, imaginem vocês, quem não aguentou ficar de fora? Principalmente depois de ver o Rodrigão todo à vontade no meio da papelada!

"Ma che?!"

"Olha o quanto me importo com essa coisa... verde

Pelo menos a convenci de sair de cima do Rods!

 O engraçado é que quando ela não está reivindicando atenção, ela está com cara de ‘Suma da minha frente, humano rosado’ . Até o dia que eu cansar de ser tratada como um objeto e ARRUMAR OUTRO GATO, um bem legal, de preferencia:

*catnip*

Quero ver quem vai estar fazendo beicinho, então! Hã

xo e óóóóóóóóóóóótima semana pra todo mundo

P.S.: Mimo, eu te amo, mesmo você soltando pelo nas minhas roupas limpas

Ergue-se A Noite – Colleen Gleason

Meio Eduardiano, não?

  •  Autor: Colleen Gleason
  •    Editora: Jardim dos Livros
  •    Nº de Páginas: 376
  •    Edição: 1
  •    Ano: 2011
  •    Título Original: Rises the Night
  •    Tradutor:  Mirian Ibañez
  •    Avaliação – Sem Tradução: 8,0
  •    Avaliação – ComTradução: 2,0
A venadora Vitória Gardella arrisca seus poderes ao desvendar os mistérios da poderosa organização Tutela. Seus membros servem aos vampiros, oferecendo a eles seres humanos, para que saciem sua necessidade de sangue. Deixando Londres, ela viaja pela Itália, disposta a tudo para desbaratar os inimigos, destemida a ponto de colocar em tremendo risco a vida de sua tia-avó e mentora, Eustácia. Sem contar com a preciosa ajuda de seu experiente companheiro de outras aventuras, Max, que depois de ter voltado àquele país tem estranhas atitudes. Tudo leva a crer que ele mudou de lado!

Tem horas que tenho até raiva, como uma editora pode comprar os direitos de um livro tão bom, e fazer um trabalho tão… tão…, juro que é melhor nem falar. Depois de toda a expectativa, levar uma dessas é como isso

AHHHHHH ÚÊTNAAA WABABII WABABA!!

Só que mais trágico.

Bem, pra quem não conhece, As Crônicas Vampíricas de Gardella são uma série, de grande sucesso no exterior, da professora de faculdade Colleen Gleason. Ela narra as aventuras de Vitoria Gardella Lacey, uma jovem da aristocracia inglesa do século XIX. Imagine se uma das heroínas de Jane Aunsten caçasse vampiros? Não estou falando daquelas adaptações, tipo Pride & Prejudice and Zombies, nada contra, só não faz minha cabeça. Estou falando daquelas ladys tendo que rebolar para conciliar a vida na sociedade e a noite se meter em becos escuros e bares escusos para exterminar chupa-sangues.

Li o primeiro volume, O Legado da Caça-Vampiro literalmente no meio do expediente. Si, señor, meu gerente me odiava. Mas valeu a pena. A história é deliciosa, fez a ex-livreira aqui passar algumas boas horas de pé apoiada no balcão, absorta. Se um dia ele ler isso, quero deixar claro que vendi vários exemplares aquela vez, as pessoas ficaram realmente interessadas em saber o que estava deixando a atendente tão maravilhada que não havia notado eles lá. People respect young readers!

Well, Victoria Gardella era uma garota da sociedade (sim, era assim que chamavam toda aquela gente pomposa e esnobe da realeza e alta burguesia. Não parece mais um clubinho?), ela terminara de guardar luto por seu pai e logo se juntaria à uma profusão de bailes e compromissos de gente endinheirada. Não que ela ligasse muito, mas era o único panorama que haviam lhe dado, então ela teria que desempenhar seu papel. E arrumar um marido.

Porém, para uma garota mentalmente independente, duas coisas inimagináveis acontecem ao mesmo tempo: 1. Ela descobre que, sendo uma Gardella, é uma Venadora. Ela deve caçar vampiros. 2. Ela se apaixona perdidamente por um membro da sociedade.

Com a ajuda de sua tia-avó e grande Venadora, Eustácia, e Max seu… colega gostoso de profissão, ela vai aprender a merecer seu legado e sua vis bulla (Amuleto de força dos Venadores, e um piercing realmente estiloso), enquanto se desdobra para impressionar Phillip de Lacey, o altamente gostoso Lord, e não enlouquecer com sua mãe.

É um livro que com certeza vai agradar o pessoal que gosta de Bran Stoker, com várias referencias bacana e, até, quem ama Stephanie Meyer. Seduz e atemoriza como todo bom livro de vampiros deve fazer.

Voltando ao Ergue-se a Noite.

Fiquei tão feliz quando esbarrei com ele no Skoob! Eu me perguntava quando sairia o segundo e não conseguia tirar informações em nenhum lugar da net, nem no site da editora. Logicamente, assim que tive o livro em mãos, coloquei os outros pra escanteio e mergulhei na leitura.

Primeiro tive que reviver toda a tristeza pela morte de Phillip, e todo o ódio pelos vampiros e por Lilith, que destruíram uma das coisas mais importantes na vida de Vitoria: seu marido.

Julguem-me!

A jovem Venadora sai, depois de um mês de luto, para extravasar e percebe que não está pronta para isso, ela precisa dar um tempo. Ok, ela dá esse tempo. Um ano, um longo ano sofrendo, se recuperando e aguentando a própria mãe frívola dizer que já está na hora dela seguir em frente. Vic segue, sim, em frente, mas não do jeito esperado. Ela vai atrás do rastro dos vampiros de Lilith.

Maaas, a coisa é bem maior do que o esperado. A Tutela, uma organização de humanos admiradores de vampiros está participando de algo terrível, com o filho de Lilith, Nedas! Vic tem de pará-los antes que as consequências se tornem irreversíveis para a humanidade e, como ela não pode mais contar com Max (que picou a mula pra Itália) ela terá de aceitar a ajuda de Sebastian. É, ele mesmo. O esquivo e sedutor dono do Cálice de Prata.

Não que ele seja confiável.

Não que ela seja controlada.

Mais uma vez o destino da humanidade foi depositado nas mãos de uma Gardella.

É uma história incrível, além de ser continuação de um livro maravilhoso. Vitória é muito irritante, sério, ela sabe que tá fazendo besteira em alguns pontos, sabe que deveria parar, mas não para! E de repente fica toda horny por qualquer cara bonitinho. É bom saber que ela amadureceu em alguns aspectos e continua a mesma garota de sempre em outros!

Well, sinceramente eu simplesmente não recomendo para quem tem estômago fraco para más traduções, e isso é bastante coisa numa época em que várias editoras não estão presando muito uma boa tradução. Leia o livro em inglês, se possível. Porém, se você conseguir relevar as frases confusas demais o tempo todo, vai pela sombra e seja feliz! Eu fui, em parte, ao menos.

Mais sinceramente ainda, mal vejo a hora de ler a continuação.

xo

P.S.: Participem dos Jogos Natalinos 2011, ou o babuíno vai visitar vocês!

1 Noel = 3 Árvores = 5 Estrelas

Finalmente nosso querido blog terá uma promoção de verdade, confere, produção?

Mas não é uma promoção, são os JOGOS NATALINOS 2011 !!

Chegou a hora de você, insone literário, provar que manja do assunto, que é CDF, que saca todas, que faz a lição de casa, que come desafios literários no café da manhã!

O IYRDIW, junto do Vire a Página (aliás, olá novo blog parceiro, seja bem-vindo!) vai trabalhar como duende ou rena nessas festas de fim de ano. O velho Noel escafedeu-se pra Nárnia e nos deixou com a missão  de testar seus conhecimentos literários! Então, jovem padawan, é bom que tenha prestado atenção no que leu por aí por que agora, AGORA!, você terá a change de ganhar 4 kits,

Isso mesmo, 4 KÍTCHÊS!!

Bloody hell!

Então, benhê, tá esperando o que exatamente? Outro apocalipse zumbi?! Entra já aqui e descobre como participar, ou aqui se quer ver os prêmios apressadinho.

Traga as bebidas,chame a família, peça uma pizza, troque o glúteo de apoio na cadeira e prepare-se: os Jogos Natalinos 2011 vão começar!!

 

Nenhum ícone natalino foi ferido durante a produção dos Jogos

Que a força esteja com você!

 

Oh, wait… Dezembro chegou!!

'Me coma!'

Hey pretties! Dezembro finalmente chegou!! Clichê ou não, I LOVE IT! Toda a atmosfera natalina, o ano novo chegando, comida boa, os preparativos, listas e lista de presentes, comida boa, as pessoas mais gentis… tá,  nem eu acreditei na última parte.

Que seja, o que eu quero dizer é que estou cá bolando algo para fazer esse Natal ainda mais especial para os leitores do blog. Mais informações lá pelo dia 11… fiquem acordados e não se esqueçam, quanto mais gente, mais diversão!

Outra coisa bacana é que ontem, dia 30/11 foi o fechamento da primeira edição do Comentarista Insone! A sua blogueira ficou muito feliz e convencida com tantos recados fofos e cools que recebeu e aproveita pra dizer o quanto eles são importantes. É bom se sentir querida e não ter sofrido nenhum atentado até hoje! Luv you

Granny, a coruja, concorda

Ok, chega de churumelas! Vamos ao que interessa.

‘Produção, as luzes, por favor’

And the Oscar goes to….

Erika Barreto, com 13 comentários!

Parabéns Erika! Assim que eu souber qual livro você escolheu para a resenha, atualizo o post.

Lembrando que só valiam os comentários nos posts de 18/11 a 30/11 e que a resenha a seguir, do livro O Pacto, não tem nada a ver com o CI.

Boa quinta pra todos, nos vemos em breve!

xo

PS.: Vomitem com tanto sentimento natalino!