Pequeno Post Expressivo de Uma Pessoa Que Passa Vontade [2]

Eu ainda quero o outro, mas quero esse MAIS AINDA!

Assinado, Mata Hari

Obrigada, mais uma vez, pela preferência. Fiquem agora com uma palavrinha dos nossos patrocinadores.

Terapia de regressão a vidas passadas, do Dr. Czsariaserchvitch

Satisfação garantida, ou seu dinheiro de volta!

Anúncios

Banidos – Sophie Littlefield

Ainda mais bonita que a original!

  •   Autor: Sophie Littlefield
  •   Editora: Underworld
  •   Nº de Páginas: 238
  •   Edição: 1
  •   Ano: 2011
  •   Título Original: Banished
  •   Tradutor: Débora Isidoro
  •   Avaliação: 8,0

Não há muitas coisas pelas quais valha a pena viver em Gypsum, Missouri, ou Trashtown, como os garotos ricos costumam chamar o bairro decadente onde mora Hailey Tarbell, dezesseis anos. Hailey acha que nunca vai se ajustar, nem com os garotos populares da escola, não com os rejeitados, nem mesmo com sua avó cruel e doente que vende drogas no porão de sua casa. Hailey Não conheceu a mãe, já morta, e não tem ideia de quem era seu pai, mas pelo menos ela tem seu irmão adotivo de quatro anos de idade, Chub. Quando fizer dezoito anos, Hailey praneja levar Chub para longe de Gypsum e começar uma nova vida onde ninguém possa encontrá-los.

Mas quando uma colega se machuca na aula de ginástica, Hailey descobre o dom de cura que ela nuca soube possuir e que não pode mais ignorar. Ela não só é capaz de curar, como pode trazer de volta à vida pessoas que estão morrendo. Confusa com seus poderes, Hailey procura respostas, mas encontra apenas mais perguntas, até que uma misteriosa visitante aparece na casa de sua avó alegando ser Prairie, sua tia.

Há pessoas dispostas a tudo para manter Hailey em Trashtown, vivendo um legado de desespero e sofrimento. Mas quando Prairie defende Hailey e Chub de invasores armados que invadem a casa de sua avó no meio da noite, Hailey precisa decidir onde colocar sua confiança. Serão o passado de Prairie e o segredo que ela enterrou há muito tempo, e que a levou a deixar Gypsum anteriormente, capazes de arruinar todos eles? Porque, como Hailey vai descobrir, seu poder de cura é só o começo.

Pra começo de conversa, quando estiverem com o livro em mãos, NÃO olhem nas orelhas, contém mais spoilers do que comentários no Skoob! Tudo bem, só por alguém dizer NÃO olhe você vai sentir o impulso incontrolável de olhar… então olhe, e acabe logo com a graça do livro de suspense, tirando o suspense dele, seu troll! Eu não olhei e fui uma pessoa muito feliz por isso. Sério. E não vou dizer ‘eu bem que avisei’ porque você já sabia. Até por que…

bitch, please.

Certo, vamos ao livro!

No início estranhei, Banidos não segue a linearidade quase que litúrgica dos outros YAs. A gente não tem muito tempo de conhecer a Hailey antes que ela comece a fazer as curas dela… mas nós todos pegamos o ponto onde ela está abaixo da rabeira da cadeia alimentar na escola, onde nem os loosers querem ficar perto dela, e também não há como não querer trucidar a avó, Alice, por ser tão desprezível (esqueça as vilãs caricatas, Alice é cruel e calculista). A velha teve a capacidade de adotar Chub, que é mentalmente atrasado, só para usar o dinheiro que o governo paga como auxilio. Há também os Morries, moradores de Trashtown como elas, que pareciam exercer tanto fascínio em Hailey quanto podiam fugir dela.

Quando Hailey cura Milla, uma colega da escola Morrie, de um tombão a menina fica tudo, menos agradecida. Raivosa e assustada são boas palavras. Depois de muita humilhação pública Hailey finalmente consegue se aproximar da garota e tirar algumas respostas: Milla fala sobre como são todos Banidos, os Morries, e que as mulheres Tarbell devem ser amaldiçoadas. Hailey não consegue acreditar que seja o caso, não quando seu dom parece fazer coisas tão boas, Chub está progredindo agora e ela até conseguiu salvar Rascall, o cachorro dela, quando foi atropelado. Dica, fiquem de olho no cachorro.

Milla também sugere outras coisas: a mãe de Hailey não teria morrido no parto, ela era louca e se matara pouco depois de dar a luz, ou que havia mais ligações dela com os Morries do que ela imaginava. Logo, as respostas deixam pontos de interrogação ainda maiores do que antes!

Enquanto isso, na sua casa, parece que vovó Alice sabe muito mais sobre o dom da neta do que quer contar e seus planos podem ser tão escusos que jamais passariam pela cabeça de Hailey. Não se não tivesse provas suficientes para acreditar que a avó estava tramando algo grande e absurdo para ela.

A chegada de Prairie que raio de nome é esse?  vai trazer mais alivio do que Hailey poderia esperar, mas as respostas que ela tanto queria estão por vir. Talvez fosse melhor não saber de nada…

Demoramos para ter um mocinho em potencial, o foco do livro segue para a fuga de tia e sobrinha de pessoas mil vezes piores que Alice, pessoas capazes de usarem os poderes de Curadora de Hailey e Prairie para coisas nefastas e inumanas por dinheiro!

É um livro ótimo para quem quer sair da mesmice sem deixar totalmente de lado o gênero. A escrita de Littlefield é singular, às vezes eu sentia que devia ler trechos em voz alta, como se houvesse sido escrito para aquilo. Os dois últimos terços eu li em pouco mais de 3 horas, parece um filme de suspense muito bom, ou um ótimo episódio de Supernatural.

Fiquei com medinho no final… não posso contar do que, senão estraga a surpresa, mas quando lerem se lembrem: a Andhy odeia muito isso, e com razão!! Então fiquem à vontade para se juntarem a mim num local bem iluminado com espingardas e lança-chamas.

Adorei o livro, umas poucas vezes a narrativa ficou confusa, ou talvez eu só estivesse lendo afobada demais, mas não é nada que atrapalhe todo o mistério que vai se formando na vida de Hailey. Banidos foi uma ótima surpresa, sem dúvidas!

Infelizmente a continuação, Unforsaken, só saiu lá fora agora. Ou seja, ainda demora um pouco pra chegar aqui.

Pois é...

Tá esperando o que, meu bem? O Apocalipse Zumbi? Vai ler Banidos agora!

xo

Cidade de Vidro – Cassandra Clare

  •   Autor: Cassandra Clare
  •   Editora: Galera Record
  •   Nº de Páginas: 476
  •   Edição: 1
  •   Ano: 2011
  •   Título Original: City os Glass
  •   Tradutor: Rita Sussekind
  •   Avaliação:9,0
Reservo-me o direito de pular a sinopse cheia de spoilers do próprio livro ¬¬
Confesso, estava doente para ler Cidade de Vidro desde que li Cidade das Cinzas (quando lançou). Na verdade sempre estive tendo coisas para ler esses livros, mesmo antes de  Cidade dos Ossos chegar aqui no Brasil. Sabe aqueles livros cuja fama o precede? Então! Mas quer saber a melhor parte? Ele supera expectativas.

Foi assim com Cidade dos Ossos, depois com Cidade das Cinzas, agora com Cidade de Vidro e eu me recuso a acreditar que poderá ser diferente com City of Fallen Angels! Well, para quem não conhece a série, vou dar uma introdução. Ela é contada por Clary, uma ruivinha de 16 anos mal-humorada e impetuosa, e se passa em NY. Clary está com o amigo Simon em uma boate para tentar se divertir um pouco e, tirando a claustrofobia e irritação, está tudo correndo bem. Até que ela vê um grupo de adolescentes armados perseguindo outro cara. Um grupo de adolescentes que ninguém mais vê! Lógico que ela vai atrás.  Por isso ela acaba testemunhando um assassinato a sangue frio, os três adolescentes (dois gatos, digo, garotos e uma menina) acabaram com o rapaz.

Depois disso a vida dela sofre uma reviravolta total. Os assassinos, Jace, Alec e Isabelle, não vão simplesmente sair de cena. Pelo contrário, há muitos outros iguais a eles (bem, não exatamente iguais ao Jace, mas, se houver um lugar assim tipo a Jacelândia, estou me mudando para lá agora!) e eles não são assassinos, são Caçadores de  Sombras, lutam contra demônios e fazem o controle de outros seres do Submundo. Já viu, né?

Inicio dos spoilers

Bem, em Cidade de Vidro Clary está indo à Alicante encontrar o feiticeiro que pode reverter o coma de sua mãe. Enquanto isso Jace está tentando esquecer a irmã, e está fazendo isso tirando a roupa de outra Caçadora de Sombras, Aline, uma menina muito antipática se vocês querem saber.  Com Aline aparece Sebastian, o primo dela e Caçador de Sombras em Paris. O charmoso rapaz logo despeja todas as suas atenções para Clary, mesmo tendo alguma resistência.

Simon, o vampiro que não teme o Sol, acabou indo junto para Idris, foi preso pela Clave, está sendo torturado e, se isso não bastasse como problema, a Cidade de Vidro, a cidade mais invulnerável do mundo, está prestes a cair. Valentin se provou mais esperto que todos eles.

Nesse volume temos a solução de alguns mistérios e na mesma medida, o surgimento de outros. Não adianta eu ficar falando o quanto ele é bom e fluído, Clary é uma das minhas mocinhas preferidas. Ela não fica dizendo ‘Oh, como sou rebelde’, ela para, considera e decide, independente do que os outros querem. Se não fosse assim provavelmente a série beiraria a chatice. Thank God it isn’t!

Tô quase lendo o 4º no PC mesmo, e quem me conhece sabe o que isso significa: amei esse livro, estou numa profunda DPL (depressão pós leitura) e preciso saber o que acontece em seguida, pelo bem do mundo e o futuro da humanidade!!

Passou, benhê?

Bem… cof, cof… livro recomendadíssimo!

P.S. sobre a arte da capa (pule se não estiver com paciência): Cidade dos Ossos tinha detalhes na capa e na lombada que me lembram aqueles selos holográficos de VHSs menores de 14 me ignorem brilhantes! Em Cidade das Cinzas o pessoal do marketing resolveu economizar e cortou os brilhinhos da lombada.

Agora Cidade de Vidro parece um discoglobe! EU AMEI!! Estou ficando vesga por não conseguir parar de girar ele de um lado pro outro!

xo

Nuevo Hermano!

É com alegria histérica e juvenil que anuncio a mais nova parceria do blog: a Editora Fundamento!

Pra quem não conhece, a Fundamento nos trouxe séries incríveis como Rangers – A Ordem dos Arqueiros (John Flanagan), Amanhã (John Marsden) e A Lenda dos Guardiões (Kathryn Lasky). Eu amo de paixão esses livros e agora vou conferir a nova aposta da editora: Century!

Century – O Anel de Fogo, de Piedormenico Baccalario (te desafio a falar isso em voz alta)

O Anel de Fogo é o primeiro livro de uma série fascinante. A coleção Century é um grande sucesso de vendas na Itália e Estados Unidos e será publicada em outros 12 países. Você não vai conseguir parar de ler! 

Um erro nas reservas de um hotel forçou quatro jovens que nunca se viram antes a dividir um quarto de hotel. Foi assim que a italiana Elettra, o americano Harvey, o chinês Sheng e a francesa Mistral se conheceram naquela noite de nevasca em Roma. 

Ao saírem para explorar a cidade, os quatro encontraram um desconhecido que entregou uma maleta para Elettra. Dentro dela, havia informações sobre um artefato único e poderoso – o Anel de Fogo. Fascinados, eles começaram a buscar pistas que os levassem a esse intrigante objeto. 

Só que eles não eram os únicos que desejavam encontrar o anel. O impiedoso Jacob Mahler estava disposto a eliminar qualquer um que se interpusesse entre ele e a joia. Mas o que o Anel de Fogo tinha de tão especial?

Century – O Anel de Fogo já está a venda, confiram!
xo

Receitinhas – Frappé de Côco

De acordo com a internet cof cof Wikipedia o frappé é uma bebida gelada de café batido. Já cansei de ver versões das mais variadas por ai e sempre que posso experimento, vale o risco, é MUITO difícil alguém conseguir fazer um frappé ruim, sérião!

Claro que tem sempre um Moisés da vida que consegue, rsrs Nunca aceitem frappés de abacaxi de estranhos ou familiares. Estou até hoje cuspindo aquelas fibrinhas ácidas ¬¬

Abacaxi!!!

Well, então vou passar pra vocês minha muy confiável e preferida versão de frappé, côco!

Pega o seu bloquinho, agora!!

Rende um copão

Tempo de Preparo: 10 min (5min para juntar o ingredientes e mais 5min pra bater)

Dificuldade:  Troll

-100 ml de café forte, frio

-4 bolas generosas de sorvete de côco

-20 ml de leite de côco

-Chantilly (opcional)

Preparo e montagem:

Bata tudo no liquidificador, menos o chantilly. Na taça eu usei um pouquinho de calda de caramelo, daquelas de sorvete compradas prontas mesmo, mas você pode usar qualquer uma. Despeje o frappé na taça e decore com o chatilly e café instantâneo.

Se for bater o chantilly, daqueles de caixinha, deixe o frappé no freezer enquanto isso. E não se incomode com o cristais de gelo. Se gostar de um sabor de café mais acentuado adicione uma colher de chá de café solúvel. Ou se estiver se sentindo intrépido e inspirado, coloque algumas gotas de sua essência preferida =]

Paradise *.*

O frappé cai muito bem com bolo de chocolate ou salgados folhados.

xo

 

 

O Trono de Fogo – Rick Riordan

Rick, me adota?

  •   Autor: Rick Riordan
  •   Editora: Intrínseca
  •   Nº de Páginas: 400
  •   Edição: 1
  •   Ano: 2011
  •   Título Original: Throne of Fire
  •   Tradutor: Débora Isidoro
  •   Avaliação: 8,0
Perigos de Spoilers!!!!!!O Trono de Fogo é a continuação de A Pirâmide Vermelha
Os deuses do Egito Antigo foram libertados, e desde então Carter Kane e sua irmã, Sadie, vivem mergulhados em problemas. Descendentes da Casa da Vida, ordem secreta que remonta à época dos faraós, os dois têm poderes especiais, mas ainda não os dominam por completo – refugiados na Casa do Brooklin, local de aprendizado para novos magos, eles correm contra o tempo. Seu inimigo mais ameaçador, Apófis, está se erguendo, e em poucos dias o mundo terá um final trágico. Para terem alguma chance de derrotar as forças do caos, precisarão da ajuda de Rá, o deus sol. Despertá-lo não será fácil: nenhum mago jamais conseguiu. Carter e Sadie terão de rodar o mundo em busca das três partes do Livro de Rá, para só então começarem a decifrar seus encantamentos. E, é claro, ninguém faz ideia de onde está o deus.

————————————————————————————————————————————————

 

Eu sou uma fã inoxidável do Rick Riordan. Realmente gostaria que ele acompanhasse com sua escrita o meu ritmo de leitura, mas, como não dá, me contento em ficar ruminando as suas obras. Hoje me peguei pensando cheirodequeimado por que eu gostava tanto dos livros dele, quero dizer, o cara não criou nada de novo! Todos os temas que ele usou já tinham sido dissecados antes, já faziam parte do nosso conceito de clássicos. Não me refiro só a mitologia, mas aos ‘sim, garoto, você não é um mero mortal’, os ‘agora vá, e salve o mundo’, ou alguém aqui vai me dizer que Senhor dos Anéis não é um clássico? Que Harry Potter não abalou estruturas? Que nunca quis ir para Nárnia?? Heim? Heim?  Foi o que pensei.

A genialidade do cara veio justamente disso, ele pegou coisas velhas (refiro-me às mitologias, por favor) e outras referenciais, tirou o pó, passou um Veja Multiuso, arrumou de outro jeito e voilá! Fez o referencial dar vida nova a coisas que só interessavam a nerdões ou professores de história (pleonasmo) ! As crianças que hoje acham que o smartphone nasceu colado nelas ou que e-mail é coisa de velho se interessam por Zeus, Ísis e toda a patota! Pesquisam sobre política na antiguidade, descobrem que filosofia não é chata mentira e principalmente, prestam atenção na aula de história! Well, eu estou quase começando um discurso sobre entender o passado para mudar o futuro e blá blá blá, então melhor parar por aqui a ruminação.

Ah, só mais uma coisa. Tanto as Crônicas dos Kane quanto Os Olimpianos são completamente confiáveis nas suas informações sobre os deuses e culturas mostradas. Palavra de aficionada em mitologias, só Deus e a Irmã Tereza sabem quanto tempo em me enfurnei naquela biblioteca lendo e relendo tudo o que tinha a ver com Grécia, Roma, Egito e os Nórdicos. (Hum Andhy, sua nerdona) Sou mesmo! E você também, que leu até aqui!!

Orgulho Nerd

Agora vamos a’O Trono de Fogo (Aviso mais uma vez, spoilers fortes de A Pirâmide Vermelha)

O livro começa com os irmãos Kane invadindo o Museu do Brooklyn. Eles precisam descobrir que pista uma estátua guarda sobre o Livro de Rá e para isso contam com a ajuda de dois novos amigos, Jaz e Walt. Ambos foram os primeiros a responder o chamado de Carter e Sadie, e a tornarem-se aprendizes da Casa da Vida do Brooklyn.

Digamos que Walt, gosto de pensar nele como um Tyrese Gibson adolescente, mexeu um pouco com a Sadie. Contanto ela não esqueceu Anúbis (que eu carinhosamente penso como Josh Harnett), da mesma forma que Carter não esqueceu Zia, na verdade ele anda meio obcecado:

“-Carter, não quero ser indelicada – eu disse – mas nos últimos dias você tem visto mensagens sobre Zia em todos os lugares. Há duas semanas você pensou que ela tivesse mandado um pedido de socorro em seu purê de batatas.

-Era um Z! Desenhado bem nas batatas!”

Quando Sadie pega o pergaminho que fazia parte do Livro de Rá, desencadeia, pra variar, uma boa armadilha egípcia! Espíritos do caos os atacam por todos os lados e os meninos tem que improvisar para se defenderem. Só que então um desses espíritos se dirige a Carter lhe diz onde Zia está e avisa, se ele não deixar sua missão de lado, ela morrerá.

A partir daí tudo se desenrola bem freneticamente, acontece tão rápido que você não consegue se obrigar a parar a leitura pra fazer qualquer outra coisa! Os Kane, além de terem de se virar para acordar e reentronar um faraó e salvar o mundo em cinco dias, vão ter de fugir dos deuses irados com a ‘reforma’  e de assassinos das outras Casas da Vida, que ainda não engoliram o trato feito com Set.

Sinceramente senti falta de mais romance. (Eu sei que é um juvenil) Qualé? Eu realmente adoro romance! Mas com certeza esse é o livro mais divertido e bem humorado do ano. A Mimo até saiu do lugar de honra dela, meu colo, enquanto eu lia porque as risadas deviam estar atrapalhando. Os novos aprendizes são incríveis, tem até uma menina do Brasil!

‘Para de fazer barulho, eu quero dormir!’

Enfim, recomendo não só porque faz bem ler continuações, mas por ser um livro muito bom!

xo

Libreria Mia

Vou começar a postar as fotos e atualizações das minhas estantes e livros na página Libreria Mia

É, eu sei, mas eu amo ficar olhando pros meus livros. E eu realmente gosto de tirar fotos deles, mesmo que não faça isso direito, talvez eu precise de um curso de fotografia…

O que você precisa é de um psiquiatra que goste de desafios

xo

Terrível Encanto – Melissa Marr

Capa, je t'aime.

  •   Autor: Melissa Marr
  •   Editora: Rocco
  •   Nº de Páginas: 360
  •   Edição: 1
  •   Ano: 2011
  •   Título Original: Wicked Lovely
  •   Tradutor: Maria Beatriz Branquinho da Costa
  • Avaliação: 9,0

A série Wicked Lovely conta a história de um mundo onde as vidas de fadas e humanos se misturam. Aislinn é uma adolescente que pode ver fadas ao seu redor, mas que foi ensinada durante toda sua vida a fingir que não as vê. Ela está lutando para lidar com as fadas quando Keenan, fada Rei do Verão, entra em sua vida e tira sua mortalidade, pedindo-lhe para se tornar a Rainha do Verão e derrotar sua mãe, a Rainha do Inverno. Se ela recusar, O inverno irá tomar conta do mundo e matará todas as fadas e mortais.

Eu gosto bastante de histórias de fadas, desde sempre. Na verdade agora estou tentando me lembrar do primeiro livro que li com essa temática: acho que foi Artemis Fowl, ou A Dança da Floresta, realmente não me lembro. De um jeito ou de outro, elas sempre entremearam as minhas leituras.

Por isso não compartilho do afã que estão fazendo em cima dos recentes livros sobre fadas, como se fosse algo supernovo. Well, não é.

Mas não quer dizer que seja uma coisa ruim, contudo. Na verdade eu acho ótimo, sempre pensei que a cada livro escrito o Mundo fica um lugar melhor, não importa se for um livro bom ou porcaria. É sempre um acréscimo de alguma maneira.

O legal de Terrível Encanto é que, depois que você termina, vai atrás de outros livros parecidos.  Uma boa pedida pra quem amou ou odiou O Rei de Ferro, da Julie Kagawa. Ou pra quem se irritou profundamente com a Donna Underwood, de A Bruxa de Ferro.

A Aislinn [é um nome Irlandês que significa visão, ou sonho (pois é, eu gosto de pesquisar os significados dos nomes)] é uma aborrecente centrada e sensata, ela sabe que não é brincadeira ter o dom de ver as criaturas mágicas que andam por ai, totalmente invisíveis aos outros humanos. São seres encantados cruéis que pregam peças e atormentam tanto as pessoas quanto sua própria espécie, e Vovó sempre lhe disse para seguir três simples regras:

Não encare os seres encantados invisíveis.

Não fale com os seres encantados invisíveis. 

Nunca desperte a atenção deles.

O problema é que agora eles começaram a prestar atenção nela! Não todos, claro, mas dois em particular a estavam seguindo por onde quer que fosse.

Keenan (que significa descendente das fadas, também irlandês), o jovem Rei do Verão, e Donia (dama poderosa), a atual Garota do Inverno. Keenan é filho de Beira, a Rainha do Inverno. Uma mulher ruim. Muito ruim. O epíteto da ruindade. Ela matou o pai de Keenan, Rei do Verão, passou a reinar soberana sobre as estações e, sem oposição à altura, o inverno fica cada vez mais longo e frio, ameaçando matar todo mundo.

Donia costumava amar Keenan, ela era humana e se encantou com a beleza e o charme sobre-humano dele. Mas Donia fora enganada, no momento em que o Rei do Verão se interessou por ela, sua mortalidade acabou e ela teve que fazer a seguinte escolha: deixa-lo para lá e tornar-se uma Garota do Verão, sem responsabilidades nem pudor, ou arriscar tudo e segurar o bastão do Inverno. Se fosse a Escolhida, ela seria coroada a Rainha do Verão, reinaria ao lado de Keenan e juntos seriam fortes o bastante para repelir Beira. Porém Donia, apesar de seu amor, não era a Rainha do Verão e foi condenada a abrigar o frio e dissuadir a próxima garota de Keenan, mesmo que só fosse libertada quando outra ousasse segurar o bastão.

Isso tudo foi um encantamento criado por monarcas de outras Cortes para evitar que Beira matasse de cara o filho e a corte do Verão tivesse a chance de ser reconstruída.

Aislinn, ou Ash, obviamente é o novo alvo de Keenan. Só que o bonitão não contava que, além de bater de frente com Beira o tempo todo, ele teria de se desdobrar inteiro para conquistar a menina. Tudo porque Ash, além de saber que ele é um encantado, já está apaixonada por Seth.

Seth mora num vagão de trem desativado, é um pouco mais velho que ela, é também o seu melhor amigo, mas tem a grande fama de preferir encontros casuais. Do tipo: é só uma noite, babe, não vou te ligar amanhã. Ele dá vários sinais de estar interessado, mas Aislinn não quer arriscar sua enorme amizade por nada mais que uma noite de diversão.

Ao invés disso ela desvia a atenção para coisas mais urgentes, tipo as fadas. Sério, ela conta pra ele TUDO sobre o seu dom e seus perseguidores. E o Seth acredita!

Dou meu total apoio para as não-enrolações desse livro.

We aprove this book!

Agora Aislinn tenta resistir ao encanto que Keenan exerce sobre ela, literalmente, e se foca em proteger sua Vovó e Seth contra as influências que o Rei do Verão trouxe para sua vida.

Gostei muito desse livro porque ele não é obvio: a mocinha NÃO larga tudo e todos pelo COMPLETO ESTRANHO que aparece na sua porta do nada. A Ash não quer gostar do Keenan, ela cresceu ouvindo que os seres encantados eram maus e horrendos e que faziam coisas cruéis com os mortais. Ela quer ficar quieta no canto dela, de preferencia com o Seth, e esperar toda aquela atenção passar.

Também passei boa parte do livro tentando me decidir se apoiaria o Keenan ou o Seth, acho que já me decidi, mas sem muuuita firmeza. O final é realmente muito bom, com uma enorme surpresa.

Estou cobiçando o 2º, Ink Exchange, imaginando o que está por vir!

Leiam!!

xo